topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Negociação legitimadora da tributação Imprimir E-mail
Escrito por Osiris Lopes Filho   
Terça, 03 de Julho de 2007
Recomendar

 

Um leitor admira-se de uma afirmação constante de artigo anterior de que o pagamento da maioria dos nossos tributos repousa na espontaneidade do contribuinte. E indaga, não é paradoxal que, sendo o tributo de caráter obrigatório, esteja a depender da vontade do contribuinte?

 

Realmente, essa é uma característica dos modernos sistemas tributários – a de que o pagamento dos tributos seja condicionado pela vontade do contribuinte, materializada pela ação de pagar, regra geral, antecipadamente o tributo, antes de qualquer atividade da administração tributária.

 

Numa sociedade democrática, o cidadão tem liberdade de decidir as ações que vai praticar, inclusive a de pagar ou não o tributo que é devido, por força da lei. Óbvio que o não pagamento do tributo devido enseja repercussão para o contribuinte faltoso. A inobservância da sua obrigação de pagar o tributo provoca conseqüências que afetam o patrimônio, como a exigência do tributo não pago, acrescido de multas e de juros pelo atraso no pagamento.

 

Em casos mais graves, os de sonegação, que consiste em prática de crimes contra a ordem tributária, a ação estatal repressiva pode abranger a própria liberdade do infrator, condenado-o à prisão. Trata-se de casos extremos. Patrimônio e liberdade consistem nos bens expostos à ação do Fisco adotada contra os evasores e sonegadores dos tributos.

 

A complexidade e a rapidez das atividades econômicas, sobre as quais incidem os tributos, impossibilitam a presença individualizada do Fisco em relação a cada contribuinte. Em realidade, têm crescido os controles do Fisco, basicamente os estabelecidos no ponto de vista da arrecadação e da fiscalização, que se desenvolveram qualitativa e quantitativamente em decorrência da notável evolução na informativa e nas máquinas que as viabilizam.

 

A informação e os dados passaram a ser a matéria prima da administração tributária. A tecnologia da informação possibilitou cruzamento de dados, aprimorando os seus sistemas de controle. Tudo isso não superou, entretanto, uma fragilidade do sistema tributário. A sua eficácia, entendida como a arrecadação correta dos tributos devidos, tem sido comprometida no nosso país, pela evasão, sonegação e elisão tributária que têm tido crescimento avassalador.

 

O poder público, vale dizer, o Executivo e Legislativo, têm promovido brutal elevação dos impostos, taxas e contribuições, sufocando as atividades econômicas e o bem estar dos cidadãos.

 

A volúpia arrecadatória ultrapassou os limites da razoabilidade e da capacidade contributiva do povo brasileiro. A carga tributária, pela sua exorbitância, tem sido indutora à evasão e sonegação. Essa, a realidade. Tornou-se insuportável para quem paga corretamente os tributos. Por outro lado, favorece ao infrator impune, que progride vitorioso na concorrência, pois, quando todos procuram não pagar o tributo devido, o correto controle pelo Fisco é impossível.

 

Um mecanismo simples e econômico para se enfrentar a evasão e a sonegação é o de cada agente econômico, principalmente o consumidor, exigir a nota fiscal, documento que propicia identificar o valor da operação de venda de mercadoria ou prestação de serviço e seu autor, facilitando os controles da administração tributária.

 

Fiscos estaduais têm oferecido prêmios, mediante sorteios para os consumidores que trocam notas fiscais por cupões, destinados à premiação. O sucesso dessa providência tem sido relativo, pois não mobiliza, nem conscientiza o povo consumidor.

 

A situação de ineficácia da tributação alcançou quadro dramático. Precisa ser revertida. Um caminho é o de o Fisco iniciar campanha para a exigência da nota fiscal.

 

E fazê-lo mediante negociação com o consumidor, conduzida por órgãos representativos da sociedade civil, como a OAB e confederações patronais e trabalhadoras. A premiação seria, atingida a meta de incremento da arrecadação, estabelecida na negociação, e haveria redução do tributo negociado. Esse processo inovatório legitimaria a tributação, diminuiria a evasão/sonegação, propiciaria ao Fisco os incrementos de receita de que necessita, e encerraria a atual indecorosa manipulação da lei, para obtenção de maior arrecadação. A intervenção do consumidor legitimaria a tributação dando-lhe papel ativo, reduziria a evasão/sonegação, e reduziria a carga tributária, com racionalidade e participação popular direta, com controle dos resultados obtidos pelos órgãos representativos da sociedade civil.

 

 

Osiris de Azevedo Lopes Filho, advogado, professor de Direito na Universidade de Brasília – UnB – e ex-secretário da Receita Federal. E-mail: osirisfilho(0)azevedolopes.adv.br

 

Para comentar este artigo, clique aqui.

 

Recomendar
Última atualização em Quarta, 04 de Julho de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates