topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Apesar da retórica, objetivo da OTAN é remover Kadafi para se apropriar do petróleo Imprimir E-mail
Escrito por Achille Lollo   
Terça, 05 de Abril de 2011
Recomendar

 

Oficialmente, o general canadense Charles Brouchard, agora, está no comando das operações militares da OTAN realizadas contra todas as posições do exército líbio com o lema "Unified Protector" (Proteção Unificada). A mudança é importante para os diferentes interesses políticos e econômicos que dividem os países da União Européia, do momento que a direção política da guerra assumida, unilateralmente, pela França e a Grã Bretanha tinha provocado a defecção da Alemanha e da Noruega, enquanto a Itália havia denunciado que Sarkozy apoiava os rebeldes unicamente para obter facilitações para as empresas petrolíferas francesas.

 

Por isso o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron, no dia 27, logo após o secretário-geral da OTAN, Anders Fogh Rasmussen, ter confiado o comando militar da campanha "United Protector" ao general Brouchard, assinaram uma breve nota em que se dizia textualmente "...Kadafi tem que ir embora imediatamente e a transição política na Líbia será feita somente pelo Comitê Nacional de Transição".

 

Neste contexto temos um cenário político europeu e outro estratégico na Líbia extremamente complexos, visto que são os interesses das diferentes nações da OTAN que estão determinando a evolução dos acontecimentos bélicos no país. Por isso, a França e a Grã Bretanha pretendem manter o "comando político" das operações militares da OTAN e, assim, evitar o esvaziamento da guerra.

 

A prudência dos EUA

 

Apesar de ter operado um bloqueio naval com três submarinos (Florida, Providence e Scarnton) e três modernos navios de guerra (Mount Whitney, Stout e Barry), de onde são lançados diariamente centenas de foguetes cruzeiros "Tomahawk", e apesar de ter posto à disposição do ataque a Líbia todos os aparelhos de caça e de interceptação localizados nas bases italianas de Sigonella, Aviano, Trapani e Pantelleria, no coletivo do governo Obama existem duas linhas: a belicista da "democrata" Hillary Clinton (Secretária de Estado) e a prudência do Secretário de Defesa, Robert Gates.

 

A senhora Clinton quer fazer o mesmo que seu marido fez com a Iugoslávia em 1999, à época destruir a federação iugoslava liderada por Milosevic explorando a causa humanitária dos rebeldes do Kosovo, criados artificialmente pelos serviços secretos britânicos. Uma operação que, em termos políticos, abre a Hillary Clinton o caminho para a Casa Branca. De fato, acabar com Kadafi e, sobretudo, voltar a privatizar o petróleo e gás líbio em favor das multinacionais estadunidenses significa crescer na mídia e ganhar favores e apoios do mundo empresarial estadunidense e europeu, tradicionalmente ligados aos republicanos.

 

Por outro lado, se a "guerra humanitária" conseguirá a "acidental morte de Kadafi" e da maior parte de seus familiares e diretos colaboradores, certamente Hillary Clinton será coroada como a "heroína da democracia", visto que conseguiu fazer o que nem Reagan e Bush conseguiram.

 

Robert Gates é mais realista, no momento que Ali Tahouni (60) é o único "homem fiel" que os EUA possuem no novo Comitê Executivo Nacional (CEN) e que chegou a Benghazi somente nos últimos quinze dias para ser nomeado Ministro das Finanças, de forma que não tem nenhuma influência ou poder de manobra sobre as forças dos rebeldes. De fato, todo mundo sabe que a maioria dos dirigentes do CEN é de ex-militares ou ministros do regime de Kadafi, de origens cirenaica, monitorados por "assessores" dos serviços secretos francês e britânico. Não é causal que nos primeiros dias da revolta a bandeira francesa foi estendida ao lado da antiga bandeira da monarquia líbia e que o presidente francês, Sarkozy, foi o primeiro e o único que reconheceu o Comitê Executivo Nacional como o novo governo legítimo da Líbia.

 

Mas o que torna prudente e até relutante Robert Gates é que os EUA não podem abrir outra frente no Oriente Médio, onde têm duas guerras sangrentas em curso (Iraque e Afeganistão), dois "protetorados" perigosamente ameaçados por revoluções populares (Bahrein e Iêmen) e outros "países amigos" em dificuldades (Marrocos, Argélia, Jordânia e Omã).

 

De fato, Robert Gates declarou como muita ênfase "...Até hoje tudo correu bem, os bombardeios provocaram danos enormes ao exército de Kadafi que já não pode contar com sua aviação, as defesas antiaérea e as colunas de tanques. Porém isso tudo vai provocar o entrincheiramento das forças leais a Kadafi, de forma que a mudança de regime será cada vez mais complicada..."

 

Robert Gates não é tão otimista quanto Hillary Clinton antes de tudo porque não foi possível ter na Líbia uma solução egípcia, onde o exército garantiu o controle pacífico das manifestações em todo o país e, depois, assumiu o comando político da transição. Isso significa que há o grande risco de que a OTAN seja obrigada a intervir por terra para consolidar o poder dos homens do CEN e garantir a transição institucional.

 

Um contexto complicado em função da ausência de lideranças populares e pelos conflitos internos originados pelas divisões étnicas. Além disso, é necessário ter em conta que Kadafi ainda não foi derrotado ou morto e que, apesar de tudo, detém uma base popular importante em toda a Tripolitânia e até na própria Benghazi. O medo de Gates é que na Líbia pode explodir uma sangrenta guerra civil, transformando o país em uma segunda Somália.

 

Os mistérios do CEN

 

Nenhum país árabe, inclusive os mais conservadores como a Arábia Saudita, o Qatar e Emirados Unidos, reconheceu o Comitê Executivo Nacional, e isto aconteceu não por apoiar o regime de Kadafi, mas porque há profundas suspeitas de que as bases dos rebeldes estão infiltradas por homens de Al-Qaeda, além de fortalecer enormemente no mundo árabe a imagem da Irmandade Islâmica.

 

De fato, a rebelião conseguiu se manter viva e promover um assalto desordenado ao regime porque os homens da Irmandade conseguiram criar um elo de ligação entre os antigos opositores internos ao governo de Kadafi (ex-ministros da Justiça, internos e vários coronéis), os empresários do ramo petrolífero expropriados com a nacionalização, os novos liberais (advogados, professores, pequenos empresários), os velhos exilados liderados pelo velho general Haftar e os novos que como Ali Tahouni foram estudar no exterior e não voltaram mais e, por último, os mais importantes chefes das 12 tribos da Cirenaica, que na realidade são os verdadeiros donos das massas de jovens que alimentaram a revolta popular em Benghazi.

 

Uma difícil aliança que corre o risco de se romper quando será feita a nova divisão dos poderes, a partir do momento que não havendo pobreza, fome e analfabetismo na Líbia debaixo do pano das reivindicações por mais democracia, há uma luta interna para impor uma indefinida gama de reivindicações econômicas setoriais. Por exemplo, os empresário e os novos liberais querem ser os representantes das empresas estrangeiras no processo de privatização do pacote acionário da estatal petrolífera NOC. Por sua parte, os chefes tribais querem que esse pacote passe a ser administrado unicamente pelos seus homens, muitos dos quais querem que o poder do petróleo permita a criação da Republica da Cirenaica, onde estão localizados 72% dos poços petrolíferos da Líbia.

 

Os militares e ex-ministros de Kadafi que receberam o apoio da França e Grã Bretanha garantiram que 75% dos contratos que o governo da Líbia havia assinado com a companhia italiana ENI serão renegociados em favor de companhias francesas e britânicas. Além disso, garantiram também que será modificada a percentagem do preço do petróleo que as multinacionais pagavam ao governo sobre cada barril. Segundo informações fidedignas o preço do barril pago pelas multinacionais ao governo deveria passar do atual 90% para 70%. Um lucro incomensurável se consideramos que a Líbia tem uma capacidade produtiva de 500.000 barris de petróleo por dia e que a qualidade desse é superior a do petróleo da Arábia Saudita.

 

A União Européia e a OTAN

 

A OTAN é a aliança militar entre os países da União Européia e os Estados Unidos, mais a Turquia, e sua atividade militar sempre dependeu das orientações estratégicas dos EUA, para defender a geoestratégia dos EUA e de seu aliados — principalmente Israel — bem como os interesses das empresas estadunidenses e européias. A atual guerra contra a Líbia é uma mera atualização dos planos de invasão que EUA e a OTAN elaboraram desde 1969, isto é, quando o coronel Kadafi liderou o golpe de Estado contra o corrupto rei Idris II, que havia entregado o país às multinacionais ocidentais.

 

Hoje, somente a França admite a necessidade da ocupação terrestre para: 1) consolidar o poder do CEN de Benghazi até Trípoli; 2) acabar com a resistência dos homens fieis a Kadafi em todo o país.

 

Por sua parte, o novo comando da OTAN, mesmo discordando da França sobre a necessidade de ocupar a Líbia, aceitou intensificar os bombardeios nesses dias para permitir aos rebeldes avançar em direção a Trípoli e consolidar a ocupação de todas as cidades da costa e as com terminais petrolíferos.

 

Entretanto e com muita cautela, o general canadense Charles Brouchard não excluiu a intervenção terrestre para garantir as "ajudas humanitárias aos civis". Em poucas palavras, os portos das cidades de Bengazhi, Misurata, Sirte e Tobruk deverão ser definitivamente libertados pelos rebeldes para permitir o desembarque dos soldados da OTAN e de suas viaturas (evidentemente cheias de armamentos para os rebeldes).

 

Foi neste âmbito que o governo da Grã Bretanha autorizou que 1,4 bilhão de dinares líbios, que haviam sido impressos em Londres sob encomenda do Banco Central do governo de Kadafi, fossem desviados para Bengazhi e entregues ao novo ministro das Finanças, Ali Tahouni. Uma operação de autêntica pirataria que nenhum governo europeu e, sobretudo os EUA, tiveram a coragem de denunciar, visto que esta é uma forma a mais para derrubar "democraticamente" o governo de Kadafi.

 

Achille Lollo é jornalista italiano e editor do programa TV "Quadrante Informativo".

 

Recomendar
Última atualização em Sexta, 15 de Abril de 2011
 

Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates