O professor não é um rato

 

Certa vez, um professor cismou que era um rato. Passou a comer restos de comida todos os dias. Trazia lixo para dentro de casa. Rastejava. Deixou os fios de seu bigode crescerem. Acreditava que eram uma antena que o ajudava a se locomover em ambientes sem luz.

 

Exprimia-se entre espaços apertados. Era comum vê-lo enfiar as mãos em brechas de paredes. Abria a geladeira e cheirava com impaciência todos os alimentos. Ficava roendo páginas de livros. Estava sempre à espreita, desconfiado.

 

Familiares e amigos, assustados com seu comportamento, resolveram levá-lo a uma clínica psiquiátrica, onde os médicos, durante meses a fio, se empenharam em fazer o professor tomar consciência de que era um professor, e não um rato. Lutaram para que se lembrasse de seu conhecimento, dos milhares de alunos que ajudou a formar, das centenas de milhares de provas e trabalhos que corrigiu.

 

Não era fácil. O professor queria fugir. Olhava para os médicos como uma cobaia presa no laboratório. Andava de um lado para o outro como se estivesse dentro de um labirinto. Às vezes, encurralado no canto de uma sala, tremia e guinchava.

 

Graças à persistência dos médicos, o professor foi aos poucos recuperando a sua personalidade. Perguntavam-lhe todos os dias: "O senhor é um professor ou um rato?" E lhe davam mil e um argumentos para se convencer de que era, de fato, não um rato. De que era um professor, um mestre, um educador!

 

Depois de um ano letivo inteiro, o professor deu sinais de que estava curado. As avaliações inter e multidisciplinares, os testes constantes, as provas, os exames indicavam que o professor voltara a ser professor. Nada de aprovação automática. Sua recuperação foi supervisionada passo a passo.

 

Num belo dia, os médicos deram-lhe alta com notas altas! E lhe disseram que podia voltar a lecionar.

 

O professor se despediu, caminhou pelo longo corredor, até sumir das vistas dos médicos e enfermeiros.

 

Dois minutos depois, o professor entrou espavorido, suando frio, olhos arregalados, na sala de um dos médicos. Gritava:

 

— Doutor! Pelo amor de Deus! Me ajude! Tem um gato na saída da clínica!

 

— Mas, professor, o senhor não precisa ter medo. O senhor é um professor, lembra-se? É um professor e não um rato.

 

— Certo, doutor. Isso eu já sei. Mas será que o gato também sabe?

 

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor.

Website: http://www.perisse.com.br/

 

{moscomment}

Comentários   

0 #2 O professor não é um ratoMaria Josecí Vale 26-04-2011 14:49
Adorei o texto! Muito criativo e divertido!
Citar
0 #1 GosteiAna Clara 30-03-2011 14:27
Gostei bastante do texto, achei-o divertido e crítico ao mesmo tempo. Gostaria de postá-lo em meu blog, e desde já deixo claro que darei os devidos créditos ao autor e ao Correio da Cidadania.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados