topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Lembranças da juventude Imprimir E-mail
Escrito por Gilvan Rocha   
Qui, 25 de Agosto de 2011
Recomendar

           

Tinha precisamente 22 anos de idade quando foi perpetrado o golpe contra-revolucionário de 1964. Apesar da pouca idade, já somava seis anos de intensa militância socialista com passagem pela tentativa de guerrilha no norte de Goiás em 1962 e pelo enquadramento na Lei de Segurança Nacional, no mesmo ano.

 

O golpe não me pegou desprevenido. Pertencia a um núcleo político que denunciava a iminência de um Golpe de Estado de caráter contra-revolucionário. Esbravejávamos a todo pulmão: o golpe vem aí! E o velho PCBão respondia: isso é coisa de vocês jovens que não têm experiência histórica; nós do PC, em aliança com os progressistas, estamos seguros de que o nosso glorioso Exército Brasileiro é democrático e não atentará contra a nossa Constituição.

 

Por sua vez diziam eles: temos um dispositivo militar de natureza anti-golpe, comandado pelo nosso companheiro, general Assis Brasil, e caso eles ousem atentar contra a legalidade, saberemos reagir e resguardar todo o nosso processo democrático.

 

Poucos meses depois assistimos à confirmação de nossas previsões e o velho PCBão deixou de lado suas bravatas e sumiu. As únicas forças políticas a reagir ao golpe foram Brizola e os marinheiros e fuzileiros navais. O resto desertou.

 

Após o golpe, eu e o meu grupo nos sentimos isolados. É quando surge, liderado por Roberto Carlos, o movimento da Jovem Guarda, cujo objetivo era arregimentar a juventude que se encontrava na orfandade política para suas músicas de falsos protestos na medida em que eles se limitavam ao uso de cabelos grandes e fivelões, como forma de afrontar os valores estéticos predominantes.

 

A Jovem Guarda, que logo se alastrou Brasil afora, foi uma jogada de mestre patrocinada pelos novos senhores do poder. Somente bem depois se esboçou uma reação a esse movimento, quando floresceu o movimento musical levado adiante por Chico Buarque, Nara Leão, Gilberto Gil e outras estrelas que apontavam uma saída alternativa ao elitismo e alienação que representavam a música da Jovem Guarda. 

 

Gilvan Rocha é membro do CAEP - Centro de Atividades e Estudos Políticos.
Website: www.gilvanrocha.blogspot.com/

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates