A redistribuição de renda

 

O governo Lula, durante os oito anos de seu mandato, instituiu um processo estatal de redistribuição de renda que foi fundamental para retirar da pobreza e da miséria uma parcela importante da população e, ao mesmo tempo, induzir o crescimento econômico.

 

É verdade que essa política foi implementada apesar, e contra, a política monetária de juros altos do Banco Central. E ela só foi possível porque, entre 2002 e 2008, o governo e a economia brasileira se viram diante de uma situação internacional muito favorável.

 

Especialmente em virtude da emergência da China e de sua entrada no mercado internacional, os preços dos produtos industriais sofreram uma redução consistente e os preços das commodities agrícolas e minerais apresentaram ganhos substanciais, reduzindo a inflação mundial e produzindo importantes saldos comerciais para nosso país.

 

Por outro lado, a política de redistribuição da renda descolada de uma política industrial consistente tinha limites visíveis, mesmo que não ocorresse a crise de 2008. Em algum momento, a elevação do consumo das camadas beneficiadas pela redistribuição da renda tendia a se confrontar com uma oferta inferior de bens de consumo, causando pressões inflacionárias.

 

Essa situação contraditória era ainda mais evidente e perigosa se tivéssemos em conta, além do desenvolvimento lento do setor industrial de bens de capital e de bens consumo de massa, o avanço rápido do agronegócio, eminentemente exportador, sobre a produção de alimentos da agricultura familiar, reduzindo ainda mais a já pequena escala produtiva deste setor. Qualquer variação climática poderia diminuir drasticamente a oferta de alimentos, encarecendo preços e fazendo os índices inflacionários saltarem além do suportável.

 

Foi mais ou menos isso que ocorreu no final de 2010 e, em certa medida, continua ocorrendo em 2011. Por isso, se considerarmos os novos cenários internacionais de crise sistêmica, a tendência é que as pressões para frear os programas estatais de redistribuição de renda se tornem cada vez mais intensos, apesar de Dilma haver reiterado sua disposição de liquidar com a miséria no país.

 

Se olharmos bem, todos os movimentos políticos ocorridos desde a posse da presidenta tem, como fulcro, impedir a continuidade e expansão das políticas de redistribuição de renda e garantir que os capitais, em especial os financeiros, continuem expandindo seus lucros, apesar das crises. De qualquer modo, a nova situação internacional e seus reflexos na situação nacional colocam o governo Dilma diante de desafios novos, se quiser levar adiante a redistribuição de renda e a luta contra a miséria.

 

É bastante provável que o governo Dilma se veja obrigado a mudar a política de redistribuição estatal de renda do governo Lula, baseada fundamentalmente no fornecimento de fundos governamentais para a população de baixa ou nenhuma renda, numa política de redistribuição de renda que contemple fundamentalmente o assentamento massivo de lavradores sem-terra, para elevar a produção de alimentos e baratear seus preços, e o apoio à luta dos trabalhadores por salários mais justos, tendo em conta os altos lucros capitalistas.

 

Para enfrentar essa situação não basta anistiar as dívidas dos pequenos agricultores no Pronaf (Programa Nacional de Agricultura Familiar) e acelerar o assentamento de 80 mil famílias acampadas. É necessário executar uma plano acelerado de assentamento dos 2 a 3 milhões de lavradores sem-terra nos 90 a 100 milhões de hectares de terras improdutivas.

 

Isso pode ser realizado com mais agilidade se o governo aproveitar a experiência histórica de ocupação das fronteiras agrícolas por posseiros. O governo pode substituir o fornecimento indispensável para que os lavradores realizem o cultivo, os tratos culturais e a colheita, em geral realizado pelos comerciantes, com um alto custo, pelo fornecimento através da Conab. E pode também substituir a compra das safras pelos atravessadores pela compra das safras através da própria Conab.

 

Em ambos os casos, qualquer pessoa afeita ao comércio nessa área pode comprovar que os lavradores podem ter uma economia de 30% a 50% em seus custos, o que significará, em conseqüência, uma redução considerável nos custos dos alimentos. Portanto, por um lado poderemos ter um aumento do poder aquisitivo de mais 2 a 3 milhões de famílias. Por outro, teremos uma elevação da oferta, com preços rebaixados.

 

Se, além disso, o governo acelerar os atuais programas estruturantes de distribuição de renda e desenvolvimento no meio rural, garantindo a produção das economias agrícolas familiares, o país pode reduzir substancialmente as pressões inflacionárias e ter um ambiente mais favorável para modificar a política monetarista de altos juros do Banco Central.

 

O apoio à luta dos trabalhadores por salários mais justos, por seu turno, não pode significar ações diretas do governo nesse sentido. Afinal, isso não faz parte das atribuições governamentais. Mas tal apoio pode se dar, simbolicamente e em respeito à Constituição, pela manutenção e ampliação da política de impedir que as lutas e os movimentos dos trabalhadores sejam criminalizados, e de tratar com respeito e com diálogo as lutas dos trabalhadores dos serviços públicos.

 

É evidente que essas mudanças não implicam em liquidar com os programas estatais de redistribuição de renda já em curso. Implicam, tão somente, em lhes dar uma base econômica e social mais consistente, garantindo que o aumento da demanda, principalmente de alimentos, seja fortemente apoiado pelo aumento da oferta. Isso tudo, é lógico, sem descurar dos investimentos necessários para o desenvolvimento industrial e para a reestruturação da educação e da saúde como áreas estratégicas para o desenvolvimento.

 

Para ter consistência e continuidade, a redistribuição de renda e, portanto, o aumento do poder aquisitivo dos mais pobres não podem ser atropelados por uma oferta insuficiente.

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

Comentários   

0 #2 Infelizmente falta coragem...Március A. Crispim 15-08-2011 08:09
W. Pomar foi um bom texto este que escreveu... agora resta-nos saber se o governo terá coragem para empreender as medidas propostas... pelo que vejo no MDA e INCRA (onde trabalho) continuaremos na mesma... infelizmente. Abraços.
Citar
0 #1 Que bom seriaRaymundo Araujo Filh 10-08-2011 00:14
Se fossem verdades, as mentiras aqui expostas pelo Wladimir Pomar sobre o governo Lulla, e fossem realizadas por diLLma, as políticas sugeridas pelo WP que, embora insuficientes até que seriam um avanço, quem sabe eu não estaria até apoiando o "esforço" do governo.

Mas, certamente estaria avançando na proposta de Reforma Agrária adicionando dezenas de milhares de pequenas agroindústria nas mãos dos agricultores, perfeitamente articuladas com os Programas de compra de Estado, defendendo assim os que trabalham na terra de serem meros fornecedores de matérias primas para os moinhos dass grandes corporações, contribuindo para a mudança do matiz os cultivares, hoje integrados no binômio milho-soja, e com as técnicas de produtividade do agronegócio. É só conferir como são os projetos financiados pelo PRONAF, em sua maioria.

E, para isso, o governo deveria abandonar a sabotagem que faz hoje à Lei da merenda Escolar (ao menos 30% das compras sendo da agricultura familiar), aumentando o rendimento máximno de R$9 mil ANUAIS (=R$770 ao mês)quer não atari agricultor nenhum para o projeto.

Wladimir pomar vê progressismo nesta forma descuidada de se levar projetos sociais para a frente. daí para confeccionar mentiras sobre o governo passado e lançar ordens para ninguém, como um velho capitão de um navio fantasma, é um passo.

A visão que Wladimir Pomar expõe sobre o "sucesso" do governo Lulla é a mesma que lemos nas grandes revistas do capital internacional.

Vai ver que sou eu que estou errado... e o "macaco está certo" 9bons tempos do Jõ soares cono humorista)
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados