topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Taxa de Juros: ‘pátria financeira’ e mídia tratam público como ‘tolo’ Imprimir E-mail
Escrito por Guilherme C. Delgado   
Sábado, 17 de Setembro de 2011
Recomendar

  

A grande mídia escrita, por meio de manifestações explícitas em editoriais e artigos ‘especializados’, emitiu uma espécie de consenso orquestrado, com honrosas exceções, à decisão do Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central (BACEN), reduzindo em meio ponto percentual a taxa básica dos juros, denominada SELIC, que incide sobre a Dívida Pública.

 

A argumentação exposta na Ata da Reunião do COPOM, justificativa à decisão adotada, centra-se em três pontos, todos eles ainda cativos de uma função exclusiva do BACEN de zelar pelas “Metas de Inflação”: 1) o cenário externo da economia mundial se deteriorou fortemente desde princípio de agosto, o que fez supor tendência à recessão global; 2) a pressão inflacionária primária oriunda das “commodities” em alta no mercado mundial tende a se extinguir ou a reverter com a recessão externa; 3) outras medidas de caráter fiscal vêm sendo adotadas pelo Ministério da Fazenda para conter eventuais pressões inflacionárias internas.

 

A decisão do Banco Central, no dizer insuspeito do ex-ministro Delfim Netto, “talvez tenha sido a primeira demonstração em muitos anos de um Banco Central independente perante o sistema financeiro privado, quer dizer, voltar a ser um organismo do Estado brasileiro” (cf. Carta Capital – 14/09/2011 – p. 29).

 

O leitor não especializado em assuntos econômico-financeiros fica atônito diante de tamanha reação a uma decisão aparentemente de rotina da política monetária. Mas aqui é que está o nó da questão. A rotina até então tinha sido, como bem destaca o ex-ministro Delfim Netto, a de acomodar e acompanhar as expectativas forjadas pelo sistema financeiro privado, repercutidas pela grande mídia como se fosse certa ‘ciência dos mercados’. Neste caso a decisão foi diferente, porque levou em conta, de maneira pertinente, não apenas àqueles motivos invocados na Ata do COPOM, como também certo equilíbrio implícito entre metas de inflação e metas mínimas de crescimento econômico e do emprego, face às previsíveis tendências recessivas do futuro próximo.

 

Observe-se que na conjuntura econômica em que ora vivemos a taxa básica de juros, equivalente à nossa SELIC, fixada pelo Banco Central norte-americano é de 0,5% ao ano; ou em torno de 1,0% ao ano as fixadas pelos Bancos Centrais da Europa e do Japão. No Brasil, mesmo depois desta redução, a taxa básica ainda é de 12% ao ano.

 

Meio ponto percentual que se reduz com juros SELIC representa também uma economia apreciável de recursos fiscais, em três mega-sorvedouros de recursos públicos: a) a Dívida Líquida do Setor Público – de 1,5 trilhões de reais, remunerada à taxa SELIC; b) As Reservas Internacionais em moeda estrangeira, atualmente (fevereiro de 2011) em 307,5 bilhões de dólares, cuja remuneração anual é realizada com base na taxa SELIC, deduzida a taxa internacional de aplicação; c) as “equalizações” de juros pagos pelo Tesouro aos bancos (diferença entre as taxas de aplicação e a taxa SELIC), por conta das concessões de crédito a setores com taxas de juros subvencionadas – (Sistema Nacional do Crédito Rural, micro e pequena empresa, setores com tratamento especial do BNDES, rolagem da dívida etc.).

 

Mas essa despesa economizada entra na categoria da despesa financeira, portanto, não sujeita aos limites da “austera” Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

O leitor municiado de mais informações sobre economia monetária e financeira certamente lerá editoriais e outros “papers” de especialistas, com outras lentes, não se deixando ludibriar pelos arautos da pátria financeira.

 

Finalmente uma pergunta, até quando a grande mídia nos tratará como tolos nessas questões de interesse público geral, como o sejam a política monetária, o sistema de previdência social, o sistema tributário etc.?

 

Guilherme Delgado é economista e membro da Comissão Brasileira de Justiça e Paz.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 21 de Setembro de 2011
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates