Vasos quebrados para o Ministro da Integração: 10 anos do Comitê da Bacia do São Francisco

 

Quando um grupo de mulheres atravessou a plenária com vasos de água e flores e postou-se diante da mesa da plenária do Comitê da Bacia do São Francisco, ante dos olhos interrogantes da mesa e do ministro Fernando Coelho, toda a platéia acompanhava a bela cena com olhos atentos.

 

Quando jogaram os vasos no chão, derramando lama sobre os tapetes do auditório do SENAI em Petrolina, naquela manhã de 7 de julho, a mesa ficou perplexa.

 

Então, tomando o microfone, a representante das comunidades do rio Salitre, um afluente do São Francisco em agonia, em outras palavras disse: “estamos aqui, nesses dez anos de Comitê da Bacia, para dizer que estamos passando sede e estamos com falta de energia. Por várias vezes tivemos que derrubar os postes para cancelar o acesso das bombas à água. Agora derrubamos mais cinco.

Acabaram com nosso rio, fizeram o projeto de irrigação, mas não temos acesso à água. Sem energia não temos eletrodomésticos, nossas escolas não funcionam, as vacinas do posto de saúde se estragaram, nossas casas estão às escuras. Essa é a realidade triste do Salitre, um rio acabado. Queremos água, queremos que nossos direitos sejam respeitados”.

 

O grupo voltou a sair em ordem, sob o olhar patético da mesa. Houve um longo silêncio, o clima de triunfalismo dos dez anos não tinha mais conserto. Depois de uns dez minutos em silêncio, então a cerimônia foi retomada.

 

O discurso do presidente do Comitê foi honesto. Há um futuro pela frente, com metas de pôr água para todos em dez anos, de sanear todo o rio em vinte anos. Falou na revitalização hidroambiental do rio, e para isso é necessário um bilhão de reais por ano, por vinte anos.

 

O antigo presidente do Comitê, José Carvalho, retomou o protesto dos salitreiros, disse que sabe dos muitos desafios, mas que é preciso avançar. Disse que obras como a Transposição a história julgará.

 

O Comitê não é o que diz de si mesmo, mas tem contribuído nesse debate dos rios, posicionou-se contra a Transposição e, publicamente, posicionou-se contra a energia nuclear no São Francisco.

 

A história nos julgará, embora contada pelos vencedores sempre haverá um grupo de mulheres ou os cocares dos Truká para dizer que a história verdadeira tem rostos que a história oficial teima em não enxergar.

 

Roberto Malvezzi é membro da Equipe Terra, Água e Meio Ambiente do CELAM (Conselho Episcopal Latino-Americano).

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados