topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Código Florestal: depoimento dos pequenos Imprimir E-mail
Escrito por D. Demétrio Valentini   
Qui, 29 de Setembro de 2011
Recomendar

 

  

O Código Florestal tem tantas implicações que precisa ser visto de todos os ângulos para sopesar bem suas conseqüências. Um aspecto que não pode faltar, é o ponto de vista dos pequenos agricultores, enquadrados ou não nos limites da agricultura familiar.

   

Um aspecto que precisa ser enfrentado com clareza se refere aos equívocos da fiscalização dos pequenos agricultores por órgãos governamentais, com procedimentos completamente inadequados, violentos e desproporcionais, como dá para perceber deste depoimento que me permito trazer, com autorização dos seus autores.   

Eis o depoimento:  

   

“Vou dizer, brevemente, como estão as coisas. Somos vistos como criminosos. Estamos sendo acusados por algo que não cometemos.

     

Onde moramos existe a formação de uma bacia hidrográfica. Ao longo de sua extensão, moram 48 famílias, que ali residem desde a colonização do município, faz mais de 90 anos. Estas famílias ocupam uma área com pouco mais de 2.000 hectares, são todos pequenos proprietários.

   

Em meados da década de 90, um grupo de pessoas ligadas à política, formalizou uma denúncia junto a Promotoria Pública acusando-nos de ter desbravado as matas, e que por isto seríamos nós os responsáveis pela falta de água na cidade em tempos de seca.

   

O promotor designou a polícia militar através da PATRAM para que realizasse a investigação.

    

Daí em diante as coisas ficaram difíceis. Fomos visitados várias vezes pela PATRAM (Patrulha Ambiental), sempre armados e com número elevado de policiais, SEMA (Secretaria Estadual do Meio Ambiente), MP (Ministério Público), IBAMA e outros entidades.

    

Fomos multados. Estamos sendo processados por crime ambiental. Fomos obrigados a assinar termo circunstancial de ajustamento de conduta.

    

As multas tiveram diversos valores, de 500 até 10.000 reais. Se realmente tivesse sido aplicada a lei tal qual como ela é, várias famílias perderiam tudo, não teriam onde morar. Das 48 famílias que residem ali, 12 não sobravam nem terra para construir uma simples casinha para morar.

     

Apenas 30% destas famílias teriam condições de permanecer em seu local de origem. Formamos uma comissão, tentamos negociar , explicar a realidade de cada caso, mas de nada adiantou. Individualmente houve inúmeras autuações das mais variadas, porém sempre com extremo rigor e abuso. Há casos em que a ocorrência era uma coisa e o laudo era outro. As ameaças são fortes, vão de prisão até a perda da propriedade, multas e por aí afora.

     

As pessoas mais idosas e semi-analfabetas foram as mais visadas, nestes casos é uma aberração. Ali escreviam o que queriam e faziam os velhos agricultores assinarem sem saber o que era. Depois vinha o processo”.      

 

Este o depoimento. Ele traz à tona uma problemática muito séria, resultante de diversas circunstâncias, onde certamente não falta o abuso de poder, propiciado por equívocos da legislação em vigor, que necessitam urgentemente de correção.

      

Houve equívocos na nova lei, como o evidente exagero de simplesmente multiplicar por seis a largura das matas ciliares. Mas houve muitos equívocos na aplicação da lei, fazendo com que o IBAMA fosse mal visto pela grande maioria dos agricultores.

       

Tudo o que um Código Florestal não deveria provocar está espelhado neste depoimento, que faz pensar em tantos outros parecidos com ele.

       

O que precisamos é de um Código Florestal exeqüível, feito com bom senso, que sirva de referência positiva e de estímulo para todos se sentiram envolvidos na causa da preservação ambiental e da produção de alimentos para a mesa de todos!

 

D. Demétrio Valentini é bispo de Jales.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates