Luta de classes

 

Há muita gente na esquerda que supõe finada a existência e a contradição entre as classes sociais. Essa contradição, que inclui unidade e luta, não seria mais o motor do desenvolvimento social. Este ocorreria porque os interesses nacionais sobrepujariam os interesses grupais e individuais e fariam com que todos, ou quase todos, agissem em apoio aos objetivos nacionais comuns.

 

Outros pensam que a luta de classes ainda está presente, mas se restringiria ao terreno econômico dos salários, abonos, horas extras, redução da carga de trabalho e assuntos afins. Tal luta, como a dos bombeiros do Rio, também deveria subordinar-se aos interesses nacionais do desenvolvimento do país.

 

Com isso, uns e outros parecem não distinguir os interesses que diferenciam os grupos sociais e os fazem se constituírem como classes. Interesses, diga-se de passagem, que, às vezes, se confrontam com os interesses nacionais. Portanto, não reconhecem a disputa e a colaboração entre as classes nos mais diversos campos da sociedade.

 

Nem classificam os políticos, parlamentares, lobistas, jornalistas e outras expressões sociais e profissionais como representantes contraditórios de interesses de classe. A partir daí, não enxergam luta de classes na resistência parlamentar e social às políticas de redistribuição de renda. A raiva de setores da classe média, ao viajarem em aviões com inúmeros passageiros de primeiro vôo, oriundos da mal classificada classe C, não passaria de inveja ou ignorância, e não do preconceito de classe.

 

A partir daí, também não entenderam por que parte do PMDB manobrou para atender aos interesses dos grandes capitalistas agrários na votação do Código Florestal. Nem se deram conta de que os interesses dos pequenos agricultores foram mergulhados no esquecimento, parecendo fazer parte dos interesses do capital agrário. Sem uma clara distinção de classe, e dos interesses realmente em disputa, alguns parlamentares erigiram os interesses nacionais de colaboração entre todas as classes, sequer notando que os grandes capitais agrícolas não estão nem aí para a nação.

 

O mesmo diz respeito à perplexidade de alguns petistas quando, ao se tornarem empresários e utilizarem os métodos legais e extra-legais comuns à prática de negócios da burguesia, se vêem atacados pela hipocrisia generalizada dos representantes dessa classe social no parlamento, na imprensa e em outras áreas políticas e sociais.

 

Apesar de haverem demonstrado seu desejo de colaboração de classe, e de fazerem nada mais do que todos os representantes da burguesia sempre fizeram, não entendem por que estão sendo atacados e colocados no centro da luta de classes real. Esquecem que, formalmente, continuam representando o partido que se declara, explicitamente, contra tudo isso. E que sua colaboração com uma parte da burguesia parecerá, à burguesia como um todo, sempre, como uma tática para comê-la pelas bordas.

 

Mesmo porque, disso a burguesia entende. A própria parte da burguesia que se viu obrigada a aliar-se ao PT, diante da disputa de poder contra outros setores da burguesia, pratica essa tática o tempo todo, na expectativa de enfraquecer e subordinar o PT a seus próprios interesses. E a parte da burguesia na oposição está sempre alerta e pronta para aproveitar qualquer deslize, real ou fictício, que petistas, no governo ou fora dele, pratiquem. Isso, independentemente de toda a burguesia praticar, sem remorsos, os mesmos deslizes que acusa desabrida e hipocritamente nos outros.

 

No império romano de César, não bastava sua mulher ser honesta. Ela também deveria parecer sempre honesta. Na República formalmente democrática do Brasil, não basta aos petistas parecerem honestos. Eles precisam ser honestos e terem a capacidade de comprovar que são honestos, embora a lei predisponha que ao acusador cabe o ônus da prova. O que, de cara, impede qualquer petista no governo de praticar os mesmos métodos de negócio praticados normalmente pelos membros da burguesia.

 

Diante das crises passadas e da atual, talvez tenha chegado o momento de o PT retomar o conceito da luta de classes como parte da realidade e tirar daí todas as conseqüências. Sua perspectiva de se manter à frente do governo para, pelo menos, implantar as reformas democráticas e sociais demandadas pela maior parte da sociedade brasileira depende de os petistas não abrirem flancos para os ataques dos representantes burgueses.

 

A aliança com uma parte da burguesia continua sendo indispensável para derrotar os setores mais reacionários e inimigos principais do povo brasileiro. Mas a esquerda não pode confundir seus métodos com os métodos da burguesia, seja aliada ou não. O grande esforço atual da direita burguesa consiste em fazer o povo acreditar que os métodos do PT não diferem em nada dos métodos dos seus representantes, tema que já esteve presente com muita força na última campanha eleitoral. Se conseguirem sucesso nesse convencimento, terão dado o primeiro passo sério para retirar o PT e a esquerda do governo.

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

Comentários   

0 #7 Ao Ricardo MeierRaymundo Araujo Filh 16-06-2011 11:00
Acho que o Ricardo Meier, talvez sem querer, descortinou as verdadeiras intencionalidades do artigo do Wladimir Pomar.

Na verdade, o que querem é a união dos setores "menos esquerdistas do PCB e do PSOL (e olha que ali o voto em DiLLma foi a norma e não a excessão, no segundo turno)com um, segundo ele, "campo de esquerda" com PDT, PSB e PC do B.

Não sei se ele sabe, que o PC do B é hoje a vanguarda dos latifundiários e do agronegócio, o PSB tem como membros de importância gente como Ciro Gomes, Alexandre Cardoso, e concorreu ao governo de São Paulo com Skaff da FIESP, além do PDT ter acabado de perder de suas fileiras o pessoal do Movimento de Resistência Leonel Brizola, liderado pelo valoroso Ronald Barata, desfalcando o PDT de sua ala esquerda.

Assim, o que a estratégia de WP nos coloca, disfarçadamente, é MAIS DO MESMO, mas com cara diferente. E, ingenuamente exposta por Ricardo Méier.

Tô véio prá essas baboseiras.

O momento é para tirarmos o protagonismo polítco dos Partidos, e focar nas mobilizações populares do Povo Excluído, para oxigenar a política no Brasil.

O EZLN do México, as manifestações na Grécia, Tunísia, Egito e Espanha apontam para esta direção.
Citar
0 #6 É chegada a horaRicardo Meier 15-06-2011 00:00
acho que é chegada a hora do PT distinguir entre governabilidade e as cxomposições necessárias para este fim e estratégia, que passa pela criação de um " campo " de esquerda ( com PDT-PSB- PCdo B e setores menos esquerdistas do PSOl e do PCB, pensando no futuro político. Essa é a responsabilidade histórica do PT nesta transição, sob pena de ficar refém do Lula e nada mais.
Citar
0 #5 Luta de ClassesRaymundo Araujo Filh 13-06-2011 13:53
Luta de Classes "Prêt a Porter"'




Wladimir Pomar está tranformando a Luta de Classes em algo que se pode pendurar no armário por certo tempo, e depois buscá-lo, tirar o pó, e usar, como se faz com as roupas de estação.

WP foi um dos maiores articuladores do abandono da Luta de Classes, na sua defesa incomensurável à Colaboração de Classes, travestida de aliança com setores "mais progressistas" da burguesia que, segundo o articulista "precisou de aliar ao PT", como se ele não soubesse que "o uso do cachimbo faz a boca torta" e quem nunca comeu melado, quando come se lambuza".

Ora, ora, Wladimir Pomar! A Carta aos Brasileiros (na verdade aos Estrangeiros) foi um ato exatamente oposto a este movimento que dizes que parte da burguesia fez. Ao contrário, foi Lulla e sua corja que "pediram pinico", abrindo as portas para o adversário, antes mesmo do jogo começar, com a mentira que "Lula poderia não ser eleito, ou não ter governabilidade em seu governo".
Todas estas foram apenas desculpas esfarrapadas de quem já tinha sido cooptado em 1992 pelo Diálogo Interamericano, do qual Lulla participou como representante da AFL-CIO de seu amigo Stanley Gacek.

De outra forma, meu caro Pomar, a Luta de Classes não é uma Teoria acética, que podemos guardar ou lançar mão quando nos interessa. A Luta de Classes é um processo que se vive intima e diariamente, que nos faz acolher sentimentos vários e incômodos (revolta, indignação e ódio de classes - não de pessoas indistintamente)

De outra forma, apenas lendo os alfarrábios marxistas e quetais, tormamos a Luta de Classe algo distante com viés erudito, que permite que muitos acadêmicos tenham ganhado a vida a discorrer sobre ela, sem praticá-la, ou abandonando a sua prática, na hora que a "onça poderia beber água", em clara "mais valia" ao Povo, para quem estas teorias Leis foram enunciadas.

Causa-me espanto em ver o que a "esquerda" brasileira produziu e mantém como articulistas, maculando a história, enganando incautos e servindo a interesses escusos, como se a tentativa que fazem de se desindetificar com o que defenderam a ferro e fogo, TODOS ESTES ANOS da Era Lulla, pudesse passar sem críticas.
Citar
0 #4 Estava indo tão bem!Wendell Sussuarana S 10-06-2011 23:39
O texto do Pomar é perfeito, até o último parágrafo, quando afirma ser necessária uma aliança tática com uma parte da burguesia. Ressuscita a aliança com a burguesia nacional, palavra de ordem cara ao PC e PCdoB, até a década de 70. Aliança que se faria contra o imperialismo. Hoje, tal bandeira cai no vazio porque todo grande burguês tem títulos da dívida pública, ou seja, a subida dos juros lhe traz renda, grandes empresas têm financeiras para emprestar dinheiro ou financiar suas vendas, ou seja, são inúmeras as ligações no campo da classe dominante. Qual o setor burguês progressista do qual o PT é aliado? O agronegócio? Os banqueiros? A FIESP? As empreiteiras? Qauais os setores mais reacionários a que se refere Pomar? Não digo dos representantes políticos, tipo tucanos e demos, me refiro à burguesia. Qual o setor reacionário QUE NÃO FOI BENEFICIADO pelo governo?
São os dilemas da esquerda petista, agora assistindo a uma troca de cadeiras entre Ideli e Luiz Sérgio que beira o ridículo para ele. Pelo visto, Pomar vai espernear muito, com as idelis pela frente...
Citar
0 #3 RE: Luta de classesALEXANDRE 09-06-2011 15:52
"Há muita gente na esquerda (!!!) que supõe finada a existência e a contradição entre as classes sociais".

WP já manda uma pérola logo na primeira frase.
Citar
0 #2 rumos do PTHélio Jost 09-06-2011 11:24
O PT não só abandonou co conceito de luta de classes, como abandonou a militância de base, aqueles que faziam flâmulas, pintavam camisetas para vender e angariar fundos. Esses foram traídos à partir da tomada do PT por Palocci e sua turma. Infelizmente, o PT vai passar para a história como o partido que perdeu o bonde da reformas básicas,...
Citar
0 #1 estudanteluiz fernando ribeir 08-06-2011 17:56
O PT nunca abandonou o conceito de luta de classes. De tanto fazer aliança com a burguesia (capital) ele está para ele muito melhor que os setores reacionários (capital). Hoje o PT é um bastião fundamental da luta de classes, pois ele está promovendo a desarticulação massiva dos trabalhadores na luta por seus reais interesses. Após o setor financeiro e o grande capital terem privatizado a política, o PT como grande gestor do estado burgues, estatizou os a luta de classes e terminou por despolitizar os trabalhadores. o PT está vivo na luta de classes mas não para os trabalhadores.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados