Toma providência, Sem Terra!

 

"Digo, sem medo de errar, que a desapropriação da Nova Alegria diminuirá a
violência e o número de conflitos no campo. A partir do exemplo de Felisburgo,
será dado um recado aos latifundiários de todo o país".

(Gercino José da Silva Filho – Ouvidor Agrário Nacional)

 

Neste dia 20 de novembro completam seis anos do Massacre de Felisburgo, ocorrido no ano de 2004, na Fazenda Nova Alegria, situada na região do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais – Oh, Minas Gerais! Quem te conhece ainda do latifúndio sequaz? –, onde o fazendeiro Adriano Chafik Lued e pistoleiros mercenários, odiosamente irracionais e armados até os caninos primitivos, trucidaram cinco trabalhadores rurais (então com idades entre 23 e 72) e deixaram ferido-exangues outros vinte, que haviam ocupado essa terra devoluta, no sonho de "um cantinho de paz" para produzirem o alimento, e organizado o acampamento Terra Prometida.

 

Inclusive, à época, dois adolescentes de 12 e 15 anos de idade lesados naquele ato infame. A parte superior dos corpos das vítimas fatais resultou irreconhecível aos olhos de familiares e amigos, tamanha a animalesca violência sofrida pelos tiros de carabina 12 mm. Destes sobreviventes, muitos ficaram com seqüelas, sem condições físicas de desenvolverem o trabalho digno na terra. Ainda hoje, ressoam na memória de testemunhas aquelas execrandas ordens: "Atirem! Matem todos. Podem atirar em todo mundo".

 

Mais horrivelmente humilhante que este fato (que o digam as viúvas aflitas!) tem sido, ainda hoje, a impunidade dos criminosos, sobretudo Adriano Chafik, desengaiolado, ameaçador crônico da sociedade, com o seu dinheiro amaldiçoado e as fétidas intercessões políticas a achincalhar a Justiça dos cidadãos civilizados. O sujeito é tão insano que, se tivesse aprisionado entre cruéis bandidos do narcotráfico, os intimidaria com o tom da arrogância.

 

Some-se à infelicidade de todo o sangue derramado no campo, a deslavada mentira do futuro ex-presidente Lula, em agosto de 2009, ao ludibriar os Sem Terra com a cínica promessa de transformar a Fazenda Nova Alegria em "assentamento do Incra". Além de rever o índice de produtividade da terra para fins de Reforma Agrária. "Podem contar vitória, companheiros". Ledo engodo! O então ministro da Agricultura Reinhold Stephanes, porta-voz da inquisição do PMDB, censurou sua Excelência à espanhola: "Por qué no te callas?".

 

E a que virá no Palácio do Planalto a presidente Dilma Lula Rousseff em questões de Reforma Agrária? Declarou apenas que vai seguir com o Luz Para Todos e que não vai "tolerar o MST invadir propriedade produtiva". Nem que tenha que intervir mais a mão do Estado no status quo de "propriedade produtiva". E, em meio à indefinição da nova política agrária, o primeiro-líder dos Sem Terra, João Pedro Stédile, assenhora-se da palavra, contradiz a afirmativa de Gilmar Mauro ("o MST não vai ficar refém do novo governo"), defendendo diálogo e apoio ao governo federal petista. Não há ternura de Che que tolere mais cooptação e servilismo!

 

A situação do trabalhador rural, a fim de que o assegure a vida na terra, em acampamentos ou pré-assentamentos – sem água encanada, sem energia elétrica, sem escoamento sanitário, sem estradas de acesso e sem moradia digna –, de tão insuportável, exige soluções que já nem são "para ontem", são para trasanteontem.

 

Ocupar por ocupar a terra, meramente, sem organizar o enfrentamento tático com os representantes do latifúndio no Legislativo, no Executivo e, com maior relevância, no Judiciário, só faz aumentar o favelamento rural neste país. Por dez, quinze anos resistindo, ao deus-dará, debaixo de lona plástica preta, famílias com crianças e idosos, enquanto o "modo petista de governar" mantém as leis arbitrárias de FHC e as tetas da mão-gentil ao Agronegócio... Ó Plínio de Arruda Sampaio, escancara essa neosenzala! Só mesmo Stédile para se sentir um pastor de ovelhas dóceis e ordeiras sob o cajado da alienação.

 

Aos que, supostamente, estão à frente de movimentos de massa, ambíguos e que subestimam os seus pares na luta, por duvidosa liderança nos anos de "vida severina" do governo Lula, que fizeram mais por subtrair do que acrescentar aos direitos sociais, é chegada a hora de autocrítica responsável. E depreciar mais a sigla dos Sem Terra, sem apreço aos mártires nem à história do Movimento, é o destino de descrédito perante os formadores de opinião.

 

Avante, trabalhadores! Até porque, mal assumiu a cadeira de chefe da nação, Dilma Lula Rousseff já tem ouvidos receptivos ao jogo de interesses políticos e pressões diversas dos seus financiadores de campanha eleitoral.

 

Julio Cesar de Castro presta assessoria técnica em Construção Civil.

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #9 A TerraMluisa 13-01-2011 13:20
Novamente a terra nao esquece, ela toma providência!DESPEJA SEM PERGUNTAR.
Citar
0 #8 Toma Providência Sem Terra!valeria mauricio 11-01-2011 14:04
Companheiro
Já faz muito tempo que eu me preocupo idacom esta questão que poderia ter sido resolvida,há muito tempo ou pelo menos,ter se iniciado a solução.
Infelzmente esta decisão não foi feita até agora e nem no governo Lula. Torna-se cada vez mais difícil já que o PT se aliou aos partidos Capitalistas.
Agora,dependemos da boa vontade e do senso de justiça dos partidos de Oposição para tentar melhorar a situação.
.
Citar
0 #7 Despejados pra onde?Mluisa 06-01-2011 13:18
Noticias Brasileira: Dia 25 de dezembro várias familias foram despejadas ilegalmente na noite de Natal
no sudeste do Pará.O Brasil é fantástico!
Citar
0 #6 RepeticaoMluisa 06-01-2011 13:11
Nao demorou muito:Mais uma étapa suja na historia Brasileira.Dia 25 de Dezembro familias foram despejadas inlegalmente na noite do Natal no sudeste do Pará.O brasil é fantástico!
Citar
0 #5 Brasil de quem?Mluisa 12-12-2010 18:19
Nemhum Presidente vai fazer milagres.O Brasil nao pertence a nem ao presidente nem a você nem a mim,porque o Brasil pertence a todos.Vai haver mudancas quando o povo mudar as atitudes,valores,
e saber respeitar os direitos humanos.
Brasil é maravilhoso!Maravilhoso pra quem!Outros dizem amo o Brasil!Nao é verdades!Acorda gente!Liberdade sem responsabilidade nao é liberdade.A responsabilidade nao é só de Presidente!
Todos sao responsavéis,todos se precisam.
Os hospitais sem os faixineiros nao funcionam,como seria as ruas e cidades sem os lixeiros? Tanta terras sem serem usada,e o povo morrendo de fome!O colonialísmo está muito enraizado,quando se fala em reformas justas,já gritam que ninguém quer comunismo,entao que regíme esse no Brasil que mata o próprio povo,fazendo a mesma coisa que se faz na China!?
Mataram Jesus,por defender os menos prévilegiados.Em que década vivemos gente?Com essa atitude de muitos,a pessoa se envergonha de ser Brasileiro.
Citar
0 #4 Tiago Melo 26-11-2010 06:45
Os bons dirigentes do MST precisam levar o movimento ao verdadeiro caminho da luta e resistencia, impedindo que pariceiros do Governo Lula/Dilma se mantenham como chefes supremos dessa organização com luta tão necessaria ao pais!Nomes bons e resistentes o MST possui e são eles que devem buscar cada vez mais ocupar espaço na sociedade juntamente com a grande massa trabalhadora!
Citar
0 #3 Toma Providência,Sem Terra!valeria mauricio 25-11-2010 16:36
Companheiros
Mais uma vez a reforma agrária ou qualquer lei relativa a assegurar os direitos dos Trabalhadores do Campo,é adiada.Durante anos esta questão é arrastada e pelo que parece,se este problema não foi resolvido em 8anos pelo Lula e sua bancada petista é que este acordo que deveria ser tratado com
maior importancia,não está entre os primordiais,principalmente agora depois de fazer acordo com partidos capitalistas e anti-sociais,que visam apenas o seu lucro e seu prestígio ao lado de empresários.
Citar
0 #2 verdade seja ditaAntonio Ribeiro 25-11-2010 11:26
Tive oportunidade de ler a matéria acima. Quero dizer o Sr. Júlio está corretíssmo. A reforma agrária que deveria ser uma prioridade deste governo que tanto prometeu e pouco cumpriu (para os trabalhadores), mas que andou de mãos dadas com agronegócio, que patrocina ações como a de Felisburgo. Por outro lado os banqueiros nunca ganharam tanto dinheiro quanto nos últimos 8 anos. "Enquanto isso no quartel de Abrantes...".A fome copntinua rondando os lares brasileiros, talvez não a fome de pão, mas uma outra fome, a de justiça, de ver esses "senhores" pagando por seus crimes hediondos.
Citar
0 #1 Glaucio Henrique Jr. 22-11-2010 15:17
Só o MST pode tirar o país da apatia política. Depois de tanta esperança e confiança depositadas... Que caia Dilma! ...pelo menos a direita tem rosto.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados