topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Enfrentando a impotência, ainda que tarde Imprimir E-mail
Escrito por Milton Temer   
Terça, 11 de Outubro de 2011
Recomendar

 

Duas notícias nos jornalões são dados novos e importantes na avaliação das guinadas pró-conservadores do governo Dilma.

O Valor Econômico trata dos "ajustes" na diplomacia brasileira, se delineando como mais pragmática, a partir de roteiros e declarações feitas pela presidente no exterior. Isso, na prática, tem significado claro: aproximação com as opções e determinações do Departamento de Estado americano, na lógica da defesa das "direitas humanas". Ou seja, rigor no tratamento com governos que ousem pensar de forma soberana, e absoluta leniência com os que cumprem o papel de sabujo, mesmo que estes possam ser muito mais cruéis, repressivos e atrasados do que aqueles.

Vem depois a informação sobre a irritação de lideranças sindicais com o endurecimento do Planalto em relação às greves de servidores de empresas ou bancos públicos. E quem estrila é a CUT, que se caracterizou pela absoluta subserviência às prioridades "pragmáticas" do governo Lula, porta de entrada para as concessões ao grande capital que vêm sendo implementadas pelo governo Dilma. E que agora entra enfraquecida no embate.

Foram oito anos de absoluta impotência governamental, que prometem seqüência nos que se agora desenham com a sucessora, para a correção e inversão de rumos em uma política tributária e fiscal absolutamente conservadoras e inteiramente submetidas aos interesses do grande capital - tanto o financeiro quanto o do agronegócio predador.

Seriam a CUT e o MST os agentes naturais do contraponto à Febraban e aos ruralistas. Mas qual o quê. O silêncio e a conivência se impuseram, e continuamos apresentando uma das mais cruéis tabelas regressivas de tributação (onde o capital especulativo é isentado por conta da taxação da produção e do consumo, para além do arrocho sobre os salários) e uma das mais anti-sociais políticas agrárias que o mundo possa conhecer. Estão aí os índices isentos das instituições internacionais para justificar.

Tal contexto se construiu e se mantém consolidado porque, junto a ele, vieram as concessões assistencialistas do Bolsa-Família, Prouni (que salvou a inadimplência tributária criminosa das instituições de ensino superior privado), sobre as quais as lideranças sindicais oficialistas encontraram o veio para o apoio incondicional às demais políticas anti-povo do governo populista.

O que faz o governo atual para alterar essa cruel distribuição orçamentária, que se condiciona aos mais de 40% destinados aos serviços de uma dívida pública nunca auditada, a despeito de determinação estabelecida na Constituição de 88? Distribuição inaceitável quando se constata que desse Orçamento não mais que 4% são destinados à Saúde e apenas 2% vão para a Educação. Se depender do anunciado, nada. Pelo contrário, o que se garante é a manutenção de um criminoso superávit primário, destinado a transferir recursos do Tesouro para as burras dos banqueiros privados, em sua incessante especulação com títulos da dívida.

É bom que a CUT desperte, mesmo que timidamente. Mas melhor seria que, juntamente com o Partido dos Trabalhadores (outrora combativo, hoje se tornando para-raio na defesa de uma inaceitável coligação partidária) e o MST, atentasse para o que ocorre no mundo e se tornasse vanguarda dos instrumentos sociais de pressão, num contraponto ao crescente poder do grande capital sobre as políticas públicas. E bom que o faça rapidamente, pois já está aí a Rede Globo se organizando, em debates privados - monocórdios na defesa do "livre mercado" -, através de campanhas anticorrupção calcadas na despolitização e na alienação em relação a ações políticas e partidárias progressistas.

Que o faça, organicamente, antes que o povo as imponha, com as limitações da inorganicidade e sua conseqüente falta de resultados concretos, que terminem em desmoralização e desencanto, campo ideal para o estabelecimento de retrocessos autoritários.

 

Milton Temer é jornalista e ex-deputado federal pelo PT.

 

Recomendar
Última atualização em Sábado, 15 de Outubro de 2011
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates