topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Pan do Rio: pandemônio (1) Imprimir E-mail
Escrito por Rafael Fortes   
Qui, 19 de Julho de 2007
Recomendar

 

Um ufanismo exacerbado toma conta das falas a respeito do Pan 2007 na mídia gorda - a mesma que não é ufanista nem defende os interesses nacionais quando se trata de questões econômicas, políticas e culturais relevantes. Como se verá, no fim das contas, neste caso a situação não é diferente.

 

Fontes variadas calculam que o Pan custará aos cofres públicos entre sete e doze vezes mais que o planejado. O problema vem sendo denunciado – sobretudo na mídia alternativa – há tempos, como fez Carta Capital em reportagem de capa assinada por Phydia de Athayde.

 

"Por detrás do otimismo repousam, porém, fatos e atitudes capazes de arruinar as pretensões brasileiras de sediar grandes eventos esportivos internacionais. Ou, ainda, fazer com que aconteçam sem que tragam um mínimo de benefícios para o País. A maneira como o esporte é administrado, o descaso com a explosão nos custos e a displicência quanto ao planejamento urbano são alguns desses pontos", diz o repórter.

 

Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) há 12 anos e responsável pelo Comitê Organizador do Pan, não apresentou explicações para o aumento dos custos. Das duas, uma: ou os organizadores são incompetentes, pois não souberam planejar e executar as obras, ou ao menos uma parte do dinheiro foi parar em outro lugar.

 

Em qualquer hipótese, é lamentável que os representantes do poder público tenham continuado a liberar dinheiro sem questionar os gastos.

 

Afirma Phydia: “integrantes do COB trabalham em empresas que prestam serviços para o próprio COB”. O COB gere dinheiro público. Não custa lembrar que, na Alemanha, tem presidente de clube de futebol na cadeia porque roubou na construção de estádio para a Copa de 2006. Enquanto isso, nossos dirigentes são tratados como executivos competentes pela mídia burguesa (sócia nos negócios), recebem dinheiro público e ainda posam de estadistas promotores do desenvolvimento e do futuro do país. O pior é que Nuzman, Ricardo Teixeira e afins, com o apoio da mídia burguesa (babando por verbas publicitárias), estão assanhadíssimos com as candidaturas à Olimpíada e à Copa do Mundo.

 

No Brasil, o governo do PT libera verbas via ministro do PCdoB para socorrer o COB de Nuzman, a prefeitura do Rio (PFL/DEM), o governo do estado (PMDB) e o secretário estadual de Esportes e Turismo (PSDB). O orçamento inicial foi malfeito e os brasileiros pagam a conta.

 

Para suprir “necessidades” que não foram planejadas e ninguém sabe de onde surgiram, recursos da União (que poderiam ser investidos para ampliar direitos como educação e seguridade social) são colocados nas mãos dos mesmos dirigentes responsáveis pelo planejamento incompetente e pelo gasto das verbas liberadas antes (que ninguém explicou para onde foram).

 

A culpa dos gastos adicionais, segundo o COB e os representantes dos executivos federal, estadual e municipal, é da candidatura aos Jogos Olímpicos. Porém o custo aumenta de forma astronômica e os benefícios para a população apontados no projeto original – despoluição de lagoas, expansão do metrô, melhorias em saúde e habitação, entre outros – não são realizados.

 

Usar os orçamentos federal e estadual já seria discutível se os beneficiados fossem apenas os moradores de um município (Rio de Janeiro) ou da Região Metropolitana (caso a Baía de Guanabara fosse despoluída, por exemplo). Como nem os moradores da cidade do Rio de Janeiro serão beneficiados após a competição, para que a gastança?

 

Um manifesto da Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência denuncia as obras e benefícios prometidos e não cumpridos e mostra que o principal “legado social” do Pan serão armas novas nas mãos de uma polícia que mata cada vez mais. De janeiro a março deste ano, segundo dados oficiais, a polícia fluminense matou 318 pessoas e, recentemente, produziu a Chacina do Pan, quando cerca de 20 foram assassinadas no Complexo do Alemão.

 

 

Rafael Fortes é jornalista e historiador e edita o blogue A Lenda.

 

Para comentar este artigo, clique comente.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates