topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Alto comando militar egípcio tem sede em Washington Imprimir E-mail
Escrito por Laerte Braga   
Terça, 15 de Fevereiro de 2011
Recomendar

 

O marechal Mohamed Hussein Tantawi, presidente do Supremo Conselho Militar do Egito e sucessor de Hosni Mubarak, é parte da brutal ditadura contra a qual os egípcios se levantaram e obediente a Washington.

 

O ex-ditador não renunciou à "presidência da República". Nem ele e nem o general Omar Suleiman, o "vice-presidente". Na quinta-feira, Mubarak discursou em rede nacional de televisão, dizendo que permaneceria no poder até as eleições de setembro; na sexta, surpreendendo aos próprios revoltosos, deixou o poder.

 

Entre quinta e sexta-feira o marechal Tantawi conversou cinco vezes por telefone com o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates. A última conversa foi após o pronunciamento de Mubarak e Gates disse ao marechal Tantawi que para manter a "ordem" e evitar o "caos" era necessário que Mubarak e Suleiman saíssem.

 

Quando se extrai um tumor maligno, ou a cirurgia remove o tumor e seu entorno, ou o tumor permanece vivo. Mas nada muda, apenas a sensação é de mudança no Egito.

 

O governo provisório (pelo menos por enquanto, pode virar definitivo) vai afrouxar aqui e ali, mas só nos adereços, e as mudanças pretendidas pelos egípcios vão depender das ruas e da oficialidade jovem das Forças Armadas, fator decisivo na decisão dos EUA, que determinaram ao marechal Tantawi o afastamento de Mubarak e Suleiman.

 

O alto comando militar egípcio tem sede em Washington e os velhos generais e marechais que comandam as Forças Armadas não diferem em nada de Hosni Mubarak, ele próprio, um marechal.

 

De certa forma, o que vai acontecer é uma incógnita. Os próximos dias serão decisivos para a luta popular e a oficialidade jovem. Muitos aderiram aos rebeldes na Praça da Libertação e isso foi vital para a decisão dos norte-americanos: o temor de uma rebelião dentro das forças armadas, o medo de perder o controle.

 

E transcendem ao Egito. Manifestações contra o governo autoritário da Argélia estão sendo reprimidas de maneira violenta pela ditadura naquele país. No Iêmen, o povo se levanta contra o governo e há indícios claros de insatisfação na Jordânia.

 

Chegam até a Israel, onde parte da população começa a perceber que os governos que sucederam a Rabin (assassinado por um fanático judeu logo após o acordo de paz assinado com Yasser Arafat) têm um caráter ditatorial e colocam em risco a segurança do país. Em Tel Aviv já acontecem manifestações pela paz com os palestinos, tanto quanto líderes de movimentos de direitos humanos e pela paz são presos e condenados, silenciados.

 

Se você acerta um lobo com um golpe não fatal, o lobo se torna muito mais perigoso e apavorante que antes do golpe. É o caso dos EUA e toda a sua extensa rede de terror espalhada pelo mundo.

 

Imerso numa crise na qual se percebe o declínio do império, escora-se num arsenal bélico capaz de destruir o mundo quantas vezes for preciso para manter a democracia cristã e ocidental do deus mercado.

 

Não é uma nação, apenas um conglomerado terrorista: EUA/Israel Terrorismo S/A. E cada vez mais os norte-americanos vão se revelando um povo doente e fanático em sua imensa maioria.

 

Em Bruxelas, Bélgica, discutem um sistema antimísseis que cria um escudo protetor em toda a Europa e pretendem obter a concordância da Rússia, vale dizer, sua capitulação à OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), braço terrorista do conglomerado na Europa.

 

A ressurreição do nazismo foi anunciada pelo primeiro-ministro da principal colônia do conglomerado no velho mundo, David Cameron. Falou em fim do multiculturalismo. A existência, coexistência e convivência entre diferentes. Pacífica e harmoniosa.

 

O que se viu na Praça da Libertação foi um povo sem preconceitos, cristãos e muçulmanos lutando e rezando em comum pelo fim da barbárie.

 

E a barbárie está em Washington, em Tel Aviv, em países árabes governados por ditadores, na Europa colonizada e cercada de bases militares do conglomerado terrorista por todos os lados.

 

Neste sábado, em Roma e várias cidades italianas, milhares de cidadãos vão às ruas para mostrar sua indignação com o primeiro-ministro Sílvio Berlusconi, uma reedição esfarrapada do Duce. A grande chacota do mundo, mas que cumpre à risca o papel que lhe cabe nesse espetáculo determinado pelos EUA. Não por outra razão é um dos donos de um império midiático.

 

Quem pensa que Globo, Folha, Veja etc. existem só no Brasil se engana. Os terroristas do conglomerado, desde a derrota militar no Vietnã, aperfeiçoaram e aumentaram o controle da mídia em quase todos os países do mundo. É o arsenal da mentira repetida à exaustão até que vire "verdade".

 

Em Argel, o ditador colocou nas ruas policiais (via de regra recrutados entre assassinos, como fazia Mubarak) e militares (que em quase todo o mundo, Brasil inclusive, se atribuem o monopólio do patriotismo na versão de Samuel Jackson, "o último refúgio dos canalhas".  

 

O Comitê de Segurança Nacional da Câmara de Deputados do conglomerado EUA/Israel Terrorismo S/A, numa audiência na quarta-feira, 09/02, deu seu aval à ordem do presidente branco – disfarçado de negro – Barack Obama, para que o imã Anwar al-Awlaki seja assassinado pelos "serviços secretos". É acusado de pertencer a Al-Qaeda e ser "mais perigoso que Osama bin Laden.

 

O imã nasceu no Novo México, nos EUA, é filho do atual ministro da Agricultura do Iêmen e acusado de vários "crimes de terrorismo". O espírito democrático, cristão e ocidental de Obama entende que deva ser assassinado em nome da liberdade e outras coisas mais. No fundo, para não atrapalhar os "negócios".

 

O deus mercado exige sacrifício de mortais comuns que se oponham ao uso de tênis de marca, ao consumo de sanduíches Mcdonalds, se recusem a assistir as tevês do grande irmão ou a ouvir suas rádios e ler seus jornais e revistas. Que aceitem a ordem suprema e dispam-se da condição de humanos. Mortos vivos.

O que egípcios – cristãos e muçulmanos – mostraram ao mundo é que é possível sair da escuridão e enxergar o Sol. É claro que a luta não termina na saída de Mubarak, é mais ampla e estende-se às nações de todo o mundo.

 

No terceiro dia do julgamento do pedido de extradição de Julian Assange, feito pela antiga Suécia, hoje importante base do conglomerado na Europa, o juiz Howard Ridlle pediu mais tempo para decidir se aceita ou não o pedido.

 

A falta de provas dos crimes imputados a Assange, responsável por revelar através do Wikileaks toda a podridão e terror do conglomerado EUA/Israel Terrorismo S/A, deve ter sido o motivo. Vão tentar encontrar formas de entregar Assange a Suécia, para que no curso normal de uma ação criminosa ele possa ser levado aos EUA e julgado. Corre o risco da pena de morte. De qualquer forma, para extraditá-lo vão precisar de muitos coelhos e muitas cartolas.

 

O último ministro das Relações Exteriores do Brasil (o atual é funcionário do Departamento de Estado do conglomerado), Celso Amorim, em entrevista telefônica a Carta Maior, afirmou que "as revoluções populares que o mundo assiste agora, especialmente na Tunísia e no Egito, acontecem em países considerados amigos do Ocidente que não eram alvo de nenhum tipo de sanção por parte da comunidade internacional". E fulminou: "isso mostra que a posição daqueles que defendem sanções contra o Irã é equivocada".

 

O que chamam de chanceler brasileiro atualmente, Antônio Patriota, prepara-se para um encontro com Hilary Clinton no dia 23/02. Vai sem sapatos e submisso, doido para ganhar uma cadeira permanente num Conselho denominado de Segurança. A instância maior das Nações Unidas, onde cinco países têm o direito de veto a qualquer proposta que contrarie seus interesses. Quer o status e o direito de dizer amém.  

 

Mohamed Hussein Tantawi, o marechal egípcio que assumiu o governo daquele país, é só um nome. Poderia ser David Cameron, Sílvio Berlusconi, o primeiro-ministro sueco, Antônio Patriota. Poderia ser José Sarney, por exemplo, que guarda com Hosni Mubarak e Omar Suleiman os mesmos cabelos pintados, provavelmente com tintura importada/doada pelo conglomerado (percepção do deputado Chico Alencar).

 

É por aí que o Egito e os egípcios transcendem a si próprios e se estendem por todo o mundo.

 

A luta pela sobrevivência do ser humano não será ganha em shoppings e nem diante da telinha, inebriados com o BBB, mas nas praças. E ainda não terminou para os egípcios e nem começou para muitos povos. A suástica está em marcha, viva e feroz, no conglomerado terrorista EUA/Israel Terrorismo S/A, no discurso de David Cameron, um dos porta-vozes da barbárie. 

 

Por trás daquele discurso vazio e sem sentido de Obama na sexta-feira após a saída de Mubarak, o que existe de fato é o cinismo da estupidez e da violência do conglomerado. Palavras ocas para fora e ordens de assassinato para dentro.

Laerte Braga é jornalista.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates