Trânsito para a morte

 

Comemora-se no domingo, 21 de novembro, o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito. No Brasil, a violência automotorizada ceifa, por ano, 37.000 vidas, e causa lesões em outras 120 mil pessoas, a maioria condenada à invalidez (dados IPEA/DENATRAN/ANTP).

 

Os gastos com vítimas de acidentes de trânsito somam, por ano, R$ 34 bilhões (resgate, tratamento, perdas de produção e materiais etc.). Isso equivale a mais da metade de todo o orçamento anual do Ministério da Saúde.

 

O Brasil ocupa, hoje, a 5ª posição mundial em quantidade absoluta de fatalidades no trânsito, depois da Índia, China, EUA e Rússia. Conforme pesquisa divulgada pelo IBGE este ano, em diversos estados brasileiros o trânsito já mata mais do que a violência interpessoal.

 

Se sérias providências não forem tomadas, nos próximos quatro anos morrerão, em ruas e estradas do Brasil, mais 160 mil pessoas; e mais 720 mil serão hospitalizadas, o que representará um custo de R$ 136 bilhões ao país.

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde, morrem no mundo cerca de 1,2 milhão de pessoas, todos os anos, por causa da violência no trânsito. Ficam feridas e/ou inválidas mais de 20 milhões. A OMS informa que, a continuar nesse ritmo, as fatalidades em ruas e estradas passarão do 9º lugar (2004) para o 5º lugar (2030) entre os principais fatores de mortalidade no mundo, provocando cerca de 2,4 milhões de mortes ao ano.

 

Esse índice será devido, principalmente, ao crescimento dos acidentes em países em desenvolvimento, como a Índia, a China e o Brasil, e nos países pobres. É importante frisar que, na faixa etária de 15 a 29 anos, os acidentes no trânsito já são a primeira causa de mortes no mundo, à frente da Aids, da tuberculose e da violência.

 

Preocupada com esta catástrofe, a ONU declarou 2011-2020 a Década de Ação para a Segurança Viária, e o terceiro domingo de novembro como o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito.

 

São seguros os veículos que trafegam Brasil afora? Na publicidade, todos são maravilhosos, aerodinâmicos, confortáveis. Tão impregnados de fetiche que nutrem o ego de seus donos e elevam a auto-estima dos motoristas. Tornaram-se símbolos de status e, no caso dos mais caros e velozes, de poder (observe como certos motoristas avançam suas possantes máquinas sobre frágeis pedestres que atravessam a rua). Bilhões de pessoas, em todo o mundo, acompanham com interesse as corridas de Fórmula 1.

 

O veículo pode parecer quase perfeito, mas quem garante que, na hora H, os freios responderão com segurança e os airbags haverão de proteger os passageiros? Segundo Maria Inês Dolci, especialista em direito do consumidor, o Brasil começará, em breve, a adotar o Programa de Avaliação de Carros Novos (NCAP, na sigla em inglês).

 

Na Europa, o programa se iniciou em 1996. E já há iniciativas similares nos EUA, no Japão, na Austrália, na Coréia do Sul e na China. Consiste em promover testes de colisão dos veículos ocupados por manequins portadores de sensores que captam os efeitos das batidas. Câmeras de vídeo registram os movimentos e os detalhes das colisões sobre o veículo e os passageiros.

 

Espera-se que essas informações cheguem à mídia, de modo que os consumidores tenham conhecimento sobre a segurança e os riscos ao adquirir determinado veículo. Assim, o conceito de mais barato se modificará, afirma Maria Inês Dolci, porque economizar em segurança não é uma boa maneira de comprar qualquer produto ou serviço. Graças à lei sancionada pelo presidente Lula, a partir de 2014 os fabricantes de automóveis no Brasil oferecerão, como acessórios básicos e obrigatórios, airbags, freios ABS e proteção lateral nas portas.

 

Os veículos ficarão mais caros? Ora, no preço de cada um vêem embutidos quase 40% de impostos (IPI, ICMS, PIS, Cofins etc.). Donos de veículos pagam, anualmente, o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), o licenciamento e o seguro obrigatório. E muito dinheiro é arrecadado via multas de trânsito.

 

No Brasil, o preço dos carros é proporcionalmente bem mais caro que nos EUA e na Europa. Abatido o volume de impostos, eles poderiam ser mais seguros e baratos. O que seria compensado pela redução dos gastos do SUS com acidentados. Em outras palavras, o governo recolheria menos impostos mas, em compensação, gastaria menos com as conseqüências da insegurança no trânsito.

 

É preciso se somar a isso intensa campanha de educação no trânsito, reforçando o respeito à lei e à sinalização. É lamentável constatar a leniência do Judiciário com os assassinos do volante: permanecem impunes, continuam a portar carteiras de habilitação e a dirigir. A fiscalização é precária e, não raro, guardas e fiscais são facilmente corrompidos, sem que haja punição severa.

 

No caminho da vida, o trânsito para a morte é inevitável para todos nós. Melhor que não seja antecipado por irresponsabilidade do motorista, omissão do poder público e insegurança do veículo.

 

Frei Betto é escritor, autor de "Cartas da Prisão" (Agir), entre outros livros. Blog: http://www.freibetto.org/- Twitter: @freibetto

 

Copyright 2010 – FREI BETTO – Não é permitida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor. Assine todos os artigos do escritor e os receberá diretamente em seu e-mail. Contato – MHPAL – Agência Literária (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

 

{moscomment}

Comentários   

0 #3 renato machado 29-11-2010 07:22
Meu caro frei Betto , como sempre faço com as opiniões e os artigos dos grandes pensadores e ativistas que lutam por um mundo justo e o senhor é um deles , repasso para meu banco de endereços eletrônico para que sejam compartilhados e que por sua vez que façam o mesmo. Aqui vai um pequeno comentário para seu importante artigo sobre o trânsito brasileiro.
Um país com mais de um milhão de rios que não os usa como meio de transporte de passageiros. Uma costa marítima de milhares de quilômetros que também não é usada para isso. Um país continental que não prioriza transporte ferroviário. As ruas da maior parte de nossas cidades são projetadas para carros. Calçadas estreitas , carros estacionados em cima delas , inexistência de ciclovias , inexistência de sinalização adequada para pedestres e a idéia generalizada de que pedestres são pessoas de segunda categoria , pois não têm carros. A não diminuição da marcha ( como o senhor bem lembrou ) por parte dos motoristas em relação aos pedestres passantes nas ruas é um sintoma de poder e de impunidade. - Faz que não dá nada -.Seres humanos dirigindo seus carros e da forma como o dirigem no Brasil são um prato cheio para a Psicologia. Alguém que disse algum dia , o que acaba sendo muitas vezes , uma verdade – todo motorista de carro é um assassino em potencial. O caos da produção de automóveis no mundo exige uma saída. É preciso que cada vez mais mulheres e homens assumam a negação da sociedade do carro , filé mignon da sociedade de consumo. Por uma sociedade que priorize os transportes coletivos. Por uma sociedade que priorize transporte individual não poluente como a bicicleta. E por aí vai...... por isso que a luta pela democratização da mídia é uma luta maior , pois sem isso , como se irá fazer os grandes debates públicos que são tão tragicamente inadiáveis.
Citar
0 #2 Relatório KissingerJaques Douglas Bonamigo 23-11-2010 06:47
Excelente artigo Frei Betto.
No relatório Kissinger, previa-se uma população de 212 milhões de pessoas para o Brasil, no ano 2000. Chegamos no Séc. XXI com pouco mais de 170 milhões.
Anualmente morrem no Brasil milhares de pessoas, por homicídios, acidentes de trânsito e doenças como AIDS, AVC, Câncer etc.
A quem interessa que a população fique estagnada? A quem interessa que o Brasil continue fornecendo minério e grãos para exportação?
Faltam investimentos em estradas, educação e saúde.
Sobram incentivos à cultura da morte, tais como filmes e esportes radicais, alcoolismo e promiscuidade.
Citar
0 #1 mundo faz de contaLima 22-11-2010 14:51
não precisa de air-bag, barra de proteção, teste... nada. Basta multar os maus motoristas proporcionalmente ao valor do carro... e após muitos pontos na carteira, ao inves de obrigar o "cidadão" a cumprir umas aulinhas de volante deveriam fazê-lo cumprir pena em regime fechado. Acabar com a corrupção nos DETRAN's é uma medida também a ser tomada urgentemente, ninguém aguenta mais essa máfia.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados