Governos Lulla, Dillma e o PT: a manipulação dos números

0
0
0
s2sdefault

 

"Ao abrir seu bar, o dono viu, com surpresa, o bêbado entrar no estabelecimento e lhe pedir uma coxinha de galinha. Quando ia mordê-la, o bêbado a devolveu dizendo "por favor troque a coxinha pelo mesmo valor, mas de pinga".  Mal recebeu a branquinha, bebeu-a de um só trago, virou as costas e saiu do bar, ganhando a rua. O dono do boteco correu e interpelou-o: "Ó pá! Saístes sem pagar a pinga!". O bêbado respondeu "Mas eu a troquei pela coxinha de galinha...". "Mas então pague a coxinha, ao menos", respondeu o dono do boteco, com cara de esperto. E o bêbado respondeu: "Mas eu não comi a coxinha....".

 

Não é nada confortável, no século XXI, estarmos a fazer críticas às ações equivocadas e omissões propositais, desta vez levadas a cabo por aqueles que, durante 20 anos, se disseram a força política que poderia mudar o Brasil, mudar o curso das coisas e inaugurar outra era na política brasileira. Uma era de mais ética e com combate à acumulação de capital pelos mais ricos, à custa do empobrecimento geral da nação, além de combate à rapinagem econômica internacional. Traíram esta agenda, ainda se tornando aliados dos quadros da direita que combatemos há décadas, mas agora ilustres apaniguados desta nova aristocracia política, inaugurada nacionalmente com a eleição de Lulla e reeleita com Dillma e penduricalhos.

 

Assim, na perspectiva de elucidar este complexo e pobre momento político brasileiro, a mim cabe tentar a lucidez política, mas também as análises, como fiz no artigo "Aumento de Salário, sofisticação da renda e qualificação do consumo" e farei agora sobre esta falácia da "diminuição recorde da pobreza extrema no Brasil".

 

Começamos por esclarecer que a faixa de corte que determina quem é "extremamente pobre" é totalmente arbitrária, nos seus R$ 70 por mês (= R$ 2,3 ao dia). O número é tão arbitrário que sequer respeita o valor marco de R$120,00 / mês (R$ 4,00 ao dia), que é o corte para o recebimento do Bolsa Família. Dizem que o índice é da ONU, o que só mostra a incongruência destes números, devido à flutuação do poder de compra do dólar, entre os países.

 

Mas mesmo sobre a pobreza extrema do governo, temos uma conta que não chega. O último relatório do IPEA nos mostra que temos 15 milhões de brasileiros nesta situação (R$ 2,3 ao dia). Ora! Lulla e sua troupe de malabaristas de números contestavam a cifra de 50 milhões de brasileiros na faixa de miséria, que usaram para se elegerem contra Serra (pois perderam duas vezes para FHC). No primeiro dia de mandato, começaram imediatamente a adotar o número dos tucanos que, se me lembro bem, era de 32 milhões de brasileiros na faixa de "até" R$ 2,3 ao dia.

 

Agora nos dizem que temos 15 milhões de "pobres extremos", obrigando-me a concluir que o que se fez de mais profundo no Combate à Miséria foi colocar 17 milhões de Brasileiros sem nada, ou quase nada, na faixa da iniqüidade econômica de, repito, "até" R$ 2,3 ao dia. Dizendo-se que se sai desta situação extremosa quem recebe esta "merreca", ainda mais desobrigando-se, o governo, de gastar com estruturas de acolhimento e promoção social - como não pagar a pinga e dizer que não comeu a coxinha de galinha.

 

E com o presidente Lulla a propalar, mais de uma vez e em convescote de bacanas, que "os banqueiros lucraram mais comigo do que em qualquer outro governo anterior ao meu" (se vangloriando disso). Sendo que isso representa cerca de mil vezes mais do que foi gasto com estes 17 milhões de brasileiros, que dizem ter "tirado da miséria extrema" com, repito, iníquos R$ 2,3 ao dia.

 

Mas tratemos dos miseráveis, não daqueles de caráter, mas de dinheiro. Dando de "lambuja" os números de Lulla e FHC, aqueles 32 milhões em 2002 de "miseráveis extremos", contra os 50 milhões do falecido, e esquecido, Betinho (duvido que hoje ele estaria em apoio a isso aí, que o IBASE apóia, mesmo criticamente...).

 

Podemos, seguindo então a linha do governo, por exemplo, classificar não como miseráveis extremos, mas sim miseráveis, aqueles que ganham de R$ 70 a R$120 por mês. Estes têm entre os R$ 2,3 e R$ 4,0 ao dia e, portanto, além de comerem menos de 1000 calorias / dia (o mínimo aceitável é de 2 mil calorias), não têm onde morar, o que vestir nem como se transportar. É sabido que a estrutura social de acolhimento dos Sem Teto neste país de Lulla e Dillma, tal como foi no de Collor e FHC, é deficitária, ano a ano, em relação aos que passam a necessitar de amparo social.

 

Afirmo, sem medo de errar, que nesta faixa dos "até R$ 120 / mês" temos cerca de 40 milhões de brasileiros (quem viaja o Brasil, como eu, sabe que esta é uma faixa provável). Colaborando com a elucidação sobre os dados do próprio IPEA, rumamos para a faixa dos que recebem entre R$120 e R$ 250. Alerto que considero, assim como o governo, TODOS os brasileiros, inclusive crianças, que "repartem o salário de seus pais, para a conta per capita".

 

Assim, temos perto de outros 40 milhões de brasileiros nesta faixa de R$ 4,00 a pouco mais de R$ 8,00 ao dia, que podemos considerar apenas miseráveis, sem adjetivos. Vejam bem o que seria de suas vidas se cada um que lê este artigo tivesse este dinheiro por dia, mesmo excluindo tudo aquilo que não faz parte da sobrevivência física imediata.

 

De posse então da análise da vida econômica de cerca de 100 milhões de brasileiros, passemos adiante.

 

Agora analisaremos a faixa que vai de R$ 250 a R$ 545 ao mês (de pouco mais de R$ 8 a cerca de R$ 16 ao dia). Estes, a ex-esquerda Corporation chama de pobres, assim, sem adjetivos. Uma singeleza... Estes somam cerca de 40 milhões de brasileiros, ou algo muito próximo a isso.

 

Assim, no país pós-Lulla e de Dillma, 140 milhões de brasileiros estão na faixa de ATÉ R$545 ao mês, divididos equanimente nas três faixas descritas acima. Apenas, diferentemente do pessoal que nos governa, eu as nomeio Indigência Sócio-Econômica, Iniqüidade Econômica e Pobreza Extrema, respectivamente.

 

Agora, vamos nos ocupar daqueles que o governo considera de "classe média", por receberem de 1 a 4 salários mínimos por mês, isto é, cerca de R$ 16 a R$ 64 ao dia, mostrando-nos que "não se faz mais classe média como antigamente". Uma classe média sem poupança e com 25% de inadimplência ao farto crédito com juros escorchantes embutidos. Além de gastarem parte dos seus parcos proventos em planos de saúde, transporte e educação. Aí estão mais cerca de 30 milhões de brasileiros.

 

Passemos agora um pouco mais para cima da tal Pirâmide Econômica. Estamos na faixa dos 4 a 10 salários mínimos, que antes eram chamados de classe média remediada, mas agora têm a alcunha de classe média alta, quase ricos. Estes existem na razão de cerca de 15 milhões de brasileiros, ou alguém aí vai contestar? Estes, se não têm problemas agudos, sabem que, no dia em que se aposentarem, vão perceber no máximo 3 salários mínimos de referência, do INSS, pelo qual descontaram pelo máximo e dificilmente acumularão bens e rendimentos.

 

Assim, temos cerca de 175 milhões de brasileiros que recebem de quase nada a algo em torno de 10 salários mínimos, em proporção inversamente proporcional ao aumento dos ganhos.

 

Podemos ainda colocar cerca de 10 milhões que recebem de 10 a 20 salários mínimos (R$ 5545 a R$ 11090), somando então 190 milhões de brasileiros nestas faixas todas, sendo que, acima de R$1300 ao mês inicia-se o desconto progressivo do imposto de renda, de 7,5% a 27,5%.

 

Estes, do parágrafo acima e do anterior, eram considerados a classe média de antigamente. Os tempos mudaram e os governantes também... Mas a porcaria só fede cada vez mais.

 

Assim, sobram os despreocupados que recebem mais de R$ 12 mil por mês (*) e o Eike "X" Batista que parece ser, sozinho, uma classe econômica... -ESTES PERFAZEM NO MÁXIMO 5 MILHÕES DE PESSOAS, SE TANTO.

 

Estes, senhores e senhoras que conhecem aritmética básica (coisa que os do governo parecem não saber), é o resultado de oito anos e meio em que se mantém a transferência de renda anual para os ricos, de cerca de R$ 300 bilhões – segundo os dados do PNUD avalizados pelo IPEA. Dez vezes mais do que para os pobres, fora o caixa dois e o Pré Sal, transformando esta safadeza no "maior feito social de todos os tempos".

 

Desconsideram que os empregos na indústria claudicam, que nosso parque industrial idem, que a exoneração de nossas riquezas naturais é algo avassalador, à custa da alienação popular.

 

Podem enganar muitos por muito tempo. Mas não a todos o tempo todo...

 

(*) Lembrando que, para que cada membro de uma família de quatro pessoas receba R$ 12 mil por mês, o total de ganhos por lá tem de ser de R$ 48 mil por mês.

 

Raymundo Araujo Filho é médico veterinário homeopata e se obriga a fazer as contas que o governo faz e esconde; e aqueles que deviam fazer não fazem e se escondem.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #8 Fraquinho, fraquinho...Raymundo Araujo Filh 04-06-2011 20:23
Pequenas imprecisões não invalidam o artigo, no seu cerne.

hoje, tivemos a notícia que o PIB brasileiro voltou a subir....mas o consumo das famílias continua a cair.

A única leitura possível deste conjugado de fatos, é que a concentração de renda aumenta no país, a olhos vistos. Só trouxas e mal intencionados não vêem.

Ontem, no programa do PMDB, Michel Temer, com Lulla a tira colo, ou a tira colo do Lulla afirmou "tiramos R430 milhões de miseráveis da miséria. Agora vamos tirar mais 16 milhões.

Agora usam os números do Betinho e do PT , quando era oposição, e que eram contestados pelo PSDB e PMDB.

Queria saber quem é o impreciso aqui....
Citar
0 #7 Fraquinho, fraquinho...Raymundo Araujo Filh 04-06-2011 20:17
A ciontar com que os petistas fizeram pelo país, como alternativa, no máximo o Cláudio fala como um roto falando do esfarrapado.

hoje, temos a notícia que o PIB Brasileiro cresceu.....mas o consumo das famílias vem caindo.

A única leitura possível disso é que a concentração do Capital aumenta, nas mãos de um número menos de famílias (cerca de 3% DO TOTAL).

Pquenas imprecisões do articulista não desmentem o artigo.

Michel Temer, com Lulla a tiracolo, ou no colo de Lulla, diz no programa do PMDB que "tiramos 30 Milhões de brasileiros da miséria, e agora tiraremos mais 16 Milhões". Agora, na maior cara de pau, voltam aos números que eram defendidos por Betinho e o PT na oposição, e contestados pelo PSDB, PMDB e PT no Governo.

E eu é que sou impreciso....

(nada como o futuro para vermos quem mentiu no passado)
Citar
0 #6 Excelente artigo!Paulo 17-05-2011 08:17
Muito bom este artigo do Raymundo que desmascara essa farsa de "governo popular" e acaba com as falácias repetidas ad nauseam pelo PIL - Partido da Imprensa Lullista. Raymundo faz falta no CMI!
Citar
0 #5 Cládio, o sabichão!Raymundo Araujo Filho 17-05-2011 06:33
Cláudio: Em outro comentário seu, de três linhas, ou pouco mais, você nos chama de "preguiçosos', e agora, sem contestar o cerne do artigo, apenas coloca alguma imprecisão menor, que não altera, em absoluto, os números fimnais que apresento. Vá lá no IPEA, PNUD e IBGE, analise os números e tente me contestar, em vez de jogar suspeitas no ar, sem fundamentá-las.

Isto é: Deixe de ser PREGUIÇOSO!
Citar
0 #4 Pequena ErrataRaymundo Araujo Filho 16-05-2011 09:44
Assim, temos perto de outros 40 milhões de brasileiros nesta faixa de R$ 4,00 a pouco mais de R$ 8,00 ao dia, que podemos considerar apenas miseráveis - Corrige-se para POBRES, em vez de Miseráveis.
Agora analisaremos a faixa que vai de R$ 250 a R$ 545 ao mês (de pouco mais de R$ 8 a cerca de R$ 16 ao dia). Estes, a ex-esquerda Corporation chama de pobres – substituir pobres por “em vias de mergências”
Qualquer discrepância entre o total da população brasielira do artigo (cerca de 195 Milhões) e os dados do IBGE deve-se a dois fatos, em igual peso: 1) Uma aproximação estatística (uma espécie de “licença poética” na econometria,) na ordem de margem de erro de até 5%, 2) A recusa e/ou impossibilidade de algumas pessoas em serem recenseadas. Eu mesmo conheço muita gente, mas muita mesmo, que não foram alcançadas pelo senso, ou que se recusou em colaborar com O Big Brother do governo, isto é o censo do IBGE. Em um país em que o governo, em 2003, instalou a obrigatoriedade do Título Eleitoral na Declaração do Imposto de Renda (identificando a Zona Eleitoral do Contribuinte), vocês hão de entender que alguns se sintam constrangidos em se mostrar ao governo.
Citar
0 #3 Governos Lula e DilmaHélio Jost 14-05-2011 19:10
"matou a cobra e mostrou o pau", diz o adágio, mas Raymundo foi mais longe: matou e mostrou a cobra morta. Lúcida análise. Sem falar na prometida (e não cumprida) reforma agrária.
Citar
0 #2 Fazer contasClaudio 14-05-2011 16:40
O bolsa família tem dois cortes de renda, menor ou igual a R$ 70,00 e entre R71,00 e R$140,00. O autor do texto inventa um corte de R$ 120,00 que nunca existiu. Daí fala num último relatório do IPEA quando se refere aos dados do censo do IBGE. Esses dados são fáceis de acessar e verificar. Esse tipo de esquerda preguiçosa terá dificuldades para oferecer uma alternativa ao país.
Citar
0 #1 gaverno dilma lullasene 13-05-2011 16:24
20 anos pregando mudança pra da nisso sera que nao tem verganha na cara
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados