O empresariado brasileiro e a ética na política

0
0
0
s2sdefault

 

O sistema FIRJAN, corporação dos industriais do Rio de Janeiro, comprou página dupla nos jornais do dia 7 de setembro para publicar um vistoso manifesto. Em duas cores e letras garrafais, o título pomposo - ”MANIFESTO DO EMPRESARIADO BRASILEIRO EM FAVOR DA ÉTICA NA POLÍTICA” – fornece cabeçalho para um texto no qual desfilam belíssimas palavras.

 

Reitera, de maneira categórica, “firmes princípios de defesa da ética na política e da transparência no trato da coisa pública”. Afirma que vivemos “momento histórico”, decisivo para o país, que se coloca “diante de um ponto de não retorno às práticas da velha política”. Rechaça como falso o dilema que serve de escudo para os “santos do bordel”: “ética e governabilidade jamais serão incompatíveis numa democracia”. E, por fim, faz um chamado à mobilização: “é necessário que toda a sociedade civil se posicione”.

 

Sem dúvida, impressionante. E, por si só, positivo. Deixa claro que o mal estar da cidadania diante da degradação nas práticas políticas já disparou alarme no arraial dos poderosos. Ademais, que não se desqualifique por tardia a manifestação da corporação empresarial. Antes tarde do que nunca. No entanto, ao cidadão escaldado no engodo é legítimo desconfiar. Refrear o aplauso e aguardar o desdobramento prático de tão promissora declaração de princípios.

 

O próprio manifesto, quando diz ser “reconfortante verificar que a retórica dá lugar à ação”, coloca em pauta o xis do problema. Campanhas publicitárias e movimentos de rearmamento moral operam no plano da retórica e da autopromoção. A ação concreta deve habitar outro lugar: o debate sobre o padrão dominante na política brasileira. O político ladrão e o servidor venal não se realizam sem a participação ativa de operadores no setor privado. O passivo da corrupção faz por merecer a execração pública. Ao mesmo tempo, o corruptor ativo não pode ficar protegido nas fortalezas inexpugnáveis do poder privado.

 

O sistema FIRJAN, em consonância com os valores imateriais que sustentam seu manifesto, poderia atacar essa dimensão do problema. Montar, seguindo o belo exemplo da Ordem dos Advogados do Brasil, o seu próprio Observatório da Corrupção. Com os holofotes voltados para observar eventuais “malfeitorias” em sua própria base. Seria, sem sombra de dúvidas, uma contribuição inestimável ao esforço da cidadania para construir um novo padrão de política.

 

Existirá, por acaso, entre os filiados do sistema, algum empresário que empresta jatinhos para o divertimento de governantes na Europa, França e Bahia? Existirá, entre os empreiteiros filiados, algum que tenha conseguido, sem licitação, obras cujo custo foi decuplicado por aditivos tóxicos? Licenças ambientais criminosas, subsídios indevidos para empreendimentos de duvidosa prioridade, obras de fachada para fazer fundos de campanhas eleitorais, quantas de tais práticas correntes foram urdidas nos salões da corporação empresarial?

 

Os princípios e conceitos que brilham no manifesto dos industriais ganhariam eficácia cortante ao responder tal tipo de pergunta. São questões concretas que, devidamente esclarecidas, poderiam definir diante da consciência digna da cidadania o lugar real do empresariado brasileiro na luta pela ética na política.

 

Léo Lince é sociólogo.

Comentários   

0 #4 RE: O empresariado brasileiro e a ética na políticaAlexandre 20-09-2011 16:45
Dulcinéia, por favor, faça um esforço de interpretação. Perceberás que falou bobagem.
Citar
0 #3 Quo Vadis?Raymundo Araujo Filh 20-09-2011 14:51
Outro dia vi o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) a fazer discurso inflamado, dirigindo-se aos militares da ativa, principalmente os mais jovens dizendo: "Vocês não precisam
carregar a canga da tortura que vocês não cometeram", com o objetivo de respaldar a criação da comissão da verdade.

Ora! Primeiramente é bom que o deputado saiba que MUITOS jovens oficiais não parecem recriminar os tempos de chumbo, haja visto que a última turma de jovens oficiais da AMAN (Agulhas Negras) teve como homenageado o ditador sanguionário emílio garrastazu médice.

Assim, penso que o deputado contribuiria sem sofismas a este debate, dizendo aos militares que "se vocês não se manifestarem contra os tempos passados (e atuais?), continuarão a carregar a canga da tortura, e terão o desprezo de grande parte da população (coisa que, sinceramente, não tenho certeza...). É preciso mostrar para a jovem milicada que, se não querem ser confundidos com porcos, distanciem-se deles.

Agora leio o Leo Lince e ouvi sua entrevista no programa Faixa Livre), em claro ardil à Firjan, os estimula a "cortar na própria carne", os exortando até em montar um Observatório Contra a Corrupção.

Creio que o texto do Leo Lince se extravasar as publicações para leitores politizados e bem letrados, o artigo vai passar aos mais a FIRJAN seria de ir fundo numa campanha destas.

Acho que mais curto e grosso seria um artigo com o título "FIRJAN Joga para a Platéia".
Citar
0 #2 E as injustiças?!Dulcinéa 18-09-2011 23:04
E as injustiças cometidas por estes empresários? As demissões, a mais-valia.
E o financiamento de campanhas políticas e de políticos? E as atrocidades cometidas em suas empresas? Como diz o colunista, deveriam observar com um holofote sua própria base. E o conluio que buscam com os sucessivos governos?
Parece piada este Manifesto.
Citar
0 #1 E as injustiças?!Dulcinéa 18-09-2011 22:58
E as injustiças perpetradas por esses empresários? E as demissões? E a mais-valia (já que estamos num blog que representa o pensamento e o partido mais à esquerda no país)?
Ora, não me venham com esta conversa de achar bonito o Manifesto dos empresários! Só porque se dirige ao governo ao qual este Correio é, na maioria de seus colunistas, oposição?
Não deixo de ler o Correio, todos os dias. Mas usar um Manifesto de empresários contra o governo, aí, para mim, é equívoco demais.
Concordaria mais com o artigo se criticasse mais os ditos empresários que o governo, este também passível de crítica, claro.
Aí é que me confundo com as posições da oposição de esquerda, embora concorde com muitas das análises aqui feitas.
Para mim, mais do que o governo, os empresários são os grandes representantes do sistema que este Correio abomina, assim como eu também abomino.
Aos representantes legítimos do Capital é que deveriam ser desferidas as mais duras críticas.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados