topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Compromissos da Vale com o Brasil Imprimir E-mail
Escrito por Léo de Almeida Neves   
Sexta, 01 de Abril de 2011
Recomendar

 

O tema da saída do sr. Roger Agnelli da presidência da Vale enseja relembrar as circunstâncias da privatização em 6 de maio de 1997 da chamada "Jóia da Nação", já então a maior produtora e exportadora do mundo de minério de ferro, gerando US$ 1,6 bilhão de divisas em 1996.

 

A Cia. Vale do Rio Doce criada por Getulio Vargas em 1942, depois de nacionalizar a Itabira Iron, durante seus 55 anos de estatal foi prestigiada por todos os presidentes da República, e tinha desenvolvido dois sofisticados sistemas integrados de produção e logística, desde a extração dos minérios e seu transporte por ferrovias até os terminais marítimos nos portos de escoamento. A formidável rede logística incluía as ferrovias Carajás, o porto de Itaqui no Maranhão e Minas e o porto de Vitória no Espírito Santo.

 

A Vale estatal teve ao longo de sua história excelentes presidentes e diretores, com destaque para a inteligência privilegiada, forte empreendedorismo e geniais iniciativas do engenheiro Eliezer Batista, que a presidiu por vários anos.

 

Dediquei 85 páginas do meu livro PRIVATIZAÇÕES DE FHC. A ERA VARGAS CONTINUA ao assunto da entrega da Cia. Vale do Rio Doce, demonstrando os inconvenientes da operação, principalmente sob três aspectos: 1) baixo preço; 2) o governo não se ter reservado uma Golden Share para coibir atitudes antinacionais e 3) venda de 31,7% das ações com direito a voto na Bolsa de Valores de Nova York, com o Poder Executivo renunciando ao direito de indicar dois membros do Conselho de Administração.

 

Após a privatização, a União ainda ficou dona de 31,17% de ações ordinárias da Vale, o que lhe dava o direito pela lei das sociedades anônimas de indicar dois membros do Conselho de Administração, órgão máximo que nomeia os diretores, e aprova rumos e diretrizes.

 

Em desrespeito ao Poder Judiciário, uma vez que centenas de ações judiciais para anular a privatização estavam subjudice, Fernando Henrique Cardoso determinou em 2001 a venda dessas ações na Bolsa de Valores de Nova York. Em agosto de 2000, ele já tinha negociado 31,72% das ações ordinárias (com direito a voto) da Petrobras nessa mesma bolsa norte-americana. É bom lembrar que subsistem na 1ª Vara Federal de Belém mais de 60 processos pedindo a anulação do leilão de privatização, e o Supremo Tribunal Federal ainda vai dar a palavra final.

 

A Vale foi vendida por R$ 3,388 bilhões, enquanto geólogos da Companhia de Pesquisas de Reservas Minerais – CPRM - (hoje Departamento Nacional de Pesquisas Minerais - DNPM) a avaliavam em R$ 1,7 trilhão.

 

Com a injustificável aquisição em 1996 da Inco do Canadá por US$ 18 bilhões a Vale aumentou seu endividamento de US$ 5,9 bilhões para US$ 21 bilhões e enfrentou, em 2010, greve de seus funcionários que durou um ano.

 

Todavia, o maior erro do sr. Roger Agnelli foi a tentativa de adquirir por US$ 90 a 100 bilhões a Xstrata, multinacional anglo-suíça, em 2007/2008, quando eclodiu a crise dos bancos norte-americanos, contaminando toda a sua economia. A Vale tinha acertado pacote de financiamento de US$ 50 bilhões com oito bancos: o Lehman Brothers, que quebrou nos EUA em setembro de 2008, HSBC Santander Calyon, Royal Bank of Scotland, BNP Paribas, Credit Suisse e City Bank. Para pagar o restante do preço, a Vale emitiria 1,2 bilhões de ações preferenciais do tipo A, que renderiam US$ 30 bilhões. Felizmente, os acionistas da Xstrata desistiram e a Vale livrou-se do negócio no qual teria vultosos prejuízos em conseqüência da crise estadunidense.

 

Outros malfeitos anti-Brasil da Vale: em 2010, encomendou da China 12 navios, ao custo de US$ 1,6 bilhão, no momento em que o governo Lula fazia extraordinários esforços para recriar a indústria naval brasileira. Em vez de fortalecer a sua empresa de navegação, a Docenave, Agnelli assinou contrato de 25 anos com a Mitsui para transportar minério para a China. Em plena crise de 2009, a Vale demitiu 1.300 funcionários. Agnelli não se interessava em projetos de industrialização de minérios do Brasil para agregar valor. Quase 40% do plano de investimento da Vale destinava-se a 39 países no exterior.

 

No final de 2007, a Vale fez torrencial propaganda na mídia, quatro páginas inteiras nos jornais e revistas, inserções nas televisões e rádios, para divulgar o novo logotipo. Foram gastos R$ 50 milhões na propaganda de uma companhia que praticamente só comercializa no mercado interno minério de ferro para poucos clientes. Em 2009, os dispêndios de publicidade da Vale alcançaram R$ 178,8 milhões.

 

Roger Agneli esmerou-se nas contribuições financeiras em campanhas eleitorais de 1996, utilizando-se das coligadas Caemi e MBR: R$ 4,5 milhões para Lula e R$ 3,2 milhões para Alckmin. Ajudou a eleger 54 deputados federais com doações de R$ 5,3 milhões. Esses números foram divulgados pelo Jornal Valor, de 29.11.2006, com dados do TSE. Não há dúvida de que houve uma blindagem, na imprensa, no executivo e no legislativo, para a gestão do presidente da Vale.

 

Não nego a capacidade administrativa do sr. Roger Agnelli, que catapultou a Vale a índices invejáveis na produção, exportação e lucratividade, embora ajudado pela elevação em mais de 500% dos preços do minério de ferro e pela ascensão ciclópica das compras pela China. Mas lhe faltou a percepção de que a Vale foi construída pelo dinheiro do povo brasileiro e que seu compromisso maior é com o Brasil.

 

Léo de Almeida Neves, membro da Academia Paranaense de Letras, autor dos livros Destino do Brasil: Potência Mundial, 270 páginas, Vivência de Fatos Históricos, 534, Segredos da Ditadura de 64, 356, Privatizações de FHC, A Era Vargas Continua, 374.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates