topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Alckmin punirá Ecovias por acidente? Imprimir E-mail
Escrito por Altamiro Borges   
Quarta, 28 de Setembro de 2011
Recomendar

 


O mega-engavetamento na rodovia Imigrantes, na semana passada, maculou a imagem vendida pelos tucanos sobre o paraíso das estradas paulistas e sobre o sucesso da privatização do sistema. Segundo a Polícia Rodoviária, o acidente envolveu cerca de 300 veículos. As cenas de destruição, incêndios e pessoas sangrando foram dramáticas. Uma pessoa morreu e mais de 50 ficaram feridas.

Medidas depois da tragédia

Diante do desgaste, o governador Geraldo Alckmin afirmou que a empresa responsável pelo sistema Imigrantes-Anchieta, a Ecovias – que aufere bilionários lucros com a cobrança dos pedágios mais caros do país – “poderá” ser punida. “(Vamos) primeiro aguardar as apurações que estão sendo feitas”, ponderou o tucano.

A empresa privada tem sido duramente criticada pelas falhas na operação de monitoramento em caso de neblina na serra que liga a capital ao litoral paulista. “A Artesp, que é a agência reguladora de transporte, já está trabalhando com a concessionária” para aperfeiçoar o serviço, garantiu o governador. Depois da casa arrombada, agora o governo providencia a fechadura.

O cinismo da empresa “privada”

A Ecovias, por sua vez, tenta tirar o corpo fora e culpa a natureza pelo mega-acidente. Procurada pelo portal R7, a assessoria de imprensa da companhia afirmou que “a neblina é uma condição climática que não pode ser evitada. Dessa maneira, a Ecovias não pode ser responsabilizada pelo ocorrido”. O cinismo da lucrativa empresa, porém, não convenceu os usuários.

O vendedor Fernando Augusto de Souza, que viu seu automóvel de trabalho Palio virar sucata, é um dos que já decidiram processar a empresa por danos materiais e morais. “Você paga pedágio para ter segurança, conservação, essa é a finalidade. A rodovia tinha a obrigação de saber se tinha neblina ou não”, argumenta o seu advogado. Outras vítimas do engarrafamento também devem acionar a Justiça.

Lucros exorbitantes e protestos

A privatização tucana das rodovias paulistas tem gerado cada vez mais críticas da sociedade. Tanto que o tema motivou intensos debates entre os candidatos ao governo estadual nas eleições de 2010. Usuários do sistema privatizado inclusive têm organizado vários movimentos de protestos, como o “pedagiômetro”, que mede o lucro exorbitante das concessionárias.

Segundo levantamento parcial, em 12 anos, de 1998 a 2010, as 12 concessionárias que atuam nas rodovias de São Paulo tiveram um lucro R$ 4,8 bilhões. Só a Ecovias garantiu um lucro líquido – líquido!!! – de R$ 997 milhões no período. Em 2009, ela arrecadou R$ 567 milhões nos pedágios do sistema Imigrantes-Anchieta; investiu uma parte em infra-estrutura e embolsou R$ 192 milhões de lucro líquido.

 

Altamiro Borges é jornalista.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates