Crise exige nova vanguarda social, despida de ilusão com o pacto formado pelo lulismo

0
0
0
s2sdefault

 

Os artigos que de forma regular escrevo sobre a economia brasileira são publicados, generosamente, entre outros veículos, pelo Correio da Cidadania, portal de informações, matérias jornalísticas e opiniões extremamente úteis para todos os interessados em conhecer pontos de vista alternativos ao que, em geral, encontramos na chamada mídia dominante.

 

Claudio Campos, leitor desse portal, me agradece pelas minhas contribuições, mas, lembrando que no dia 23 de setembro ele passou “oficialmente a idoso”, me indaga, frente ao meu artigo da semana passada (O dólar sobe), qual a saída que temos. Ele, me parece, está muito mais preocupado em encontrar alternativas para o impasse que vivemos do que em meras considerações sobre a marcha do dia-a-dia da economia.

 

O leitor tem razão. A análise da economia, bem como das demais ações desenvolvidas pelo governo, sob o prisma da política, e dentro de uma perspectiva transformadora, deve ser apenas um instrumento para melhor auxiliar a todos os que lutam por uma nova ordem.

 

Nova ordem em favor dos trabalhadores e demais setores sociais que percebem a contradição entre a dinâmica de funcionamento do capitalismo, seus valores e as necessidades de vida das maiorias, especialmente frente à perigosa crise que vivemos.

 

Sou de opinião favorável à mudança substantiva da política macroeconômica. A macroeconomia que temos é a recomendada por bancos e transnacionais. Perdura, em suas linhas gerais, desde janeiro de 1999, quando a primeira fase do Plano Real sucumbiu, com a tentativa de se manter a nova moeda atrelada ao dólar. Desde então, com a interferência do FMI, passamos a adotar o câmbio flutuante, metas fiscais de superávit primário e, como referência à política monetária, o sistema de metas de inflação.

 

Sem prejuízo de outras reformas que se fazem absolutamente necessárias - como a tributária, a agrária, a dos serviços públicos e a da previdência (em uma perspectiva totalmente distinta da defendida pelos liberais) –, precisaríamos de uma macroeconomia que colocasse o crescimento econômico, a geração de empregos de qualidade, o fortalecimento da produção nacional e a distribuição de renda e riqueza como objetivos maiores a serem alcançados.

 

A dificuldade que encontramos hoje, aqui no Brasil, começa pelo fato de não existir concordância, ou reconhecimento, sobre a grave crise em que estamos mergulhados. Ao contrário, catapultados pela mídia dominante nativa e internacional, os governos de Lula e Dilma são avaliados positivamente e responsabilizados pelo que chamam de “emergência do país no cenário internacional”. A política econômica, naturalmente, e o Programa Bolsa-Família são apresentados como exemplos de políticas bem sucedidas e que colocariam o Brasil, finalmente, na rota de um desenvolvimento “sustentável”.

 

Da nativa TV Globo ao jornal londrino Financial Times, os elogios são rasgados. O ex-presidente Lula, por exemplo, é levado por várias corporações internacionais, especialmente do mundo financeiro, para os quatros cantos da Terra, onde promove palestras regiamente remuneradas e transmite um pouco da sua “exitosa” gestão presidencial.

 

No campo da economia, o acelerado processo de endividamento do Estado, das famílias e das empresas, especialmente no mercado externo, é minimizado – ou mesmo negado. A desnacionalização do parque produtivo e a crescente dependência do país, para o seu financiamento externo, da exportação de commodities agrícolas e minerais ou da atração de recursos financeiros da especulação internacional são consideradas normais.

 

No plano social, a falência das políticas sociais de educação e de saúde, por exemplo, parece não ter importância alguma. E a crise de mobilidade urbana das nossas grandes cidades, sufocadas pelo automóvel e carentes de transportes públicos de massa, também é desconsiderada.

 

Caso nos voltemos para a esfera institucional, as notícias dos jornais falam por si só. Integrantes da cúpula do Poder Judiciário se insurgem contra a corregedora do Conselho Nacional de Justiça, por conta de uma corajosa declaração da magistrada, apontando a existência de “bandidos escondidos atrás da toga”. O mandante da morte da juíza Patrícia Acioli, recentemente assassinada aqui no Rio, teria sido, de acordo com a própria polícia, o ex-comandante do Batalhão da PM de S. Gonçalo, quartel investigado pela juíza, por conta de um conjunto de crimes praticados por integrantes daquela unidade.

 

E no plano do Poder Legislativo, o presidente da Câmara se apressa para tentar justificar uma sessão da Comissão de Constituição e Justiça que, com apenas dois parlamentares presentes, aprovou, em três minutos, 118 projetos. Em tempo: a referida sessão aprovou outorgas e renovações de rádios e TVs, outra verdadeira bandalha que institucionaliza o universo dos meios de comunicação de massa, dependentes de concessão pública.

 

Portanto, para aqueles que reivindicam uma saída para o impasse em que vivemos, uma primeira tarefa seria conseguir criar uma massa crítica de informações, capaz de desvendar essa realidade ocultada das maiorias, ao menos para setores de uma vanguarda social, disposta a enfrentar as duras batalhas que temos à frente.

 

Contudo, e esse me parece o problema mais grave, esses setores da vanguarda social, em sua maioria, se encontram absolutamente iludidos – ou cooptados – pelo pacto social forjado pelo lulismo.

 

O pacto social lulista trouxe novos atores para o interior do bloco de poder original que sustentou o Plano Real, formado por bancos e transnacionais. O chamado agronegócio e uma elite de trabalhadores vinculados aos fundos de pensão fechados, junto com os partidos que eram de esquerda e criticavam anteriormente o modelo neoliberal, passaram a fortalecer a opção adotada pelas elites dominantes, a partir dos anos 90.

 

É esse processo que explica – e justifica – o fato de um parlamentar como Aldo Rebelo, do PCdoB, ser festejado pela senadora Kátia Abreu, expoente política do latifúndio produtivo; ou Bresser Pereira, o estrategista da reforma administrativa de FHC, exercitar contorcionismos pseudo-teóricos para defender o modelo dos bancos e das transnacionais, sob gestão do lulismo, como “neo-desenvolvimentista”.

 

Desse modo, uma segunda tarefa, simultânea à primeira, seria reconfigurar uma nova vanguarda social, despida de qualquer ilusão com o lulismo e capaz de reinterpretar o diagnóstico da crise em que nos encontramos mergulhados, estabelecendo novos objetivos de luta e organização do povo. E esta não é uma tarefa das mais simples.

 

Estamos em um tempo de plena hegemonia do regime do capital e, aqui no Brasil, vivemos esse paradoxo da metamorfose política da ex-esquerda. Recolocar a luta social e política em um novo plano demandará tempo. Tempo político, distinto do tempo cronológico, mas tempo. Tempo onde a perseverança e a firmeza de princípios, junto com criatividade política e o conhecimento da realidade em permanente mutação, se farão, mais que nunca, necessários.

  

Paulo Passarinho é economista e membro do Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro.

Comentários   

0 #5 ideologiaclaudio campos 03-10-2011 15:19
meu caro PROFESSOR PAULO PASSARINHO a ideologia hoje é algo sem sentido,converso com muitas pessoas alistadas nos partidos pergunto se antes de entrarem para o partido leram o programa do mesmo para conhecer a ideologia do partido,os seus objetivos e a minha decepção é grande,a maioria não sabe qué é ideologia,não sabe coisa alguma do programa enfim é chamado analfabetismo politico de quem está dentro do partido...E quem do lado de fora,não inscrito em partido a realidade é esta; partido de direita e´o que rouba com a mão direita, o partido de esquerda o que rouba com a mão esquerda,eo chamado de centro é o rouba com as duas mãos...e caro professor está bombando na midia um partido formado recentemente chamado pelo seu criador de PARTIDO sem IDEOLOGIA de centro... Afirmo se formarem mais partidos haja imposto,para abastecer tanta corrupção...PERGUNTO existe uma saida de médio prazo para isso??... permita de chama-lo de amigo algum dia,pois o senhor ajuda-me a entender melhor o nosso pais..''VIVA O BRASIL''
Citar
0 #4 Condções ObjetivasRicardo Lopes 03-10-2011 13:33
Concordo plenamente com o que colocou Paulo Passarinho. Mas acredito também que só se pdoerá obter algum resultado nesse processo de construção de uma nova oposião de esquerda, em um sentido largo do termo, quero dizer, portanto, uma esquerdaque não coloque um socialismo idealizado na frente de tudo, sem considerar as diversas conquistas que se podem e devem realizar no âmbito mesmo do capitalismo, tais como a prática de uma política keynesiana de teor social-democrata se houver alguma crise política que faça romper o atual bloco histórico de poder. Ricardo Lopes
Citar
0 #3 LULISMOdaniel 03-10-2011 12:24
Estou de acordo com tudo que foi dito acima,e digo mais,esse palanqueiro lula,ainda tera muita sobrevida,principalmente se depender dessa péssima formacao de censo critico e deseducacao do povao das bolsas familias etc.e tal
Citar
0 #2 Suas verdades não correspondem aos fatosRaymundo Araujo filh 03-10-2011 10:07
É com certa surpresa que vejo este artigo contra a adesão ao populismo eleitoreiro do PT, por parte do Paulo Passarinho, pois me parece que o economista e apresentador do programa Faixa Livre (em péssima fase, a meu ver), está “bancando” a mesma inflexão de seus amigos do PSOL, partido ao qual não é filiado mas, a meu ver, colabora muito mais do que muitos militantes psolistas e é declarado eleitor.

Esta semana desisti de participar do Programa no qual já fui comentarista e atuava como “recadista “quase diário, pois fui chamado de "mal educado" por eu ter questionado o prof. Carlos Lessa (recém filiado ao PSOL), por ele ter criticado no programa, as exigências ambientais para obras estruturais do neoliberalismo no Brasil, como é a Hidrelétrica Belo Monte, que o ex presidente do BNDES (e que muitos consideram um nacionalista) defende com grande empenho. Minha crítica ao PSOL não ficou só nisso. Questionei também, o por que da filiação, senão um viés eleitoreiro-populista do vereador carioca Paulo Pinheiro (ex-PPS, Partido de direita como sabemos)que, ao contrário do vereador Psolista do Rio Eliomar Coelho, defendeu o projeto estruturante do neoliberalismo no Rio que é a entrega de importante parte da cidade à gestão particular, com o nome de Novo porto do Rio.

Sexta feira passada, após o governo fascistizante do Sérgio Cabral Filho ter sido obrigado a fazer mudanças agudas no comando da PM, o dep. Marcelo Freixo fez uma calorosa saudação ao novo comandante da corporação, denotando que sentiu fortemente o golpe, pela usurpação bonapartista, pelo governo Cabral, da Bandeira de Uma Nota Só (a da Segurança) do deputado estadual psolista. O jovem deputado psolista, que se diz marxista leninista, precisa aprender que não se elogia INIMIGOS DE CLASSE, de forma alguma, no máximo avisamos que estaremos vigilantes aos passos dados e resultados conseguido por cada manobra feita, ainda mais estas, impulsionadas por denúncias externas ao governo sobre crimes hediondos inadimissíveis, mas que nos mostram que o governo deu asas a quem não as pode ter.

Na outra semana, ouvi estarrecido, uma mensagem do dep. Federal Ivan Valente, dirigindo-se às gerações mais novas dos militares, dizendo “vocês não precisam carregar a canga da tortura praticada por uma minoria dos militares, há 40 anos atrás”. Ora! Será que o deputado do PSOL-SP não sabe que a última turma de oficiais formados na Academia Militar das Agulhas Negras teve como homenageado o general ditador , o sanguinário Emílio Garrastazu Médice? Será que o certo não seria dizer “se vocês não querem carregar a canga da tortura e da repressão, que se manifestem então, pois quem não quer cheirar a porcos, que não andem com eles”. Achei muito populista a fala do dep. Ivan Valente, sinceramente.

Hoje, o dep. Federal Chico Alencar impreca a pecha de histéricos para aqueles que foram contra a entrada do prof. Carlos Lessa e do vereador Paulo Pinheiro no PSOL, se dizendo “a favor da História e não da histeria”. Temo algum Poder na mão deste senhor. Não me passou desapercebidos os elogios do deputado ao Gabeira do PV, dizendo inclusive que muitos de seus votos foram orientados pelo PSOL. Esqueceu-se de dizer, o Chico Alencar, que Gabeira foi o candidato da direita nas eleições passadas no RJ e que, anos atrás, foi, como é hoje, a favor da privatização do Petróleo, da energia Elétrica e da telefonia Brasileira. Se isso não é populismo eleitoreiro,, não sei do que se trata.

O presidente do PSOL – RJ Milton Temer, em conversa telefônica comigo, disse que o importante é saber quem está do lado da população pobre e dos trabalhadores, como norte para filiações no PSOL. Pedi para que perguntasse aos Sem Teto do Rio e aos trabalhadores e populações atingidas por Belo Monte se estes dois novos filiados ao PSOL estariam enquadrados nesta categoria.

Assim, na minha opinião, Paulo Passarinho, com a névoa “de não ser filiado ao PSOL”, embarca naquilo que penso ser mais um desastre político partidário aqui no Brasil, qual seja a tentativa do PSOL tentar ser o PT do passado, mas que vai o levar a se igualar ao PMDB de hoje. E lembrem-se que, algum tempo atrás, escreveu artigo aqui no Correio, elogiando o nacionalismo do prof. Carlos Lessa, que eu apontei, aliás, acertadamante, como uma apresentação para vindoura filiação do defensor de belo Monte no PSOL. Acertei em cheio!

Valha-nos Deus!
Citar
0 #1 Crise e a nova vanguarda socialraul milan 01-10-2011 17:58
Concordo plenamente com o artigo. O que torna ainda mais difícil a luta dos trabalhadores no Brasil é a cortina de fumaça promovida pelos governos Lula/Dilma para esconder a sua real política , que é de continuidade das políticas neoliberais , mas com uma nova cara. Muito mais esperta , típica do sindicalismo de resultados que é a "alma" desses governos. Um exemplo: Caixa Federal e BB são bancos públicos ? podem ser juridicamente , mas na prática foram privatizados. A Petrobrás a maior parte dela é privada. Os leilões continuam. Os recursos do Pré- Sal estão sendo privatizados. A CPI da dívida pública foi sabotada pelo governo. O PNDH-3 e a Comissão da Verdade foram desfiguradas e esvaziadas por pressão do governo. Palocci ( uma indicação do Lula ) , um homem forte no governo tinha relações perigosíssimas com o capital financeiro. Paulo Bernardo pelo que se lê é um representante das teles ,é um homem do capital. Só não vê quem não quer. Lamentável é ver intelectuais importantes perdendo tempo fazendo comparações dos governos de FHC e Lula. Mas as esquerdas que participaram da formação do PT e também aquelas que continuam lá , precisam fazer a sua autocrítica e explicar como o partido pode ficar em mãos tão despreparadas. Mas tem algo mais trágico - não há crise no PT , nem tampouco na CUT e nem tampouco na UNE. Isto é o mau sinal . Sinal de que o que havia de rebeldia dentro destas instituições morreu , está agonizando , se acomodou ou pior , passou para o outro lado.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados