topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Brasil literário Imprimir E-mail
Escrito por Frei Betto   
Sexta, 15 de Julho de 2011
Recomendar

 

Participei, de 6 a 10 de julho, da nona edição da Flip – Festa Literária de Paraty. Ouço dizer que, no Brasil, há cerca de 80 eventos literários por ano. Eis uma boa notícia.

 

Quem lê aprende a pensar, discernir, optar e escrever. A TV mostrou, há dias, jovens diplomados na universidade, versados em inglês, porém reprovados em exames de seleção profissional por não saberem dominar o próprio idioma português. Numa simples carta, erros gritantes de ortografia e concordância!

 

A Flip ainda é cara nos preços dos ingressos, da hospedagem e da alimentação em Paraty. Ainda bem que, em torno dela, se multiplicam os eventos alternativos, todos gratuitos. Isso permite um contato mais direto entre leitores e autores.

 

Na conferência de abertura, uma dupla de peso: Antonio Candido e José Miguel Wisnik. Falaram sobre a vida e obra de Oswald de Andrade.

 

Antonio Candido, como único intelectual vivo que conheceu o autor de “Serafim Ponte Grande”, descreveu-o mineiramente, amenizando a virulência com que Oswald de Andrade atacava autores em suas críticas literárias, sem poupar ênfase na cor da pele e até na deficiência física de alguns escritores. Mas sublinhou que o homenageado jamais guardava mágoa, e foi capaz de tomar a iniciativa de se reconciliar com o próprio Antonio Candido, após esculhambá-lo num texto crítico.

 

Wisnik, intelectual de múltiplos talentos, que trafega com autoridade entre literatura e música, fez uma descrição mais erudita das ideias de Oswald de Andrade.

 

Meu primeiro contato com a obra de Oswald de Andrade foi em 1966, quando José Celso Martinez Corrêa, diretor do Teatro Oficina, me convidou para assistente de direção na montagem de “O rei da vela”. A peça me parece melhor que o texto. Marcou o ápice do movimento tropicalista, uma forma irreverente de reação à ditadura militar.

 

Tentei gostar dos demais livros de Oswald de Andrade. Não consegui. Considero-os anárquicos demais para o meu gosto. Penso que o autor causou mais furor que os próprios livros. Talvez seja esta a razão por que Candido e Wisnik realçaram o homem e suas ideias e deixaram de lado a obra dele.

 

Aplaudi entusiasmado a dupla Bartolomeu Campos de Queirós e Ana Maria Machado, na mesa do Movimento Brasil Literário. Bartô frisou que a escola não educa, adestra. Cobrativa, impede os alunos de usufruírem da liberdade que a literatura requer. Não há leitura proveitosa se o objetivo do professor é conferir o quanto e o como se leu. Não é por acaso, lembrou ele, que alunos castigados são, às vezes, remetidos à biblioteca...

 

A biblioteca deve ser o espaço de diálogo e não apenas de consulta, sugeriu Bartô. O livro não é apenas um texto que se lê, é também um texto que lê o leitor, dialoga com ele, muda sua ótica da vida, interpela e faz sonhar. “Não há problemas novos na vida humana. Há, sim, novas maneiras de encarar os mesmos problemas”, acentuou o autor do romance “Vermelho amargo”.

 

Em 2010, o Brasil contou com 27 milhões de alunos no ensino fundamental. Desses, 15 milhões (39%) frequentavam escolas desprovidas de bibliotecas. Nossas escolas têm, em média, 0,16 computador por aluno (ou um computador para cada 6,25 estudantes). Entre 38 países pesquisados, o Brasil é o último em inclusão digital através de instituições de ensino. E metade dos estudantes não tem computador em casa.

 

Falta ao nosso país uma política de inclusão digital sustentável. Não basta dotar a escola de computador e conexão à internet. É preciso também uma proposta pedagógica para o bom uso da rede virtual, de modo a impedir a dispersão na coleta de dados e a formação de síntese cognitiva, pela qual os estudantes consigam relacionar o que apuram na rede.

 

O papel da literatura é ampliar o nosso campo de visão, aprofundar nossa consciência crítica e dilatar nosso potencial onírico. Viver sem sonhar é mero sonambulismo.

 

Atraiu meu interesse, na Flip, o debate entre o neurocientista Miguel Nicolelis e o filósofo da religião Luiz Felipe Pondé. O primeiro, otimista; o segundo, cético, iconoclasta.

 

Nicolelis investiga a capacidade de o cérebro comandar aparelhos, de modo a mover membros mecânicos de um tetraplégico.

 

Festas e feiras literárias são sempre espaços democráticos ao caldeirão de ideias e opiniões. Tomara que elas se multipliquem Brasil afora.

 

Frei Betto é escritor, autor, em parceria com Domenico de Mais, de “Diálogos criativos” (Sextante), entre outros livros.

 

Copyright 2011 – FREI BETTO – Não é permitida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor. Assine todos os artigos do escritor e os receberá diretamente em seu e-mail. Contato – MHPAL – Agência Literária (mhpal(0)terra.com.br)

Recomendar
Última atualização em Sexta, 15 de Julho de 2011
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates