topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Estados Unidos: perspectiva negativa para 2011 Imprimir E-mail
Escrito por Virgilio Arraes   
Terça, 04 de Janeiro de 2011
Recomendar

 

Eleito em novembro de 2008 sob expectativa de mudança, Barack Obama tem 2011 diante de si sem perspectiva assaz positiva, por causa de dois aspectos: a natural decepção da população, em decorrência do acanhamento na proposição de iniciativas importantes, com exceção da saúde, prevista para implementação, porém, apenas em 2012; e a perda da maioria significativa no Congresso na eleição de novembro de 2010 – anteriormente ao pleito, os democratas compunham 60% dos parlamentares. No Senado, houve a perda de seis cadeiras – de 59 para 53 – e na Câmara a redução foi de 63 assentos – de 256 para 193.

 

Portanto, o resultado foi muito desfavorável, uma vez que o encolhimento deixou o Partido Democrata com pequena maioria senatorial e com menos de 45% das vagas na Câmara dos Deputados.

 

A diminuição da representação democrata no Capitólio espelha maior cautela em 2011, em especial na política externa. Tome-se o exemplo da área nuclear. Em abril de 2010, o país assinou com a Rússia novo tratado de redução de armas atômicas. Contudo, falta sua ratificação pelo Senado.

 

Lá, os republicanos postergam a aprovação para as calendas gregas, o que embaraça a diplomacia norte-americana e desestimula, sem sombra de dúvida, novos passos em setor tão vulnerável, tão sujeito à suscetibilidade pessoal de dirigentes, notadamente de países autoritários.

 

Por outro lado, a interrupção na análise da questão nuclear incentiva os republicanos a ousar em outros segmentos. Seus alvos principais são: reforma do sistema de saúde, considerada por eles inconstitucional, e regulamentação do sistema financeiro, nada obstante ter sido a ausência de acompanhamento do setor a origem da crise econômica de 2008.

 

De mais a mais, os lucros na economia do país distribuem-se mais uma vez de maneira extremamente desigual: enquanto os altos executivos terão reajustes expressivos em suas bonificações no final do ano, os trabalhadores, não. Estes circulam em busca de empregos, mesmo temporários – em torno da metade das novas vagas no segundo semestre de 2010.

 

A dificuldade na obtenção de uma ocupação não faz com que Washington anime-se a compensar os efeitos deletérios da condição atual destes trabalhadores, ao prover um seguro desemprego mais robusto ou acesso à qualificação profissional.

 

O índice de desemprego ainda se situa pouco abaixo de dois dígitos, número similar ao de dois anos atrás. Desta maneira, o vencimento não aumenta para o setor trabalhador, a despeito dos progressivos ganhos derivados da melhor produtividade – automação crescente.

 

A justificativa para maior remuneração extra dos executivos decorre dos lucros aferidos pelas corporações ao atuar nos países do Terceiro Mundo, locais em que comumente a mão-de-obra é barata e desorganizada, a tributação é relativamente baixa, a legislação trabalhista e ambiental é arcaica e a fiscalização é insuficiente.

 

Outrossim, entusiasma os republicanos a possibilidade de bloquear outras proposições relativas à nova estruturação da imigração, principalmente se vinculadas a algum tipo de anistia aos ilegais lá residentes, à sistematização federal da taxação da energia e à reconfiguração do setor sindical, por meio da qual o funcionamento das entidades representativas seria mais adequado.

 

Sob o subterfúgio de severamente limitar os gastos governamentais de um orçamento combalido do ponto de vista social, o Partido Republicano esmera-se em anular a viabilidade de tais projetos.

 

No entanto, o real objetivo da movimentação é naturalmente impedir em novembro de 2012 o êxito democrata no pleito presidencial, ainda que em detrimento não somente da população norte-americana, mas da própria sociedade internacional.

 

Virgílio Arraes é doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e professor colaborador do Instituto de Relações Internacionais da mesma instituição.

 

Recomendar
Última atualização em Terça, 04 de Janeiro de 2011
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates