Conto de fada

 

A esposa de um outrora embaixador brasileiro na Inglaterra, amiga e confidente de lady Diana, foi excluída da lista de convidados para o casamento do príncipe inglês. Mesmo excluída, ela procurou demonstrar que não estava ressentida e acrescentou: a festa de casamento foi um lindo espetáculo, assistido por uma legião de mais de 2 bilhões de pessoas. E comentou: diante desse momento de crise o povo estava precisando de um "conto de fadas".

 

Observa-se o nível de consciência de classe de que é dotada essa senhora. Ela compreende que o mundo dela, o mundo capitalista, está em crise e que é preciso lançar mão de todos os expedientes para evitar que a massa dos oprimidos externe o seu descontentamento e tome as ruas numa atitude de insatisfação e revolta.

 

Assim tem procedido a burguesia. Assim eles têm conseguido a magia de "tapar o sol com a peneira". Lançando mão de vários artifícios, o sistema consegue manter-se de pé. Ou melhor, presenciamos uma gritante contradição: enquanto o sistema capitalista, exaurido, estoura pelas costuras no que diz respeito às questões sócio-econômicas, ele desfruta de uma hegemonia política nunca antes alcançada.

 

Isso se deve à capacidade política da burguesia e à incapacidade de uma esquerda que, por sua maioria, terminou deixando se levar pelo "canto da sereia" para prostrar-se diante do poder burguês e a ele servir como eficaz muleta de sustentação.

 

A prática de oferecer circo à massa do povo tem raízes históricas muito antigas, como é exemplo o Império Romano, que dizia: "ao povo, pão e circo". Aqui, na nossa terrinha, observamos essa prática quando os serviçais do sistema, vestidos ostensivamente com a camisa da direita ou travestidos de esquerda, propõem-se a levar a cabo essa política de oferecer espetáculos festivos com claros propósitos de esconder a dura realidade que vive o nosso povo.

 

O Bolsa Família tornou-se o majestoso "conto de fadas" para uma imensa massa de miseráveis e, por conta disso, criou-se um imenso "curral eleitoral" que serve à sustentação do sistema.

 

Gilvan Rocha é membro do Centro de Atividades e Estudos Políticos – CAEP.

Blog do autor: http://www.gilvanrocha.blogspot.com/

 

{moscomment}

Comentários   

0 #2 Conto de fadasJosenilson de Oliveira 18-05-2011 16:06
Infelismente, vivemos em uma época tumultuada e isso é uma tapa na cara dos inteligentes que não se deixa levar nesse mundo irreal e não-sonhavél para muitos. Mas o capitalismo apresenta que as proprias condições que uma esquerda unida e coerente é capaz de derruba-la para modificar para uma sociedade socialista para o bem da humanidade.
Citar
0 #1 Samuel 10-05-2011 22:39
Concordo com o que vc falou , exceto pela parte do bolsa família. Qualquer que fosse a forma de ajudar uma pessoa com necessidade, iria gerar esta questão política de captação de votos. Mas como falam os neoliberais , deêm escola para eles !! Não discuto, mas antes disso vem a refeição.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados