Belo Monte: Entrevista com o Robô Ed

 

O Robô Ed (em referência às iniciais das palavras "energia" e "desenvolvimento") foi criado em 2004 pelo Ministério de Minas de Energia (MME), com suporte técnico da Petrobras, para "conversar" em tempo real com internautas sobre "ações de conservação de energia e cuidados com o meio ambiente". Apesar de suas aparentes boas intenções, nas últimas semanas Ed tornou-se objeto de polêmica no Congresso Nacional. Segundo o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), o robô teria sido "programado de forma conveniente ao PT", pois, quando questionado sobre o ex-presidente Lula, respondeu que "Lula foi presidente do Brasil por dois mandatos consecutivos: 2002-2006 e 2006-2010. Seu governo obteve cerca de 80% de aprovação da população brasileira e foi internacionalmente reconhecido". Porém, quando perguntado se Fernando Henrique Cardoso foi um bom presidente, respondeu: "Não falo sobre política. Política é como religião ou futebol. Não se discute" (depois de feita a denúncia, o robô foi reprogramado para, feita esta pergunta, dar o currículo de FHC. Clique aqui para ver esta conversa original no site Kibeloco). Segundo o senador, seria necessária uma investigação sobre os detalhes da programação do robô, pois a "história do país corre o risco de ser escrita de forma incorreta".

 

Apesar de concordar com o senador paraense quanto aos riscos potenciais da programação do andróide federal, esse é um problema menor. Temos inúmeras fontes de carne e osso para discutir as semelhanças e diferenças entre os ex-presidentes. E mais importante que rever o passado é discutir os rumos que estamos dando ao nosso país no presente. Especialmente no que se refere a "energia e desenvolvimento" – temas que os técnicos do MME se negam a debater abertamente com a sociedade, de forma a proporcionar possibilidades reais de alterações de rumos políticos e de planejamento. Ainda mais grave no que se refere aos planos de construção da hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu.

 

Impossibilitados de discutir esses assuntos com o governo, os professores da Universidade Federal do Pará Rodolfo Salm e José Eduardo Martinelli Filho, preocupados com os inevitáveis impactos da barragem, entrevistaram o Robô Ed em 16/04/2011. Confira a seguir:

 

Robô Ed: Olá! Meu nome é Ed, estou aqui para ajudar na preservação de energia e de outros recursos naturais. Sobre o que você quer conversar?

 

RS e JM:Sobre o projeto da hidrelétrica de Belo Monte

 

Robô Ed:Sabe o que é uma usina hidrelétrica? É um local de geração de energia elétrica através da água. Funciona assim: a correnteza de um rio é direcionada para a usina, passa por tubos enormes em alta velocidade e assim faz girar uma turbina, que ligada à chamada Casa de Força, transforma este movimento em eletricidade. A mesma que "sai" da tomada onde seu computador, TV, vídeo game, chuveiro etc. estão ligados.

 

RS:Sim, sei. Moro em Altamira, onde se pretende construir a terceira maior hidrelétrica do mundo: Belo Monte. Minha preocupação é com esse direcionamento da correnteza do rio para as turbinas. Que, para ser possível, causaria grandes transformações ecológicas, com terríveis consequências para o ecossistema. Fora uma série de impactos indiretos que seriam extremamente graves no caso de Belo Monte, no Xingu.

 

Ed: O impacto ambiental das PCHs é bem menor que o das grandes barragens.

 

RS: Ed, eu estou falando de uma grande barragem. Belo Monte!

 

Ed: Para construir uma hidrelétrica onde não há rios com desnível natural, o jeito é usar barragens e desvios no leito dos rios. Para avaliar o impacto ambiental dessa alteração da natureza é que foi criado o EIA (Estudo de Impacto Ambiental).
RS: Avaliar o impacto ambiental e decidir se o empreendimento vale a pena ou não? Parece que todas as decisões já estavam tomadas antes da realização dos estudos! Mas falemos de Belo Monte...

 

Ed: Impacto ambiental é qualquer alteração que afete os recursos ambientais. Quando o ser humano altera o ambiente, provoca impactos que afetam plantas, animais e o próprio homem. Esses impactos ambientais podem ser positivos ou negativos. É bom estar sempre alerta para evitar impactos nocivos!
JM
: OK, mas quanto a Belo Monte?

 

Ed: Belo Monte é uma usina hidrelétrica a ser construída no Rio Xingu, no Pará, com uma potência de 11.233 MW.

 

JM:Você quer dizer "potência instalada", porque devido à fortíssima sazonalidade climática do Xingu, na média Belo Monte produziria bem menos que a metade desse total.

 

Ed: Potência instalada (Pi) é a somatória das potências máximas dos aparelhos de utilização instalados, expressa em kW ou kcal/h.

 

JM:Mas não foi isso o que eu perguntei...

 

Ed: Então o que foi que você perguntou?

 

JM:Sobre os efeitos indiretos da barragem sobre a floresta e o rio Xingu.

 

Ed: Se não cuidarmos dos bosques e florestas, eles correm o risco de desaparecer. E não é tão complicado como parece! É possível até extrair petróleo de uma floresta tropical sem lhe causar danos irreversíveis. A Petrobras consegue.

 

RS: Mas apenas com o anúncio da construção no governo anterior, Altamira já se tornou o município que mais desmata em toda a Amazônia brasileira. Isso apesar de todo o discurso verde do governo. Então, como que você diz que não é complicado?

 

Ed: Proteger a Amazônia do desmatamento é fundamental. Além de abrigar a mais exuberante floresta tropical e a maior rede hidrográfica do planeta, a Bacia Amazônica abriga cerca de 30% da biodiversidade terrestre mundial e desempenha um papel importante no ciclo das águas.

 

RS: Justamente por isso que seguimos lutando contra a esta obra.

 

Ed: Então tá.

 

JM:Tá o que?

 

>Ed: O que? Neste momento, tô pensando nuns projetos.

 

RS: Que projetos?

 

7JM: Os principais projetos do Conpet são: Projeto Economizar, Projeto Transportar, Projeto Parada Economizar, o CONPET na Escola, o Programa Brasileiro de Etiquetagem.

 

RS: Mas e os impactos de Belo Monte?

 

Ed: Belo Monte é uma usina hidrelétrica a ser construída no Rio Xingu, no Pará, com uma potência de 11.233 MW.

 

RS: Você já falou isso.

 

Ed: Já falei mesmo? Desculpe, nem reparei. É que às vezes fico meio empolgado...

 

RS: Sim, você repete essa coisa dos 11.000 MW sem reconhecer que essa usina seria um desastre econômico, ecológico e social. E que também geraria pouca energia considerando-se os seus custos. Tudo bem, você é um robô, programado para fazer isso mesmo. O mais grave é que os seus chefes, supostamente dotados de inteligência real, seguem o mesmo padrão robótico.

 

Ed: Sou um robô e como todo robô possuo uma série de programas instalados em mim.

 

RS: Da mesma forma como os técnicos do governo que vieram a Altamira participar das audiências públicas sobre a barragem.

 

Ed: Se você deseja participar dos projetos do CONPET, entre em nosso site e mande sua mensagem pela sessão Fale Conosco.

 

RS: Pelo menos aqui não temos as polícias que na ocasião trataram a população como bandidos.

 

Ed: Sonho com um mundo sem violência entre os seres humanos. No meu planeta somos bem pacíficos.

 

RS: Que cínico!

 

Ed: Não sou cínico. Não curto cinismo.

 

RS: Mas parece...

 

Ed: Pois é. O problema é que às vezes parece, mas não é.

 

Rodolfo Salm e José Eduardo Martinelli Filho são professores da Faculdade de Biologia da Universidade Federal do Pará em Altamira, à beira do rio Xingu, onde se pretende construir a hidrelétrica de Belo Monte.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #2 ESCONDERIJO ROBÓTICOANTONIO DE SOUZA BATISTA 29-04-2011 11:15
Como pode um assunto tão importante para a Sociedade ser camuflado desse jeito? Parece uma brincadeira de criança que serve para diverti-la! Está bem nítido o receio de enfrentar diretamente as pessoas que estão intelectualmente mais preparadas para debater o real problema!
Como Cidadão, estou desqualificado pela tentativa chula do governo ou o governo está a cada dia se desqualificando mais com essas atitudes, apesar de...
Citar
0 #1 Belo MonteEzio José 29-04-2011 11:00
A preocupação é necessária e deve ser acompanhada de questionamentos, lógico!
Somos de um país rico em recursos naturais para produção de energia e pobre de massa encefálica da massa dita cultural.
Em nenhum momento da entrevista com o Ed foi questionado quais medidas estão sendo tomadas para evitar um impacto de grande proporções, já que impacto de qualquer forma ocorrerá. Nenhuma ação é executada sem reação, isto é uma lei.
Estou neste momento postando minha opinião enquanto meu ar condicionado está ligado para não aquecer muito o HD do meu PC que juntos estão consumindo energia. Ah! Antes disto estive no mercado e comprei refeições congeladas para uns três dias e devo descongelar no micro-ondas uma porção para meu almoço. A minha geladeira e meu micro-ondas necessitam de energia. Falando nsto, ontem à noite fiquei até tarde no PC e precisei de manter a lâmpada do escritório acesa enquanto isto meu filho assistia um filme (DVD) na sala. Hoje de manhã enquanto ia ao mercado, deixei a máquina de lavar roupa ligada para lavar algumas peças sujas que passarei com o ferro elétrico assim que secá-las. Tem mais uma, ontem, quando vim da cidade com algumas compras em sacolas plásticas e pesava muito, deu uma oscilação na rede de energia e subí, sem elevador, as escadarias do prédio onde moro com uma ira tremenda e xingando feito um louco.
Será que se o governo construir usinas nucleares, haverá pessoas ou grupos contrários à decisão? Se optar por eólicas, já ouvi dizer que essa mata pássaros que discuidam e acabam sendo acidentados em suas hélices.
Afinal de contas só sei de uma coisa: Quanto mais eu conheço os animais menos entendo o ser humano.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados