topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Do Xingu a Xangai Imprimir E-mail
Escrito por Fernanda Figueiredo   
Terça, 24 de Maio de 2011
Recomendar

 

Em 1987, um facão afiado entraria para a história. A índia Tuíra desafiava o presidente da Eletronorte, em razão da construção de duas hidrelétricas.

 

Para defender o seu povo e seu habitat, aos olhares de uma platéia atônita, composta de ambientalistas, convidados e centenas de jornalistas estrangeiros que cobriam o I Encontro dos Povos do Xingu, Tuíra partiu com o seu facão na direção do homem branco que insistia em construir as duas represas: Babaquara e kararaô.

 

Hoje, o mesmo embate se redesenha e o nome Kararaô alterado para Belo Monte. A UHE Belo Monte vem com slogan governamental da terceira hidrelétrica do mundo. Com o retorno dessa discussão, são inúmeros os artigos, o protesto dos índios, o engajamento de cineastas hollywoodianos, paralisações nos canteiros de obras, embargos, demissões, muita encrenca no Ibama, a falta de licença de instalação, a saída de consorciados e, por último, a manifestação da Comissão de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos - OEA.

 

Basta apenas um mergulho nas águas turvas do Rio Xingu naquele cenário lúdico, para se respeitar o Xingu, um símbolo da Amazônia. Difícil imaginar que o percurso daquelas águas poderia gerar tanta celeuma. É sabido que o projeto é impactante para a biodiversidade, e, portanto, faz-se necessário enxergar a região do Xingu em dimensão 3D, e no que de fato esse ecossistema, essa rica diversidade biológica, contribui para o equilíbrio da região e do planeta.

 

Há um certo desrespeito no cumprimento da Constituição nos artigos que se referem aos direitos indígenas e às diversas Convenções internacionais das quais o Brasil é signatário.

 

Eis a questão que norteia debates há décadas: A Amazônia é intocável? De jeito nenhum! A região precisa, antes de mais nada, ser respeitada. Ao se analisar um mega projeto dessa natureza na Amazônia, vislumbra-se que a região passará a conviver com desastres ambientais, de maiores impactos. John Muir, naturalista norte-americano do século XIX, disse certa vez: "Quando se tenta agarrar qualquer coisa isoladamente na natureza, descobre-se que ela está ligada a todo restante do Universo". Interferências, dessa forma, na Amazônia costumam ser desastrosas.

 

O Rio Xingu atravessa importantes áreas de reservas indígenas do estado do Pará. Habitats de espécies como o pirarucu, o maior peixe de água doce do mundo, tambaqui, golfinhos de água doce, botos e o jacaré Açu, e tartarugas gigantes. Todo o rico complexo de fauna e flora está ameaçado impossibilitando índios e ribeirinhos de sobrevivência. Espera-se, ao menos, que as ações de mitigações e de impactos sócio-ambientais desse empreendimento não sejam maquiadas em projetos e pareceres.

 

Do outro lado do mundo, Xangai a "Cidade Luz"- asiática, mas parece um vagalume. Embora a China tenha a maior hidrelétrica do mundo, paradoxalmente tornou-se referência em energia eólica. Segundo novo relatório divulgado pelo Greenpeace, o Chinese Renewable Enèrgy Industries Association (CREIA) e a Global Wind Energy Council (GWEC), a capacidade instalada de energia eólica na China até 2020 será equivalente a treze vezes a capacidade da UHE Três Gargantas, no Rio Yangtse.

 

Torna-se necessário repensar outras fontes energéticas neste país ensolarado e abençoado por Deus. Ou pensar como alternativa às grandes hidrelétricas a construção de Pequenas Centrais Hidrelétricas - PCHs, de menor impacto e bem mais aceitáveis que as termoelétricas. As políticas públicas necessitam avançar muito mais em alternativas energéticas mais limpas e renováveis. Segundo o que foi publicado na imprensa, o país investirá R$ 25 bilhões em 141 projetos no nordeste. E a MP 517 que trata de várias discussões no Congresso prorroga o Programa de Incentivos às Fontes Alternativas.

 

Ocorre que o governo quer investir mais em energia nuclear: muitas usinas estão programadas para o nordeste, mesmo depois do acidente do césio 137. Um país que não controla o destino final de uma cápsula radioativa projeta construir mais usinas? É preciso reavaliar, também, a energia nuclear, diante dessa dimensão de desastres naturais cada vez mais comuns. Até a Alemanha quer rever seu aval para Angra 3, depois que o Japão perdeu o controle sobre Fukushima.

 

O Brasil talvez chegue aos parâmetros de sustentabilidade quando deixar de construir usinas nucleares ou implantar projetos faraônicos na Amazônia. Não faz muito tempo Daniel Ludwig (Jarí) e Henry Ford (Fordlândia) investiram em modelos de desenvolvimento de efeitos adversos para a região. Vimos outros exemplos dos que construíram as usinas hidrelétricas, salvando-se alguns macaquinhos, em operações desastrosas.

 

Na atual conjuntura, o facão afiado é apontado para o licenciamento e Belo Monte será o teste da legitimidade e da eficiência ou não da política ambiental brasileira.

 

Fernanda Figueiredo é ambientalista, participou do I Encontro dos Povos do Xingu e do Comitê de Defesa da Amazônia, foi consultora do MMA.

Contato: fernanda-figueiredo2010(0)bol.com.br

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates