Os Guias Incorretos - requentando o velho conservadorismo

 

Depois de Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil, um sucesso de vendas lançado pelo então desconhecido Leandro Narloch, chegou a vez de Guia Politicamente Incorreto da América Latina, do mesmo autor, agora unido ao jornalista Duda Teixeira. Provavelmente também venderá como batata em fim de feira, sobretudo depois de ser propagandeado nos programas do Jô, Faustão e Ana Maria Braga.

 

“Politicamente incorreto” virou termo da moda, arranjado para substituir tudo quanto é tipo de besteirol, preconceito e ignorância. Ninguém é “politicamente incorreto” ao dizer, por exemplo, que “mulher gosta de apanhar”, “judeu ou palestino tem que morrer”, “negro é tudo macaco” ou que “veado (ou bicha) merece uma bela surra”. Sem eufemismos, o nome correto para isso é machismo, anti-semitismo, racismo e homofobia, respectivamente. É o que existe de mais velho em nossa sociedade, apresentado com “sarcasmo inteligente” e como sendo novidade.

 

Os dois livros de Narloch e Teixeira tiveram por objetivo atacar personagens históricos que, segundo seus autores, seriam figuras “caricatas” e “desprezíveis” só que “sacralizadas” por “historiadores e professores marxistas” ao longo dos anos. “Mitos” maldosa e trapaceiramente inventados por “comunistas”, com finalidade de “doutrinar” com suas idéias nefastas estudantes inocentes e indefesos.

         

Confunde-se aqui teoria historiográfica com militância política. Muitos historiadores marxistas realmente foram ou são ligados a partidos políticos, social-democratas, socialistas ou comunistas, um direito de todos. Certamente existiram mais historiadores conservadores e ligados à direita que historiadores de esquerda, mas desconhecemos estudos estatísticos neste sentido.

 

Para alguns, a produção historiográfica teve uma finalidade muito além das questões partidárias, sendo, sim, pessoalmente, uma obrigação profissional, moral e social. Já outros certamente mais fizeram uso desta ou daquela corrente historiográfica com fins apenas carreiristas e burocráticos. Muitos nunca militaram em partido político algum, seja de esquerda, centro ou de direita, mas enfocaram suas pesquisas em conflitos sociais, influenciados ou não pelo marxismo.

 

Além do mais, faz algum tempo que o culturalismo, o relativismo e a verborragia “pós-moderna” roubaram a cena nas academias. As razões disso, a chamada “crise de paradigmas”, são extensas demais para serem tratadas aqui. Falar hoje em modo de produção, exploração, imperialismo, burguesia, proletários, classes, luta de classes e demais conceitos marxistas atrai olhares esnobes, de quem vê essas questões como superadas e démodé.

 

Os “politicamente incorretos” Narloch e Teixeira reconhecem e até elogiam este “novo” cenário historiográfico, que, segundo dizem, “nos últimos 15 ou 20 anos vem produzindo” livros “bem melhores” e “menos politizados”. Os Guias politicamente Incorretos... são apresentados assim porque, a despeito de todo o esforço da “nova-história” da qual julgam fazer parte, “alguns velhos mitos esquerdistas” ainda persistem.

 

Zumbi dos Palmares, Antônio Conselheiro, Lampião, Luís Carlos Prestes, Simon Bolívar, Salvador Allende e Che Guevara, entre outros, são alguns nomes tratados na versão I e II dos “politicamente incorretos”. Não teríamos espaço aqui para tratar e rebater cada uma das besteiras escritas a respeito dos mesmos. A maioria delas já foi publicada há algum tempo, em outros livros mais sérios e específicos. Os Guias, portanto, não apresentam praticamente nada de novo. São apenas versões caricatas e resumidas do que já foi dito antes. Mostram assim, por exemplo, um Zumbi dos Palmares como sendo também “um senhor de escravos”.  Só não nos dizem por que trabalhadores escravizados do século 17 assim que podiam fugiam imediatamente dos engenhos escravistas alagoanos e pernambucanos para o quilombo dos Palmares, que era um refúgio de cativos e não o inverso.

 

As críticas a Simon Bolívar, por sua vez, visam mais atacar o atual presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que falar de História da colonização, dos processos de independência ou do liberalismo na América Latina no séc. XIX. Não tem nada de “história isenta” ali. É puro proselitismo político-ideológico, mas os “politicamente incorretos” pensam que apenas os historiadores de esquerda é que têm ideologias.

 

Che Guevara é novamente tratado como um “frio assassino” e “mau estrategista”. Mas seguindo matéria já apresentada pela revista Veja recentemente, acrescentam que o guerrilheiro seria também “fedorento” por “não gostar de tomar banho”. Ora, eles queriam que o argentino fizesse uma revolução nas selvas e serras cubanas levando consigo chuveiro portátil na mochila e exalando perfumes franceses.

 

Não existe nada mais antigo na História que atacar tais personagens latino-americanos. A própria “História da América Latina”, em si, já foi taxada como “coisa de comunista” por certa corrente mais conservadora. O profissional de história seria sinônimo de “perigoso subversivo esquerdista”. História “boa”, para essa gente, é aquela que destaca apenas datas e “homens de bem” das classes dominantes, iniciando na Grécia e terminando nos EUA.

 

Como lembrou o escritor Luis Fernando Veríssimo, não bastou aos assassinos matarem Zapata. Eles tinham que capturar e tentar matar também seu cavalo, que galopava sozinho pelos campos e fazia com que os camponeses pensassem que seu dono o conduzisse, mantendo vivas as suas causas.

 

Zapata, Zumbi, Conselheiro, Lampião, Bolívar, Prestes, Salvador Allende ou Che Guevara morreram (a maioria assassinada porque ousou lutar) e estão enterrados há muito tempo na América Latina. Entretanto, continuam sendo símbolos populares da luta contra a exploração deste continente por impérios, governos, cartéis e banqueiros estrangeiros no plano internacional, e contra uma classe de parasitas ricos, poderosos, autoritários e corruptos, dentro de cada um de seus respectivos países.

 

Os “espíritos” (isto é, o que simbolizam e representam os atacados pelos “politicamente incorretos”) ainda inspiram e percorrem a imaginação, os sonhos, os anseios e as necessidades reais de imensas camadas sociais pobres e exploradas na América Latina. São lendas vivas, bandeiras de liberdade e igualdade que percorrem nossos campos e cidades. É isto que incomoda os “politicamente incorretos”.

 

Hemerson Ferreira é mestre em História e professor municipal do Ensino Médio no estado do Rio Grande do Sul.

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Comentários   

0 #17 RE: Os Guias Incorretos - requentando o velho conservadorismoLeandro 07-05-2014 09:43
O livro é muito bom, digo todos.Realmente é um pequeno resumo, mas é válido, pois os livros didáticos fazem questão de omitir.Noventa por cento dos professores de História que tive eram de esquerda e sempre vinham com a mesma balela da matéria,defendendo cegamente sua posição política. Aposto que não gostaram devido ao fato de ter ofendido alguém da "minoria oprimidinha" negro, ou "esquerdopata" como Che Guevara.
Citar
0 #16 Gerente e operaçõesThiago Sillman 07-05-2014 09:40
Estimado Professor Hemerson,

Li com muita atenção seu texto sobre os Guias Politicamente Incorretos do Leandro Narloch. Acho que mais do que uma crítica aos guias, seu texto de 2011 antecipa esse modismo de ser politicamente incorreto que finalmente saiu do armário em 2014.

Essa marola vem mansa, em piadas de mau gosto contra minorias feitas por humoristas stand-ups do momento e arrebenta numa onda terrível de linchamentos sociais. É espantoso.

Outro dia lí assustado, o artigo de vosso colega, o Professor Luiz Carlos Villalta, sobre o Tiradentes. Ele começa o texto dizendo que talvez a naturalidade mineira do inconfidente “tenha colaborado para reforçar” tal processo de mistificação. Incrível ler um texto com citações entre aspas do próprio autor mesmo para provar (?) que Tiradentes era escravocrata, frequentador de prostíbulos, endividado e corno (sic). Como se cada um destes adjetivos fossem capaz de tirar de Joaquim José o mérito de ter sido um dos primeiros brasileiros a se levantarem contra a Coroa Portuguesa.

Permito-me um sarcasmo para especular se talvez a naturalidade paulista do Professor Villalta é que tenha colaborado para escrever um texto tão carregado de referências negativas ao estado que o acolhe como docente da UFMG. Difícil imaginar um militar abolicionista no século XVIII, quando artigos de escravocratas chegaram a ser publicados até o começo do século XX. A memória do Tiradentes é para ser lembrada como uma das primeiras vozes contra o Império Português. Nada muito além disso.

A conduta do mortal nas demais esferas de sua vida não o tornam muito diferentes da conduta dos demais homens de seu tempo. Quiçá por isso não tais condutas não tenham entrado pra história. O culto ao inconfidente vem bem antes da ditadura, como sugere o Professor Villalta . Uma estátua do mesmo foi erguida no centro de Ouro preto 72 anos antes do golpe.

Professor Hemerson, seu artigo é muito bom. Fatos paralelos da vida de cada um de nossos heróis latino-americanos, como a falta de banho do Ché Guevara, não tem valor histórico, e não diminui a envergadura política de nossos revolucionários.

Gostei muito de quando o senhor lembra que textos de direitistas também são muito carregados de ideologias. Direitistas que, tal qual nossa esquerdinha festiva, babam na gravata.

Grande abraço,

thiago
Citar
0 #15 RE: Os Guias Incorretos - requentando o velho conservadorismoMarcus 06-05-2014 21:05
Problema nem é a avacalhação com a história desses livros, e sim que eles se vendem como se fosse a verdade absoluta, algo totalmente inquestionável, e que todo o resto é "invenção marxista", e o pior é que essa geração que cresceu lendo a veja achando que ficava bem informado compra esse discurso charlatão. No mais, como já disseram aí, os autores não demonstram o mínimo interesse em falar dos "santos da direita", como o Churchill, que matou milhões de indianos de fome, e a Thatcher, que ajudou o ditador comunista Pol Pot.
Citar
0 #14 O que é mais curiososergio ribeiro 02-12-2013 22:17
O que é mais curioso é que criticam os ditadores de esquerda, mas não falam uma vírgula dos tiranos, corruptos e vigaristas da direita.
Citar
0 #13 RE: Os Guias Incorretos - requentando o velho conservadorismoRonaldo alves 02-12-2013 07:22
Brilhante, professor sua dissertação foi perfeita, chega destes historiadores de porta de mercado.
Citar
0 #12 RE: Os Guias Incorretos - requentando o velho conservadorismovictor 30-11-2013 17:07
Tolerei a imparcialidade e sutileza do autor até o ponto em que dizia ter mais professores conservadores que de esquerda. Isso é chamar a todos de cegos e idiotas. Talvez o sejamos por deixar gente assim proliferar textos como esse. Só para deixar claro, meu comentário É SIM parcial, ok?
Citar
0 #11 RE: Os Guias Incorretos - requentando o velho conservadorismoCleber Santana 30-11-2013 11:48
O engraçado é o pessoal comentando sobre mídia burguesa, elite, etc sendo q todos vocês devem ter internet banda larga, estudam, tem diplomas, etc. Tudo hipócritas. Vcs todos fazem parte dessa burguesia e são elites...
Citar
0 #10 RE: Os Guias Incorretos - requentando o velho conservadorismoDartagnan 30-11-2013 08:15
Gostei do comentário do Mauro, o único que teve algum bom senso...
Duro ver que mesmo depois de dois, três anos o autor ainda não teve tempo de rebater as "calúnias" feitas pelo autor dos guias politicamente incorretos.
Citar
0 #9 RE: Os Guias Incorretos - requentando o velho conservadorismoBruno 30-06-2013 16:32
Ótimo Hemerson. Só li isso agora. Isso é profundamente uma besteira, que no fundo se aproveita do caldo de autoritarismo e ignorância dos que aplaudem até hoje os que dizem que judeu é pra morrer, mulher tem de ficar em casa, negro é tudo macaco... Isso mesmo, o nome disso é conservadorismo, preconceito e tirania, disfarçado de "alegria", "espirituosidade", "bom humor".Precisa ser denunciado. Precisamos de pessoas corajosas. Graças a pessoas corajosas é que sujeitos podem falar coisas estúpidas e terem sujeitos que, por livre vontade, podem aplaudir. São críticas como a sua é que ajudam a garantir essa liberdade. Parabéns....
Citar
0 #8 RE: Os Guias Incorretos - requentando o velho conservadorismoAlexandre 06-10-2011 15:59
Engraçado que o Troll Mauro reclama de ad hominem e dá um show sobre como usar falácias. No caso, tenta incutir uma aparência de verdade a sua inferência.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados