topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Minas do ouro Imprimir E-mail
Escrito por Frei Betto   
Segunda, 12 de Setembro de 2011
Recomendar

 



No início dos anos 80, engravidei da pulsão de escrever um romance sobre a história de Minas Gerais. É assim: o tema de uma obra de ficção nos agarra na esquina da vida. É como paixão à primeira vista. Ou a “eureka” dos gregos. Súbito, brota a idéia, e ela impregna o sentimento e gruda nas dobras da subjetividade. Ali germina até que se consiga dar vazão à pulsão.

Meu projeto inicial era escrever um romance ambientado na mina de Morro Velho, em Nova Lima. Ali acampei quando escoteiro. Dali ouvi histórias mirabolantes de desabamentos, inundações, mortes e muita pobreza em meio à riqueza gerada pela mais profunda mina de ouro do mundo.

A cozinheira de minha família, Ana, era de Raposos e, seus parentes, quase todos empregados da Morro Velho. Dela escutei incríveis relatos do que ocorria naqueles subterrâneos em que se extraíam ouro das galerias e saúde dos trabalhadores.

Graças à colaboração de Christina Fonseca e Maione R. Batista, entrevistei ex-empregados da mina e, em especial, Dazinho, líder sindical de Morro Velho que se elegeu deputado estadual e, mais tarde, teve o mandato cassado pela ditadura, que o levou à prisão.

Tive acesso a livros raros sobre a história da mina, a manuscritos antigos, a mapas e até papéis de contabilidade, e retornei a ela um par de vezes.

Uma coisa leva à outra. De Morro Velho minha pesquisa se ampliou para a história das Minas e das Gerais. Devorei, calculo, cerca de 120 livros, entre os quais o Códice Matoso, Autos da devassa, os volumes das coleções Mineiriana e Brasiliana, textos de Diogo de Vasconcelos, Lúcio dos Santos, Iglesias, Boschi, Neusa Fernandes, Laura de Mello e Souza, Myriam A. Ribeiro de Oliveira, Júnia Ferreira Furtado etc.

Em 1997 iniciei a redação de Minas do Ouro. Havia que transformar os dados coletados em texto literário. Escrever é como cozinhar: reúnem-se os ingredientes e, em seguida, faz-se a mistura (aqui, o talento do escritor) e deixe fermentar até que a massa chegue ao ponto (aqui, o estilo, o “sotaque” narrativo). Admito que os Sermões do padre Antônio Vieira me inspiraram na busca da linguagem adequada a cada período dos cinco séculos que o romance abrange.

Foram 13 anos de trabalho, sempre de olho nas novidades editadas sobre a história de Minas, como os textos de Luciano Figueiredo e a História de Minas Gerais – As Minas Setecentistas, organizado por Maria Efigênia Lage de Resende e Luiz Carlos Villalta.

Não é fácil elaborar um romance histórico. Meu primeiro foi Um homem chamado Jesus (Rocco), em que descrevo a vida do homem de Nazaré. Ali enfrentei o desafio de tratar de um personagem cuja trajetória o leitor conhece de antemão.

Qualquer desatenção e a narrativa vira ensaio amador com pitadas de ficção. Os fatos históricos de Minas são tão empolgantes (bandeiras, guerra dos emboadas, triunfo eucarístico, conjuração etc.) que no percurso se é tentado a deixar a realidade dos fatos falar mais alto que os vôos da imaginação.

Como não sou historiador, tratei de centrar a narrativa na saga da família Arienim. Os fatos históricos de Minas ficaram como pano de fundo. Os leitores dirão se acertei na receita e se ficou saborosa. Fora os cabotinos, nenhum autor é juiz da própria obra.

Minas do Ouro é uma narrativa de anti-heróis. Romances históricos – gênero surgido na Inglaterra no século 18 – costumam exaltar protagonistas, incensar poderosos, ocultar fraquezas e desacertos de figuras célebres.

Em Minas do Ouro procurei demitizar personagens históricos, situá-los com os pés no chão e não nos pedestais dos heróis da pátria, e realçar a inusitada trajetória da família Arienim em busca de um tesouro que produziria a alquimia de suas vidas.

Resta acrescentar que meu encanto pela história da terra em que nasci se aprofundou graças à influência de meu pai, Antônio Carlos Vieira Christo, de cuja biblioteca herdei boa parte da bibliografia concernente ao romance, e de Tarquínio Barbosa de Oliveira, historiador, em cuja Fazenda do Manso, em Ouro Preto, passei inesquecíveis temporadas.



Frei Betto é escritor, autor de Minas do Ouro, que a editora Rocco faz chegar esta semana às livrarias. http://www.freibetto.org/  twitter:@freibetto.



Copyright 2011 – FREI BETTO – Não é permitida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor. Assine todos os artigos do escritor e os receberá diretamente em seu e-mail. Contato – MHPAL – Agência Literária (mhpal(0)terra.com.br)

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates