Tragédia em Realengo se transforma em circo de horrores dissociado de reflexão social

0
0
0
s2sdefault

 

"Alô, alô, Realengo:

Aquele abraço!"

(Gilberto Gil, no samba-exaltação Aquele abraço, ao partir para o exílio, forçado pela ditadura militar)

 

A dor pelas mortes e pelos ferimentos, brutais e gratuitos, das crianças e pré-adolescentes da Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro do Realengo, na cidade do Rio de Janeiro, não deve obscurecer nossa consciência crítica.

 

Nada que é humano é somente individual. É individual e social. Mesmo a loucura e suas consequências.

 

Em que exemplos de violência e insensibilidade, reais e fictícios, o rapaz Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, ex-aluno da escola atingida, buscou inspiração? Onde conseguiu informações sobre o manejo de armas e o planejamento de massacres? Como adquiriu os dois revólveres e a farta munição que utilizou? Por que Wellington, filho de uma paciente psiquiátrica, arredio desde criança, e que já apresentava há vários meses, após o falecimento dos pais adotivos, sinais perceptíveis de descontrole e decadência pessoal, foi esquecido sozinho numa casa herdada, sem apoio nem assistência?

 

A forma capitalista de vida social, sobretudo em seus traços contemporâneos, engendra um individualismo cada vez mais exacerbado e uma perda crescente de atenção e solidariedade das pessoas entre si. Não é possível outra forma de sociabilidade humana, que reduza tragédias como a que ensanguentou ontem pela manhã o bairro carioca de Realengo?

 

Estou cada vez mais estarrecido com a cobertura predominantemente passional e facciosa da tragédia ocorrida em escola municipal do Rio de Janeiro, no bairro do Realengo.

 

O jovem Wellington de Oliveira, autor dos disparos que mataram e feriram alunos inocentes da escola, foi chamado de "meliante" nas primeiras declarações do policial que o abateu e continua sendo indigitado como "assassino" por quase toda a mídia, embora já se saiba que sofria de esquizofrenia desde criança. A mídia negligencia as informações de que Wellington, quando era aluno da escola, passou por vexames e humilhações por causa de sua introversão e bizarrices. Não aborda a falta de acompanhamento e tratamento adequados de um paciente diagnosticado de esquizofrenia desde criança, o que agravou a evolução de sua enfermidade. Não trata das informações sobre atentados e manejo de armas que podem ser acessadas facilmente na internet. Não reavalia a divulgação maciça, cotidiana e acrítica dos mais variados atos e formas de violência praticadas por grandes potências e contumazes delinquentes, reproduzidos em filmes de sucesso e até mesmo em jogos eletrônicos. Não esclarece como Wellington conseguiu as armas e as munições, sem as quais não poderia ter feito seus disparos cruéis e desvairados. Não alerta para a atmosfera envenenada de individualismo e competição em que a infância e a juventude vêm sendo forjadas.

 

Com essa cobertura irresponsável e superficial, a maioria da mídia apenas acirra a dor e as reações equivocadas dos parentes das vítimas e de um amplo setor popular. E, nesse clima irracional, as autoridades policiais já alertam para possíveis ataques de represália a familiares do jovem atirador.

 

São poucos também os professores e mais reduzidas ainda as entidades do magistério que têm vindo a público para lembrar a violência que se tornou endêmica nas escolas, principalmente nas escolas públicas, rebatendo a ideia de que a tragédia do Realengo possa ser considerada um fato isolado e imprevisível. Surpreende também que os movimentos de saúde, sobretudo os de saúde mental, não se empenhem em repor a apreciação do trágico acontecimento num quadro mais objetivo e multilateral, que leve em conta a condição do autor dos disparos, a falta de acompanhamento e tratamento de seu padecimento mental e as circunstâncias finais de abandono e solidão que precederam seu gesto de sofrida insanidade. Preocupa também que juristas de indiscutíveis convicções democráticas não se pronunciem para reclamar o tratamento jurídico adequado que merece um jovem esquizofrênico, mesmo que pratique atos de grande crueldade.

 

Abalados pelo acontecimento, que não conseguem entender satisfatoriamente, muitos parecem retroceder à Idade Média, quase pregando a condenação dos loucos como endemoninhados e bruxos e seu justiçamento nas chamas de fogueiras.

 

Vêm à lembrança as advertências de Engels e de Rosa Luxemburgo de que o declínio da civilização capitalista poderia ser seguido não por um salto socialista, mas por uma regressão à barbárie. É preciso insistir, portanto, na necessidade de lutar pela alternativa de uma civilização superior, socialista, baseada não apenas no poder democrático dos trabalhadores, na propriedade social dos meios de produção, no  planejamento das atividades econômicas ou em serviços públicos universais e de qualidade, principalmente nas áreas de saúde, educação e previdência, mas também em valores de respeito, solidariedade e ajuda mútua no convívio social.

 

Questões que não querem calar

 

O programa “Fantástico” transmitido pela Rede Globo na noite de domingo exibiu novas reportagens sobre a tragédia que se abateu sobre a Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro do Realengo, na cidade do Rio de Janeiro. As reportagens devem ter suscitado novas preocupações nos espectadores atentos.

 

1) É legal e admissível que a polícia carioca repasse imagens e documentos da investigação para a Rede Globo com exclusividade, discriminando os outros veículos de comunicação?

 

2) Segundo as imagens transmitidas, as professoras das duas salas de aula invadidas pelo atirador foram as primeiras a fugir, deixando para trás as crianças e adolescentes pelos quais eram responsáveis. Por que a entrevistadora não questionou esse comportamento? Por que as autoridades educacionais do Rio de Janeiro não apuram, nem discutem com as famílias dos alunos, a conduta da direção, dos professores e dos funcionários da escola no episódio, até mesmo para estabelecer padrões de reação escolar na eventual repetição de ocorrências semelhantes? Segundo regra conhecida, o comandante de uma embarcação que naufraga deve ser o último a abandoná-la.

 

3) Relatos de colegas de Wellington de Oliveira, reproduzidos pelo programa da Globo, confirmaram que o menino introspectivo e vulnerável costumava ser objeto de gozações e humilhações na escola. Grupos de alunas o cercavam, roçando seu corpo e simulando assediá-lo sexualmente, para o sádico divertimento de outros alunos e alunas que assistiam. Em uma ocasião pelo menos, colegas mais fortes o levantaram pelas pernas, enfiaram sua cabeça numa privada e acionaram a descarga, conforme os entrevistados admitiram. Contraditoriamente, uma das professoras que abandonou precipitadamente a sala de aula, deixando para trás seus alunos, declarou enfaticamente no programa da Globo que nunca houve “histórico de violência” na Escola Municipal Tasso da Silveira. O que era feito com Wellington não configura violência e violência repetida? Como são supervisionados os banheiros, os horários de recreio e as saídas das escolas, que se têm revelado momentos e espaços críticos para a integridade e a segurança de alunas e alunos mais indefesos?

 

4) Conforme as declarações de um dos irmãos de criação de Wellington, a mãe deles foi chamada à escola, alertada para o comportamento discrepante do aluno e aconselhada a procurar um psicólogo ou psiquiatra para avaliá-lo. Isso foi feito? Em nossa sociedade capitalista, sobretudo na fase neoliberal e privatizante que atravessa há cerca de duas décadas, existe serviço público na região capaz de assegurar esse atendimento, tratamento e acompanhamento? Por que esses aspectos da tragédia não são pesquisados, nem discutidos?

 

5) Por que não têm sido ouvidos juristas competentes sobre os aspectos penais envolvidos em atos de jovens esquizofrênicos, mesmo que esses atos sejam chocantes, brutais e injustificáveis como os que abalaram a escola do Realengo? Se Wellington tivesse sobrevivido, ele poderia ser levado a júri e condenado à prisão? É correto tratá-lo raivosamente como “criminoso” e “assassino” como qualquer jovem normal e imputável, esquecendo seu prolongado e negligenciado sofrimento mental? A dor merecida pelas vítimas de sua insanidade e a solidariedade com os familiares dos alunos mortos e feridos devem impedir a solidariedade com os familiares do autor dos disparos e a compaixão pelo jovem que premeditou e executou o massacre e acabou sendo vítima de seus próprios atos tresloucados?

 

A tragédia do Realengo precisa ser debatida de forma séria e multilateral se a intenção for evitar a repetição de ocorrências semelhantes e não apenas disputar índices de audiência.

 

É preciso insistir: tudo que é humano é inseparavelmente individual e social. Inclusive a loucura e suas consequências. O capitalismo contemporâneo incentiva, mais do que nunca, o individualismo, a competição, a insensibilidade. Exalta os vencedores e despreza os derrotados. Pode queixar-se de colher os frutos de seu darwinismo social?

 

Internem a Globo?

 

O locutor William Bonner anunciou ontem à noite (11/04) em tom dramático pelo Jornal Nacional, transmitido pela Rede Globo para todo o país, que o "homem" que assassinou "covardemente" alunas e alunos da escola carioca Tasso da Silveira mantinha contatos com um grupo "terrorista" supostamente islâmico, insinuando que esse grupo o poderia ter influenciado a planejar e executar o ataque sangrento à escola.

 

Era o que faltava. A Globo encontrou a linha ideal de investigação policial para tentar impedir qualquer discussão séria e abrangente sobre as causas que levaram à tragédia do Realengo e para deslocar as responsabilidades por essa tragédia da direita para a esquerda do espectro político. Nada de falar na esquizofrenia do jovem Wellington de Oliveira, nem na falta de apoio e tratamento que agravou sua enfermidade. Nada de recordar as perseguições e humilhações que sofreu quando era aluno da escola atacada. Nada de mencionar as informações sobre armas e massacres que podem ser acessadas facilmente na internet. Nada de aludir à cultura de individualismo, competição e insensibilidade disseminada pelo capitalismo contemporâneo. Nada de referir-se aos filmes, jogos e exemplos de truculência e crueldade que vêm dos Estados Unidos e das outras potências imperialistas. A grande questão passou a ser, para a Globo, os contatos de Wellington com um alegado grupo "terrorista", que pode nem ser real, mas criado pela imaginação doentia do jovem.

 

Acresce que para os monopólios capitalistas de informação como a Globo a palavra "terrorismo" abarca tanto os atos de terror propriamente ditos e as organizações que os praticam quanto à resistência armada de povos oprimidos, como o palestino. Em contrapartida, para esses monopólios da informação, Estados, exércitos e partidos como os de Israel e dos Estados Unidos, que bombardeiam e devastam outros países e assassinam seletivamente seus líderes, não praticam o terrorismo. Assim, ao tentar envolver um suposto grupo "terrorista" nos atos tresloucados do jovem Wellington, a Globo busca comprometer setores que a população costuma considerar de esquerda no massacre justificadamente repudiado.

 

No esforço para montar essa versão tendenciosa, a Globo não se constrangeu sequer com uma objeção de simples bom senso: por que algum grupo terrorista, de direita ou de esquerda, teria interesse em insuflar um ataque à modesta escola municipal de bairro periférico do Rio de Janeiro?

 

Para revestir de alguma credibilidade a insinuação, o Jornal Nacional ouviu o ministro da Justiça que se prestou a declarar que a Polícia Federal apoiará todas as linhas de investigação da Polícia Civil do Rio de Janeiro, inclusive a do alegado envolvimento de grupo "terrorista" com as maquinações do jovem Wellington de Oliveira. O que não consegue a poderosa Globo?

 

Duarte Pacheco Pereira é jornalista, escritor e ex-dirigente da Ação Popular.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #17 Angelica 26-04-2011 08:07
Muito bom o comentario. Que bom que exitem espaços como este.
Citar
0 #16 Tragédia Em Realengo Se Transforma e m CValéria Maurício 22-04-2011 19:19
Concordo e fico feliz em saber que,alguem também se preocupa com os doentes.Não seria o jovem Wellingthon,uma vítima que teve os seus direitos de cidadão esmagados por uma sociedade medíocre?
Eu sei que isso não justifica o acontecido mas,se os direitos humanos fossem respeitados e dessem à ele e à tantos outros,uma oportunidade de estudar em boas escolas e de ter assistência médica adequada,evitaria que,muitos revoltosos se transformassem em Futuros Bandidos e Asassinos.
Citar
0 #15 lais de ramos rechineli 18-04-2011 16:36
Adorei tudo o que li aqui...aff que há uma luz no fim do túnel...com argumentos sólidos este jornalista mostrou a que veio! Apoiadíssimo!!!!!!!!!
Citar
0 #14 Bravo Duarte P Pereira....Ana Rosa martins 17-04-2011 14:16
Muito bom seu artigo! na verdade o mais elucidador de todos que li e de tudo que ouvi. O ato em si choca? chocou? certamente que sim! mas refletir sobre os importantíssimos pontos que vc abordou, é de suprema relevância. pena que esta emissora não leria em cadeia nacional esse brilhante artigo. recebi por e-mail e já o estou repassando, quem sabe assim consigamos por na cabeça das pessoas algo que as tire da alienação e individualismo em que vivem.
PARABÉNS MESMO!!!!
Citar
0 #13 Leni 17-04-2011 14:15
Quando neste país um gestor público ser´qa responsabilizado por não priorizar investimentos públicos para executar políticas públicas para nossos jovens?
Duarte Pereira obrigado. Realmente estas questões para a Rede Globo, não interessa por ser respeito a direito humano. Eu só acrescantaria tres perguntas: "Qual é a política do Estado brasileiro para jovens principalmente os pertencentes a grupos sociais vulneráveis? Qual a política do Estado brasileiro para crianças órfãs? Qual o prejuízo para a sociedade brasileira em seu cotidiano com a programação da televisão brasileira que repete exaustivamente as palavras bandido, assassaino, criminoso, invasor, vagabundo, tiros, violência, terror, polícia, falta de segurança, política na rua, maníaco, estupro, terrorismo, sempre dirigindo-se a questões que envolvam movimentos sociais e ou situações de conflitos urbanos, sem nunca debater a desigualdade social do Brasil uma das maiores do mundo. Aos jornalistas não interessa debater o machismo, o racismo.Eu gostaria de saber como foi o atendimento emergencial no hospital público. Haviam neurocirgiões de plantão no local?
As reportagens apresentadas foram um terror da mídia que se apodera destes momentos de sofrimento e tragédia para auferiri audiência, é a continuação da violência.
Os apresentadores de determinados programas jornalísticos devem estar fazendo curso para de roteiro de ficção.
Citar
0 #12 Manipulação da mídiaMichelle 17-04-2011 11:08
A Poderosa Globo manipula a mídia e o pior, ganha prêmios por reportagens indicada pela própria sociedade que sem condição de uma reflexão amplamente crítica coloca como dogmas tudo o que vem do telejornalismo manipulador e apolítico dessa emissora.
Citar
0 #11 Boa reflexãoPatricia Jacques Fernandes 16-04-2011 20:37
Parabéns ao autor do artigo. Faz uma leitura ampliada e transversal da tragédia de Realengo. Perfeita a colocação sobre as questões humanos serem individuais e coletivas simultaneamente. O problema é que não fomos educados para o pensamento e sim para encontrar culpados. Essa é uma tragédia humana desde o início. Entendo que Wellington não é vítima apenas. Há uma série de questões envolvidas no caso. Sobre a família tê-lo levado ao psicólogo, um irmão afirma que isso foi feito. Segundo o relato desse irmão, Wellington foi atendido por psicólogo até os 17 anos quando parece que decidiu não mais ir. Essa é uma outra questão: Será que o profissional de Psicologia não percebeu nada relevante que merece atenção mais profunda, até mesmo um tratamento compartilhado com um psiquiatra? Hoje tudo isso são conjecturas. No entanto, esse fato deve ser mote para muitas discussões sobre qual é o papel da escola, sobre a discriminação no ambiente escolar, a falta de atenção à saúde mental de profissionais de educação e educandos, entre outros temas.
Sobre a correlação do evento com o terrorismo reflete o quanto a imprensa de forma geral (capitaneada pela Globo) está pobre, afastada de seu maior objetivo que deveria ser informar, questionar e jogar luz sobre temas palpitantes para a sociedade.
Citar
0 #10 sobre a tragedia de Realengo e tantas ouicardo Edgar Marcianesi 16-04-2011 09:20
Em primeiro lugar , creio que a materia faz uma abrangencia interessante neste caso de Realengo. Claro que sempre se tenta tirar responsabilidade da sociedade para depositar num culpado , um indivíduo, são os mecanismos de proteção que tem esta sociedade hipócrita.
Exelente a colocação sobre o signo individualista que tem esta sociedade e para começar deveriamos reconhecer nosso fracasso na construção deste modelo de sociedade , fazermos um profunda reflexão e retomar verdadeiramente a construção de uma nova sociedade mais humana e não-violenta, porque ate os violentos usam a palavra PAZ..
Lembro que ao mesmo tempo que acontecia esta tragedia , aqui no Rio de Janeiro estava-se gestando a maior fera sobre Defesa e Segurança na America Latina, FAAD, onde se fazem os grandes negocios de venda de armamentos de todos tipo. Se falarmos de coerencia, isso deja muito a desejar.
Citar
0 #9 Rosimar Tiepo da Silva 15-04-2011 17:42
somente quando acontece uma tragédia dessas que as pessoas tomam conhecimento de tal disturbio mental,e crucifica o rapaz, mais não estou querendo defende-lo, mais esse é o nosso Brasil,se ele tivesse sido tratado,ele teria feito isso? acho que não.mais o mais dificil é vc viver em um expectativa de um irmão seu ter a doença,e ninguém ti ajudar a resolver a situação, mesmo pq onde moro não achei ninguém capaz de me ajudar, e tomar providências,para um tratamento humano e decente para uma pessoa que vive em outra realidade.desculpe o desabafo, mais não sei mais onde buscar ajuda,depois acontece uma tragédia como essa, ninguém que se responsabilizar por isso.
Citar
0 #8 A TRAGÉDIA CHAMADA REALENGOHERODOTO CARNEIRO 15-04-2011 12:58
REALENGO NÃO POSSUI ESCOLAS E HOSPITAIS DESCENTES.

REALENGO SOFRE COM A PROSTITUIÇÃO INFANTO-JUVENIL.

REALENGO NÃO POSSUI SANEAMENTO BÁSICO .

REALENGO NÃO POSSUI TRANSPORTES COLETIVOS DE MASSA CONFORTÁVEIS,DE BAIXOS CUSTOS E PROFISSIONAIS EDUCADOS.

REALENGO NÃO POSSUI POLÍTICAS DE SAÚDE PREVENTIVAS.

REALENGO SOFRE COM O COMÉRCIO E CONSUMO DE DROGAS.

REALENGO ESTÁ SENDO DEGRADADO PELA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA,LOGO A SUA NATUREZA EXUBERNTE SENDO EXTERMINADA.

REALENGO NÃO POSSUI EDUCAÇÃO ECOLÓGICA.

REALENGO NÃO POSSUI SEGURANÇA PÚBLICA,MAS DEPENDE DOS JUSTICEIROS E AFINS.

REALENGO SOFRE COM O DESEMPREGO E A FALTA DE MORADIA.

REALENGO É O HAITI DAQUI.

HERODOTO CARENEIRO - EM VISITA AO REALENGO TRÁGICO APÓS A CHACINA.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados