O “Distritão” será o fim dos partidos políticos e o colapso do modelo republicano

0
0
0
s2sdefault

 

A reforma política, tema recorrente nas últimas décadas, está de novo na pauta do parlamento brasileiro. E, a julgar pelos primeiros movimentos desencadeados a partir das mesas diretoras da Câmara e do Senado, corre sérios riscos de enveredar mais uma vez pelo perigoso caminho da galhofa.

 

Apesar do debate infindável e das proclamações generalizadas de apoio, não se consegue aprovar uma reforma política digna deste nome. Ao mesmo tempo, nunca se disputam duas eleições sob a mesma norma legal. Para contemplar o curto prazo dos interesses dominantes, os surtos de casuísmo também são recorrentes, o que só faz agravar a crise da representação.

 

A escalação dos indicados pelos partidos para a Comissão Especial da Reforma Política na Câmara dos Deputados, salvo as exceções de praxe, funcionou como sinal de alerta. Está lá, ostentando o galardão de condutores da mudança, a nata do intestino grosso da pequena política. Maluf, Newtão, Valdemar Costa Neto, Jose Guimarães, Eduardo Azeredo, entre outros, tendo a figura espantosa do herói da luta contra o "Fora Renan", Almeida Lima, como presidente da comissão.

 

No Senado, o mesmo diapasão. O presidente da casa, José Sarney, foi rápido no gatilho. Designou comissão e delimitou campo para o debate. Afinal, o patrimonialismo oligárquico, revitalizado nas abas do lulismo, tem muitos interesses a zelar. E seu líder maior, que já foi chamado no passado de "vanguarda do atraso", não dorme no ponto. Agora, reeleito com o apoio de 21 dos 22 partidos com representação na casa (viva o PSOL, gloriosa exceção), ele aspira definir os rumos da reforma.

 

A comissão do Sarney, ancorada na dobradinha Collor-Dornelles, é a plataforma de lançamento do chamado "Distritão" (*), uma aberração sem tamanho. Apresentado como panacéia universal, ele representa, na realidade, o agravamento de todas as distorções a nossa vida política. Uma espécie de apoteose do casuísmo.

 

Aprovado o "distritão", a própria idéia de partido político perde sentido. Idéias, valores, projetos, programas, coisas que articulam representantes eleitos, coletivos de filiados, o cidadão eleitor que se reconhece em tais propostas, as lealdades e compromissos capazes de fornecer sentido e previsibilidade ao processo político, tudo isso acaba. Será o supra-sumo da personalização na política. Os partidos, se sobreviverem, serão apenas cartórios para o registro de candidatos. Já não valem quase nada, valerão menos ainda.

 

A "fulanização" total da representação deve ampliar o quadro de fragmentação partidária. As tratativas da governabilidade, ao invés de dezenas, passarão, talvez, por centenas de partidos. Se não 513 partidos pelo menos meio milhar de prima-donas, proprietários privados dos votos dos brasileiros. O peso desigual dos votos entre cidadãos das diferentes regiões seguirá do mesmo tamanho, pois os distritos eleitorais, estados da Federação, tão desiguais em eleitorado e população, seguirão os mesmos

 

A proposta, que tem sido chamada com propriedade de "Emenda Tiririca", beneficia pessoas, fulanos, indivíduos já postos em situação privilegiada. Ou seja, as celebridades dos mais variados tipos, aqueles que já estão instalados nas alavancas do poder e, por último, quem tiver muito dinheiro. Aliás, sobre este último ponto, vale salientar a opinião do ex-ministro José Dirceu: "o "Distritão" é o puro poder econômico. Se elege quem tem mais dinheiro. Ponto Final". Declaração categórica de quem é do ramo, conhece do assunto. Afinal, no governo ele cuidou sempre de fornecer carne aos leões.

 

Gato escaldado, barbas de molho. Se o surto atual de debates vier a produzir uma nova farsa, ela será mais destrutiva do que as anteriores. A catástrofe que nos ameaça, o "Distritão", pode provocar uma aceleração vertiginosa da crise da representação política, com a falência total dos partidos e o colapso terminal do modelo republicano. No interior do parlamento e fora dele, nos movimentos e estruturas intermediárias que se ocupam com o debate sério do tema, está na hora de ligar o sinal de alerta: o "Distritão" é o fim da picada.

 

(*) Termo já usado para definir a proposta, defendida pelo vice-presidente da República Michel Temer, de eleger pura e simplesmente os mais votados, até o limite de vagas, extinguindo o atual critério do quociente eleitoral.

 

Léo Lince é sociólogo.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 sociologosrubens 07-03-2011 09:46
sr.lince:
O sr. é favorável ao fica como está?
em são paulo a eleição de tiririca,semelhante à de eneas no passado carregou para a camara 4 ou 5 que obtiveram 50.000 votos a menos que candidatos de outros partidos. isso sim não é nada republicano,embora o brasil infelizmente ainda ser uma republica sindical e de criminosos impunes
Citar
0 #3 Augusto de Almeida 04-03-2011 11:14
Concordo com a análise do Léo. Bravo! Mas falta acrescentar o seguinte: os partidos nunca foram buscar adeptos para se fortalecerem como partidos. O modelo de ação para isso é simples e está dado: aquele das igrejas dos "crentes" e testemunhas de Jeová. Eles batem de porta em porta, dia sim e outro também, pedindo adesões e comparecimento aos seus cultos. Alguém já viu algum partido político fazer isso? Eu não. Morei por quase 10 anos a uma quadra da sede estadual de um partido, e nunca ninguém deles foi bater na minha porta para saber se eu estava interessado em algum tipo de participação política. Então, não é de admirar que agora queiram fazer essa "reforma". É o desenlace natural das coisas.
Citar
0 #2 Mobilização já!Dulcinéa 04-03-2011 09:25
Mobilização popular, já! Inclusive com cartilhas de esclarecimento à população e às escolas.
Partidos de esquerda, movimentos populares, igrejas, todos unidos e mobilizados contra mais este golpe contra a democracia.
Citar
0 #1 distritãoHélio Q. Jost. 04-03-2011 08:35
Meu caro Léo: "fulanização" é o famigerado LISTÃO, em que apenas participarão "suas majestades" os líderes partidários. Os mesmos. Principalmente porque os eleitos serão os primeiros das listas, na ordem de colocação. Isso sim que é a coisa mais espúria em matéria de representação eleitoral. Os chamados distritos, - preferencialmente mistos (proporcional e distrital) asseguram representatividade a regiões e lugares sem representação. O sistema atual não é melhor,...
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados