O real e o engenho

 

"(...) o meu primeiro dia na escola, como senti vontade de ir embora", Renato Russo (Legião Urbana, ‘O Reggae’).

 

Naquela manhã, todos os pais levaram suas filhas até as portas das salas de aula. Não importava a idade... Mais por medo do que por zelo. Afinal, as manchetes, os telejornais, a internet, somente falavam da tragédia que se abateu, de mais um massacre de crianças, que teve como palco os bancos escolares. Os muros mais uma vez não protegeram a nossa infância...

 

De todos os espaços públicos - a praça, o shopping, o hospital - a escola se sagrava mais uma vez eleita no mundo das almas sofridas, como lócus privilegiado do seu espetáculo, na busca de chamar a atenção do universo para os seus demônios interiores.

 

Emblemático a escola ter sido escolhida... Seria lá o nascedouro desses gênios do mal, dessa raiva do mundo? Ou seria apenas um lugar que pela sua pureza, pelo seu teor latente de esperança, se viu como alvo dessa loucura, repleta de influências da violência televisiva?

 

O perfil do agente da barbárie não foge à regra dessa casuística no mundo. Dos problemas familiares, na retração do quarto escuro da sua solidão, entre o real e a loucura, no fascínio pela revanche, de forma apoteótica, sonhada de forma ritualística.

 

Como professor, sempre pensei que o nosso olhar mais acurado deve se voltar para os retraídos, enquanto o senso comum mira os bagunceiros. Os mais fechados não são atingidos pelas nossas interações e guardam em si um fosso profundo em que eles se escondem, inatingíveis, vendo o real de forma enviesada.

 

Mas, naquela manhã, o real se fez tenebroso em engenhos da morte. Mais uma escola foi palco do medo. Dessa vez, não de balas perdidas típicas da cidade maravilhosa, e sim de balas doentes. Como chegaram a essas mãos as armas? Para a nossa sociedade que renegou o desarmamento, por medo, é fácil de responder.

 

Caso inédito no Brasil, tirou de nós o restinho de tranquilidade que ainda tínhamos quando deixamos, diariamente, nossos filhos na escola e encaramos o batente. Digo ainda tínhamos, pois os riscos na escola, para alunos e professores, são inúmeros: atropelamentos, bombas, abuso sexual, drogas, armas trazidas de casa, bullyng, agressões verbais, sequestros relâmpagos. Podemos acrescentar muito mais a essa lista, verificando os periódicos de nosso Brasil varonil.

 

A escola encerra entre seus muros as contradições da sociedade, a soma de problemas e neuroses das famílias, postos ali aos cuidados de funcionários e professores em seu labor desvalorizado. Esperam todos dessa escola, como último bastião da ordem social, que ela dê conta de toda essa gama de questões, enquanto seguimos todos amarelos de medo, como dizia Drummond - pais, alunos, professores e a comunidade.

 

Tudo isso não justifica por que em Realengo ou em Columbine a escola é pensada como palco desse ódio. Faltam psicólogos e assistentes sociais nesse espaço? Falta diálogo com a família? Falta mais contato e menos currículo? Ou será que falta o lúdico, o prazer coletivo de se viver o tempo escolar? Difícil de responder, pois a escola reproduz essa selva desvairada que é a vida, de exclusão e opressão, de tribos e fossos.

 

Na escola deságua tudo, como repositório das memórias felizes de uns e o suplício de outros. Para Paulo Freire "rscola é...o lugar onde se faz amigos. Não se trata só de prédios, salas, quadros, programas, horários, conceitos... Escola é, sobretudo, gente, gente que trabalha, que estuda, que se alegra, se conhece, se estima". Mas, para o todo essa é a escola percebida?

 

Toda essa nossa teoria, tergiversação e entrevistas com especialistas não vão equacionar o que transcende um caso de polícia, mostrando mais uma faceta da tragédia moderna, de jovens revoltados com o mundo, imbricados de fundamentalismo, na busca de encontrar a atenção que valorize a sua loucura.

 

Nem toda essa teoria vai nos afastar do medo que sentimos a cada manhã ao deixar nossos filhos na escola, em uma nova Columbine tupiniquim, onde só tínhamos medo de ir ao cinema. O medo é uma defesa natural, mas fica a reflexão de que a escola e a comunidade têm que trabalhar juntos, em uma versão integral, sobre cada um de seus filhos. Mas, na atual conjuntura, penso se isso não é pedirmos demais da escola e dos professores, carentes de recursos e repletos de demandas.

 

Nota:

 

O bairro da zona oeste do município do Rio de Janeiro, Realengo, tem a origem de seu nome de quando Dom Pedro I costumava ir para a fazenda de Santa Cruz pela estrada Real de Santa Cruz, que passava pelo Real Engenho, onde muitas vezes pernoitou. Como "Engenho" era uma palavra muito grande, a abreviatura usada era "Engo". E ficou "Real Engo" nas placas de orientação utilizadas na época.

 

Marcus Vinicius de Azevedo Braga é pedagogo e mestrando em Educação da UnB.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 Entre os muros da escolaJoão Baptista de Moraes Canto 25-04-2011 15:57
Muito bem situada a questão. Não é tão simples como muitos acham. Passa por muitos meandros inclusive a ampliação da resposabilidade da educação para a sociedade como um todo. Dividir com os professores a missão é preciso.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados