Do carnaval ao imenso canavial

 

 

O Brasil é o  país do carnaval. Aqui não se vive sem os cinco efes: fé, festa, feijão, farinha e futebol. Toda essa alegria está ameaçada de se transformar numa  grande tristeza nacional caso o governo federal não tome, o quanto antes, severas medidas para impedir que o país se torne um imenso canavial em mãos estrangeiras.

Estamos de volta aos ciclos de monocultura que, nos livros didáticos de minha infância, marcavam os períodos da história nacional: pau-brasil; cana-de-açúcar; ouro; borracha; café etc. Esta a razão da recente visita de Bush ao Brasil, temos a  matéria-prima e a tecnologia alternativas ao petróleo, energia fóssil prestes  a se esgotar. Hoje, 80% das reservas petrolíferas se encontram no conflitivo Oriente Médio. Construir usinas nucleares é dispendioso e arriscado, alvos  potenciais de terroristas. A solução mais segura, barata e ecologicamente correta é a cana-de-açúcar e os óleos vegetais. Petróleo era um bom negócio  quando o barril custava US$ 2. Hoje, não custa menos de US$ 50. E não dá duas  safras. Cana e mandioca, além de abastecer veículos e indústrias, dão quantas safras se plantar. Basta dispor da terra adequada e disto que, ao contrário dos EUA, há nos trópicos em abundância: água e sol.

De olho nessa  fonte alternativa de energia, Bush veio ver para crer. O etanol extraído de  nossa cana tem a metade do custo do produzido pelo milho made in USA;  1/3 do preço do etanol europeu obtido da beterraba; e é, hoje, 30% inferior ao  preço da gasolina, além de não poluir a atmosfera nem se esgotar.  

Então o Brasil se tornará um país rico? Sim, se o governo agir com firmeza e detiver a  ganância das multinacionais. Bill Gates e sua Ethanol Pacific já estão de olho nas terras de Goiás e do Mato Grosso. Japoneses, franceses, holandeses e  ingleses querem investir em usinas de álcool. Se o Planalto não tomar a defesa  da soberania nacional, o imenso canavial Brasil estará produzindo combustível  para os países industrializados que, na defesa de seus interesses, cuidarão da  segurança de seus negócios aqui, ou seja, regressaremos ao estágio colonialista de República, não das Bananas, mas da Cana. E as próximas gerações correrão o risco de experimentar na carne o que hoje sofrem os  iraquianos.

Assim como Monteiro Lobato, na década de 1940, clamou pela defesa do petróleo brasileiro, dando origem à Petrobras, é hora de se exigir a criação da Biocombrás, a Companhia Brasileira de Biocombustíveis. Caso contrário, teremos nosso território agricultável retalhado pelo latifúndio associado às empresas multinacionais; a cana imperando no Sudeste; a soja e as pastagens desmatando ainda mais a Amazônia e provocando graves desequilíbrios ambientais. E é  ilusão imaginar que a tecnologia de exploração da biomassa vegetal absorverá mão-de-obra. O desemprego e o subemprego (bóias-frias) serão proporcionais ao número de pés de cana plantados.

Bush não veio  aqui preocupado com a miséria em que vivem milhões de brasileiros, sobretudo  os migrantes expulsos do campo e amontoados nas favelas em torno das grandes  cidades. Nem interessado na pequena propriedade rural e na agricultura  familiar. Veio soprar nos ouvidos do presidente Lula para o Brasil dar as costas à Venezuela petrolífera de Chávez e erguer seu copo de garapa orgulhoso de sua energia vegetal, feliz porque vão chover álcooldólares na lavoura  nacional. O Brasil entra com a terra, a água e o sol, e um pouco de mão-de-obra barata, eles colhem, exportam e vendem o produto via Monsanto, Cargill e congêneres, aplicando os lucros lá fora. Ficam com o verde da cana e dos dólares e, nós, com o amarelo da fome, como descrevia Carolina Maria de Jesus em Quarto de despejo.

 

O mínimo que se espera do presidente Lula é que siga o exemplo de Chávez e defenda os  interesses nacionais. A empresa venezuelana equivalente à nossa Petrobras era a sócia minoritária na exploração do petróleo do país vizinho. Agora Chávez reverteu a equação: a partir de 1º de maio, a Venezuela fica com 60% das cotas e as empresas estrangeiras com 40%.

Foi o clamor  popular que, no passado, obrigou o governo a ouvir que “o petróleo é nosso”. É  hora de clamar pelo etanol e impedir que o imenso canavial Brasil multiplique o trabalho escravo, aumente o número de bóias-frias e devaste o que nos resta de florestas e reservas indígenas.

 

 
Frei Betto é escritor, autor  de “Típicos Tipos” (A Girafa), entre outros livros.

 

Para comentar este artigo, clique {ln:comente um artigo 'aqui}

 

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados