topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Quem pode? Imprimir E-mail
Escrito por Gabriel Perissé   
Qui, 28 de Junho de 2007
Recomendar

 

 

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo”, frase exaustivamente repetida nas empresas, nas escolas, nas penitenciárias, nos hospitais, nas ordens religiosas, nos quartéis.

 

Outra versão: manda quem pode, obedece quem precisa. Obedece, assim, aquele que teme. Obedece quem não sabe o que é obediência. Obedecer para não ser demitido, punido, excomungado, exonerado, rebaixado.

 

A obediência não é um desvalor. Não fere a nossa criatividade, se obedecer for muito mais do que cumprir ordens calado. Obedece quem pode, sim, obedece quem sabe, quem aprendeu, quem tem força, coragem. E obedece, não porque o outro manda, chicote em punho, mas porque o outro, ao mandar com justiça, manda bem.

 

Obedece quem tem juízo, sim, mas não por medo do juiz, do chefe, do carrasco, do feitor, do supervisor, do inspetor, do manipulador, do fiscalizador, do torturador, do delator. Obedece, não porque é ajuizado na covardia, mas porque o ato de obedecer, de obedecer com personalidade, é mais do que obedecer burramente, a cabeça baixa, o coração cheio de raiva.

 

“Obedecer” vem do latim ob-audire, “ouvir atentamente” — o obediente ouve algo mais do que o simples mandamento. E, por ter boa audição, saberá desobedecer a ordem idiota, quando idiota a ordem for.

 

Obedece quem sabe amar o conteúdo da boa ordem. Obedeço, sobretudo, ao que manda minha consciência quando esta vê coincidência entre mandato e verdade. Se alguém me ensina o certo, obedecer ao certo é mais do que certo.

 

Obediência requer ciência, inteligência, sapiência. Não é obediência obedecer por temer a advertência. Obediência requer um querer livre. Livre das seitas, dos tiranetes, dos esqueminhas.

 

O pacto da obediência pressupõe a colaboração entre quem manda e quem obedece. E quem manda saberá ter juízo para ouvir, aprendendo novos mandatos daqueles que geralmente o obedecem.

 

Os filhos obedecem aos pais, mas os pais obedecem aos filhos, aprendendo com eles a serem pais carinhosos, sem paternalismos.

 

O funcionário obedecerá ao chefe, mas o chefe obedecerá ao funcionário, descobrindo que funcionário não é coisa que funciona à base de ameaças.

 

O aluno obedecerá ao professor, mas o professor obedecerá ao aluno, descobrindo no aluno a pergunta mais exigente: “pra que aprender a classificar oração subordinada, fessô?”.

 

O subordinado obedecerá ao principal, mas o principal obedecerá ao subordinado — na sintaxe da vida, estamos todos unidos por conjunções e preposições.

 

Só pode mandar quem tem juízo.

 

 

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor.

Web Site: http://www.perisse.com.br

 

Para comentar este artigo, clique aqui.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates