Nunca é tarde para amar

 

Faz tempo. Trinta e seis anos. Eu morava em Vitória. Havia ali uma comunidade monástica ecumênica, sucursal do Mosteiro de Taizé, na França, que congrega protestantes e católicos.

 

O mais jovem, Henri, tinha 24 anos. Como quase todo europeu que pisa pela primeira vez em nosso país, estava fascinado com o Brasil: o calor, a luminosidade, as frutas, a religiosidade do povo e, sobretudo, o acolhimento, este dom que a nossa gente tem de ficar amiga de infância cinco minutos depois de conhecer uma pessoa.

 

Trouxe-o a Minas. Queria que Henri visitasse Belo Horizonte, Ouro Preto, Congonhas do Campo. Já outros europeus que eu convidara às Alterosas haviam se maravilhado com a harmonia barroca da antiga Vila Rica. E mais ainda ao saber que aquelas ladeiras guardam histórias libertárias, enquanto suas igrejas, cujas torres agulham o céu plúmbeo, exibem a arte incomparável de Aleijadinho. Não fosse o Brasil um país periférico, Antônio Francisco Lisboa seria mundialmente tão venerado quanto Michelangelo.

 

Em Belo Horizonte, apresentei Henri a meus amigos, entre os quais Cláudia, 34 anos, recém-divorciada após oito anos de casamento, mãe de um menino. Cláudia havia morado uns tempos em Paris e, portanto, dominava a língua francesa, o que facilitou a comunicação entre os dois.

 

Henri ficou tocado por ela. Chegou mesmo a se declarar a ela. A sedução, entretanto, não foi recíproca. Cláudia considerou-o um homem inteligente, bonito, e a diferença de idade pesou menos que o escrúpulo de não querer ver o jovem monge largar o hábito para iniciar um relacionamento após um encontro fortuito.

 

Meses depois, Henri retornou à Taizé. Durante certo período, sublimou sua repentina paixão na amizade alimentada por cartas freqüentes entre ele e Cláudia. Depois, a correspondência esmoreceu, Henri abandonou a vida monástica e dele Cláudia não teve mais notícias.

 

Graças ao domínio do idioma francês, ela se empregou numa grande empreiteira brasileira com obras na África e morou no Senegal, na Mauritânia e na Argélia.

 

Ano passado – 36 anos depois – Cláudia, agora com 68 anos e um neto, navegava no Facebook quando seu nome foi identificado por outro internauta. "Você é você mesma?", indagou Henri do outro lado do mundo. Era. O contato entre os dois foi reatado e, súbito, explodiu uma paixão recíproca.

 

Henri, hoje com 60 anos, é economista bem-sucedido em Londres. Após largar o mosteiro, casou com uma asiática que já tinha três filhos e, com ele, ela teve mais dois. A relação durou 16 anos. Há onze, Henri se separou da mãe de seu casal de filhos.

 

Desde outubro passado, Henri já veio duas vezes ao Brasil reencontrar Cláudia. Agora pretende se aposentar e levá-la para uma viagem turística pelo Reino Unido: Escócia, Gales etc. Perguntei à Cláudia se está apaixonada. Deu um largo sorriso de moça feliz e respondeu: "Estou amando o amor".

 

Nunca é tarde para amar é o título brasileiro da comédia romântica usamericana, de 2007, dirigida por Amy Heckerling e estrelada por Michelle Pfeiffer. De fato. Tenho uma amiga alemã de 80 anos, viúva de um brasileiro, mãe de quatro filhos espalhados pelo mundo.

 

Há dois anos ela ligou para a filha que vive em Frankfurt avisando que chegaria na terça-feira pela manhã. Como sempre fazia, dividia um período do ano entre temporadas com os filhos. A moça se desculpou por não poder ir ao aeroporto, pois a escola do filho havia marcado uma reunião de pais, mas preveniu que seu vizinho, um advogado aposentado de 84 anos, já havia se oferecido para fazê-lo.

 

Ao desembarcar, lá estava o advogado com a foto da viajante em mãos. Entraram no carro rumo à casa da filha e, sete meses depois, receberam os parentes e amigos para a festa de casamento e viajaram em lua de mel para uma ilha no Pacífico.

 

Doutor Anselmo, vizinho de minha mãe em prédio na Savassi, em Belo Horizonte, fez 100 anos em dezembro, com direito a baile no Automóvel Clube e valsa de debutante com a namorada de 82.

 

A vida ensina: o coração não tem idade.

 

Frei Betto é escritor, autor de "A arte de semear estrelas" (Rocco), entre outros livros.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #7 Nunca é tarde para amar. Em todas as claFrancisco de Assis N. de Castr 25-03-2011 12:36
O sentimento amoroso realmente foge dos esquemas racionais e intelectuais. É imprevisível, imensurável e atemporal. Achar que somente os integrantes de classe média e da burguesia - para usar uma carcomida expressão que alguns não largam - podem amar, porque suas necessidades materiais estão satisfeitas, é não ter conhecimento de como o amor é exuberante e divino entre os pobres, pois é uma manifestação da nossa humanidade que não está diretamente dependente da barriga cheia.
Citar
0 #6 AgradecimentoCarmen Figueiredo 12-03-2011 10:57
Parabéns e obrigada Freio Betto por mais um artigo maravilhoso. Realmente o Amor não tem idade e muito menos escolhe classe social para ser vivido em sua plenitude. Quanto ao Elias , só posso lamentar seu comentário, talvez ele não tenha conhecimento de quantas pessoas deste interior do Brasil sem nem ter o que comer no dia a dia, tem o maior orgulho de viver um amor como o do artigo e se casam depois de anos de desencontros.
Citar
0 #5 Dianna e HudoRaymundo Araujo Filho 11-03-2011 12:30
Durante o meu curso de veterinária, morei em um sítio rural perto de Niterói onde, em casas próximas haviam dois cães, ou melhor, um cão (Hudo)e uma cadela (Dianna).

Estes dois eram vizinhos e, à noite, varavam a cerca que separava as suas casas e ganhavam a rua de terra, onde brincavam e namoravam à vera.

Muitas vezes, os vi correndo e saltando em plena estrada de asfalto (de pouco movimento)sob um luar intenso.

Ele era um Dinamarquês (Dog Alemão) malhado de Arlequim, e ela era uma simpática e bela Pastora Alemã.

Um dia, o dono da Dianna, um policial civil de poucos amigos na rua, prendeu-a durante à noite, avisado por alguém que ela pululava de felicidade no bairro.

Uma semana depois, Hudo aparece doente, completamente depressivo, sem comer, com uma sarna demodécica (a pior delas) e, pouco tempo depois morre, certamente de desgosto pela perda da amada.

Ficava uivando na direção da amada, e ouvindo as lamentosas respostas dela.

Dianna também veio a falecer algum tempo depois, totalmente transfigurada em uma cadela magra e doentia, além de triste.

O que quero dizer ao Frei Beto, é que o Amor é Lindo!

Mas, não posso deixar de registrar que ele tem de se transformar em ATOS, para não ser apenas uma imagem idílica.

E, Amar o Próximo em Atos, não combina com acobertar atitudes insanas, cruéis e mentirosas de governos, principalmente aqueles identificados "personalmente' como foi o de Lulla e é o de DiLLma, que cometem TODOS os Atos de Desamor ao Povo Brasileiro, assumindo descaradamente as mentiras que encobrem esta postura horrível, sob um discurso que não acreditam mais, pois estão entregues e cooptados pelo projeto do capital, mas fingem não estar.

Amar é muito difícil, realmente. O seu artigo Obrigado Lulla, recentemente publicado aqui no Correio é um Inventário de Mentiras que não têm lugar nas mentes e nos corações de quem VERDADEIRAMENTE ama seus próximos (e os distantes também).

P.S. - Ao menos este artigo não tem o odioso copyright. Por isso Não o irei publicar em lugar algum...
Citar
0 #4 Alexandre Caetano 11-03-2011 09:03
Como disse Ignácio de Loyola Brandão em um artigo: "Quanto ao tempo, o que ele significa?"
Citar
0 #3 Nunca é tardejoão elias reis 11-03-2011 04:36
Oh!, Frei Beto, que história linda, encantadora. Viagens para a Escócia, País de de Gales e lua de mel numa ilha do pacífico. Quisera que 80% do trabalhador brasileiro que ganha até três salários mínimos pudessem fazer uma dessas viagens com sua companheira, ali mesmo, em Foz do Iguaçu.

Bem que esse artigo com história tipicamente burguesa poderia ser assinada por Danusa Leão
Citar
0 #2 Bruna Kézia 10-03-2011 18:26
É impressionante. Eu confesso que demoro a acessar o correio da cidadania, mas sempre quando leio algo mais atual de Frei Betto, eu, simplesmente me emociono. E me indago: como é possível uma pessoa ser assim, escrever assim, pensar assim, amar assim...EU QUERO LHE CONHECER FREI BETTO. De verdadeee. Vc sempre me emociona."Por amor as causas perdidas" que não são perdidas para algumas pessoas...
Citar
0 #1 José 08-03-2011 04:26
Bonito e inspirador! "A vida ensina: o coração não tem idade". Muito amor a todos!

Obrigado Frei Betto
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados