topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Natal: encontro e desencontro Imprimir E-mail
Escrito por D. Demétrio Valentini   
Quarta, 22 de Dezembro de 2010
Recomendar

 

A celebração do Natal já foi a expressão maior da simbiose entre fé cristã e cultura ocidental. Em nossos dias, esta simbiose está se diluindo rapidamente.

 

Na celebração do Natal entram agora componentes mutuamente alheios e estranhos. De tal modo que a festa vai perdendo sua identidade cristã. Assistimos, assim, a um processo histórico inverso daquele acontecido nos albores da Europa. Então, de uma festa pagã, se forjou uma celebração cristã. Agora, de uma celebração cristã se tomam os ingredientes para uma festividade que se desenvolve sem nenhuma relação com os dados da fé. A substituição do Menino Jesus pelo "Papai Noel" é o símbolo maior deste divórcio cultural.

 

A partir de Constantino, o cristianismo deixou de ser uma seita estranha e proibida, para rapidamente se tornar religião hegemônica, e finalmente única, nos territórios do antigo império romano.

 

O fato histórico mais expressivo desta nova situação foi a coroação de Carlos Magno pelo Papa, como imperador do novo "Sacro Império Romano", nos inícios do século nono.

 

Com a iniciativa de São Francisco de Assis, no século treze, de recompor o ambiente de Belém pela montagem do "presépio", acabou plasmando o formato exterior da festa comemorativa do nascimento de Jesus.

 

Quando eclodiu o Renascimento, no século quinze, os grandes artistas não tiveram nenhuma dúvida em encontrar nos episódios da fé cristã os argumentos para as suas obras de arte. Todas as obras primas de Michelangelo trazem motivos de fé cristã. Estava consumada a identificação entre fé e cultura, entre culto e arte.

 

Que o Natal tenha sido fruto desta lenta e progressiva identificação entre fé cristã e cultura européia é testemunhado pela sua própria data. Ela é indicada por um dia de mês, 25 de dezembro. Sinal evidente de que é festa posterior aos inícios da Igreja, que só usava o calendário judeu, que tem como referência as semanas, e não os meses.

 

Assim, toda celebração indicada por dia de mês testemunha ter sido introduzida posteriormente. No início, a Igreja não celebrava o nascimento de Jesus em dezembro. Nem os Evangelhos apresentam algum indício que leve a deduzir que o nascimento de Jesus tenha acontecido em alguma determinada época do ano.

 

A fixação do dia 25 de dezembro, provavelmente, se liga à antiga tradição pagã da festa do sol, que ocorria nesta época do ano. Com o crescimento das referências cristãs, foi fácil para a Igreja assumir a tradição festiva, proveniente do paganismo, mas impregnando-a de novo significado: Cristo, o "sol nascente que ilumina todo homem que vem a este mundo".

 

Estava convertida ao cristianismo uma festa que era típica do paganismo. E isto foi feito pela Igreja sem nenhum constrangimento.

 

O desafio que agora inquieta a Igreja é como recompor a fé cristã com a cultura atual. Para que isto aconteça, faz-se necessário um duplo movimento. Que a sociedade cultive valores autênticos, ao alcance de suas motivações. E que a Igreja ofereça o testemunho de quanto os valores cristãos iluminam a vida humana e lhe conferem um novo significado.

 

Assim, a beleza das narrativas de Lucas e Mateus se tornará roteiro renovado para a expressão simultânea da fé cristã e da arte humana.

 

E o Natal voltará a ser a expressão da comunhão entre fé e cultura.

 

D. Demétrio Valentini é bispo de Jales.

 

Recomendar
Última atualização em Quarta, 22 de Dezembro de 2010
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates