A encalacrada do Cabral

0
0
0
s2sdefault

 

 

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, bordejou a morte na tragédia de Trancoso. Vidas inocentes ceifadas, perda de amigos, o risco de estar ele próprio no helicóptero que caiu, são acontecimentos capazes de provocar abalo até no mais insensível dos mortais. Apesar de tantos abalos, a maior preocupação do governador, a julgar pelas providências tomadas após o fato lutuoso, foi com a própria sobrevivência política.

 

Por incrível que pareça, circulam até hoje versões desencontradas sobre a viagem do governador ao sul da Bahia. A primeira tentativa, baldada, foi ocultar o motivo da viagem. Como não deu para abafar o caso, a primeira versão oficial dizia que o governador fora amparar o filho, depois do acidente que vitimara sua namorada. Era mentira deslavada. Durou pouco.

 

A segunda versão oficial, sustentada até agora, fala em viagem de lazer após um expediente encurtado da sexta-feira. No meio da tarde, em jato emprestado pelo indefectível Eike Batista, o governador se deslocou com familiares para uma festinha de empreiteiros, aniversário de amigo e grande executor de obras públicas. Há, para tal versão, o registro da saída no aeroporto Santos Dumont, sem que se saiba com quais passageiros, mas não há registro de chegada da mesma aeronave em Porto Seguro.

 

Para ampliar o mistério, uma terceira versão não oficial. O prefeito de Porto Seguro afirmou, em entrevista, que o governador já estava na cidade desde a manhã de sexta-feira. Por outro lado, o jornal “O Dia” fala de um helicóptero que saiu lotado na manhã do mesmo dia, direto do heliporto da Lagoa, no Rio, para a Bahia. O mesmo helicóptero que caiu no mar, conduzido pelo mesmo piloto, de habilitação vencida, que morreu no acidente.

 

A dificuldade em assumir coisas elementares (o objetivo, quando e como a viagem se deu) resulta da tentativa atabalhoada de ocultar questões maiores. O problema, a encalacrada em que se meteu o governador, é que os holofotes postos sobre a tragédia lançaram luz sobre uma extensa malha de ligações perigosas, que a canção popular definiu como “tenebrosas transações”. Aquela intimidade promíscua que invoca falcatruas entre governantes e potentados da economia. Praticada à larga nos tempos atuais, ela segue capitulada como crime na legislação vigente.

 

Até as pedras da rua sabem que o padrão dominante na política brasileira está marcado pela supressão momentânea da linha que separa o público do privado. Chamam de sinergia o que não passa de promiscuidade. Os governantes se oferecem como serviçais da máquina mercante, e operam com destrambelhada desenvoltura. Ao mesmo tempo, a aura de sacralidade que antes envolvia o poder público continua habitando o universo abstrato da letra da lei. Paradoxo.

 

Daí porque, sempre que alguma luz se projeta sobre as transações entre governos e magnatas do setor privado, o governante analisado corre sérios riscos de ser submetido à execração pública. Este mês de junho, por exemplo, começou com o foco voltado para as consultorias do Palocci e vai terminar tratando das contratações do governo Cabral. Ele foi se banquetear no paraíso dos miliardários e acabou no pelourinho. São os acidentes no percurso que fazem girar a rotatória do destino.

 

O governador Cabral é um modelo típico-ideal do padrão dominante na atual política brasileira. Para ele, governar é intermediar grandes negócios e agenciar espetáculos. Deslumbrado com o poder e suas benesses, ele trabalha para os poderosos com alegria e método. O movimento emblemático dos bombeiros, a greve dos professores, a crise da saúde, o colapso de todos os serviços públicos essenciais, nada disso importa diante do “momento mágico” e da exuberância irracional dos megaeventos.

 

Ainda não se sabe ao certo os rumos da crise desencadeada com a tragédia de Trancoso. Uma coisa, no entanto, é certa: houvesse cidadania vigilante, ou instituições republicanas dignas deste nome, o governador estaria com seus dias contados.                                  

 

 

Léo Lince é sociólogo.

Comentários   

0 #4 IR A FUNDO NO PROBLEMARINALDO MARTINS 05-07-2011 10:10
Está correta a análise de Leo Lince, mas é preciso ir a fundo na raiz desse problema que virou sistemático e edêmico no mundo da política institucional no país. Acho que, inclusive, a esquerda oposicionista também, infelizmente, caiu nessa lógica e nesse modelo que produz e reproduz política apenas pelas cúpulas (afastada do povo), situação histórica que tem gerado toda essa degeneração.
Citar
0 #3 Belo comentário, lúcido.Marcelo Machado 03-07-2011 23:34
Belo comentário, e o que mais me chamou atenção foram suas palavras em relação à falta de vigilância do povo. A "essência" da política atual é confundir (usar descaradamente) o dinheiro público como privado...e aí somos obrigados a suportar serviços de péssima qualidade, somos vítimas da violência e das drogas que dominam os grandes centros e chegam às cidades do interior, nossa saúde pública arrasta-se e mortes ocorrem onde deveria haver o atendimento adequado e simples, nossas cidades são um lixo, as energias renováveis não encontram projetos viáveis para darem lugar a grandes obras que sempre indicam superfaturamento, e por aí vai.

Mas há uma luz no fim do túnel.Acredito que as pessoas que tem uma visão crítica e defendem bem comum, que é o objetivo maior dos políticos, que entram para a política partidária esquecendo-se desta premissa básica, devem se unir e propor formas alternativas de alcançarmos progressos imediatos, senão continuaremos a viver num país que cobra "impostos nórdicos" e nos oferece serv~ços ´publicos com "padrões africanos".

O escritor Rubem Alves publicou uma obra, Conversas sobre Política, que me fez reacender a chama de não me isolar e insistir no ideal de participação política séria e cidadã. Vale a pena conferir e somar forças para nos livrarmos dessa geração corrupta e individualista que só pensa em seu bem estar, o povo que se dane.
Citar
0 #2 Governando para o úblico privadoRoberto c da Costa 02-07-2011 10:51
O governador Sergio Cabral bem como quase todos os governadores e prefeitos desse Brasil afora não tem compromisso com o social, com o público. Governam sem sensibilidade para o que foram eleitos e sem escrúpulos para favorecer seus aliados , seu público interno. Sergio Cabral abominável!!!
Citar
0 #1 RE: A encalacrada do CabralFernando 01-07-2011 15:45
Ótimo artigo, deste que na minha opinião é o melhor articulista político.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados