topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Companhia do Feijão: teatro como arma crítica à política mercadológica na Cultura Imprimir E-mail
Escrito por Luciana Araujo   
Segunda, 08 de Novembro de 2010
Recomendar

 

Quem ainda não assistiu à segunda temporada do espetáculo "Pálido Colosso" deve correr, pois a peça fica em cartaz, gratuitamente, no Teatro de Arena Eugênio Kusnet, no centro paulistano, somente até 14 de novembro. A peça é uma bela e impactante leitura da história do país desde os anos 1960. Um cabaré decadente é cenário por onde passam a repressão aos comunistas, a ditadura militar e a redemocratização até hoje incompleta, e os sucessivos presidentes que governaram o país no período e t081110_ciafeijao_1.jpgantas vezes significaram ilusões perdidas de transformação após a volta dos generais aos quartéis. Tudo com muito bom humor.

 

Como pano de fundo, as opções de cada indivíduo ao longo desse período, a exacerbação do individualismo e da alienação nos últimos 18 anos - impulsionada pelo avanço do modelo neoliberal – e a reflexão sobre o papel de cada um de nós no desenvolvimento histórico.

 

O espetáculo foi encenado pela primeira vez em 2007 e está em cartaz desde agosto deste ano, em sua segunda etapa de apresentações. A montagem é parte de um projeto intitulado "Por que a esquerda se endireita – um estudo da alma brasileira contemporânea", desenvolvido entre 2005 e 2007, do qual também fez parte a peça "Nonada", que abordava a contradição do Brasil moderno alicerçado sobre as bases conservadoras e ainda em vigor na estrutura sócio-econômica do país.

 

A Companhia do Feijão existe desde 1998 e já produziu nove espetáculos, em um trabalho sistemático de pesquisa de linguagem cênica, sempre ancorado no trabalho do ator e processos de criação em equipe, com a preocupação de levar o teatro a diversas regiões do país. A companhia também tem por prática a formulação de cursos e oficinas para a difusão do teatro como elemento formativo da sociedade. Encerrada esta temporada, o grupo se dedicará à produção de um novo espetáculo, que deve estrear em maio do ano que vem.

 

O Correio da Cidadania entrevistou os integrantes da companhia. Confira abaixo como foi a conversa com a Companhia do Feijão.

 

Companhia do Feijão: Uma ação teatral que germina

 

Além de repensar historicamente o Brasil e os brasileiros, a Companhia do Feijão é parte da militância por uma política pública estatal de cultura, que se enfrenta com a mercantilização patrocinada por mecanismos de financiamento cultural como a Lei Rouanet. O grupo também participa das mobilizações em defesa do modelo em parte respaldado na Lei Municipal de Fomento ao Teatro de São Paulo. Como a que acontece nesta quarta-feira (10 de novembro), a partir das 12h30, na Câmara Municipal de São Paulo (Viaduto Jacareí, 100 - Bela Vista), na qual os secretários de Cultura, Carlos Augusto Calil, e de Negócios Jurídicos, Cláudio Lembo, estão convocados a prestar esclarecimentos à população e artistas sobre a política do governo demo-tucano de privatização da cultura.

 

A lei municipal de fomento garante, desde 2003, estrutura para a realização de espetáculos e a manutenção de grupos teatrais. No entanto, a gestão do atual prefeito Gilberto Kassab (DEM) vem sistematicamente buscando implementar medidas que desconfiguram a legislação e mercantilizam a cultura.

 

O principal foco do enfrentamento atual é o decreto 51.300, de fevereiro deste ano, que estabelece o modelo de gestão por meio de parcerias entre o poder público e organizações sociais privadas. O operador dessa privatização cultural é o secretário Carlos Calil, duramente criticado pelos artistas. As mudanças na legislação atingem também o fomento ao programa de Valorização de Iniciativas Culturais – que apóia projetos especialmente de jovens de baixa renda – e à dança.

 

O risco visto pelos grupos e movimentos teatrais que se mobilizam contra as mudanças é o retrocesso às condições impostas pela Lei Rouanet, que privilegia a destinação de verbas para empresas e produtores que atuam na chamada "cultura do entretenimento", com parâmetros notadamente comerciais, e não com o objetivo da difusão da cultura como parte de uma política de formação do indivíduo.

 

Informações:

 

Elenco: Fernanda Haucke, Flávio Pires, Guto Togniazzolo, Patrícia Barros (atriz convidada, atuando no espetáculo em substituição a Fernanda Rapisarda, que acaba de ser mamãe), Pedro Pires e Vera Lamy. Direção, dramaturgia e iluminação: Pedro Pires e Zernesto Pessoa.

 

Horário: Sextas e sábados às 21 horas, domingos às 19 horas. Endereço: Teatro de Arena Eugênio Kusnet (rua Dr. Teodoro Baima, 68, Praça da República, Centro, São Paulo). Grátis.

 

Correio da Cidadania: Como foi o processo de formação do grupo, a proposta? O que mudou nessa travessia?

 

Pedro: Quando eu comecei, com uma companheira, em 1997 pra 1998, com o Feijão, a idéia era montar um grupo, pensado como um coletivo de trabalho estável, que tivesse outro tipo de relação de trabalho, diferente de você contratar pessoas. Isso é fundamental pra gente. Até hoje continuamos nesse movimento de manter as relações na horizontalidade, sem um chefe, um patrão.

 

E começamos já com esse intuito de montar um grupo com alguns parâmetros importantes. Primeiro, falar sobre as questões que nos tocassem, enquanto pessoas, paulistanos, paulistas e brasileiros, as coisas que nos incomodavam. Aí já vem um dos tripés da Companhia, que é falar sobre a realidade brasileira, numa perspectiva contemporânea e histórica. Fazer uma pesquisa de linguagem cênica, que não é só a questão do tema, pois sem a pesquisa da forma o conteúdo tende a ficar didático, já dado e ultrapassado. E pensar que a gente poderia se deslocar e ir para lugares em que o teatro não vai.

 

Hoje, com o repertório que temos, por ser um grupo, temos espetáculos que podemos fazer em qualquer lugar. Então, vira e mexe a gente está viajando e indo para lugares, cidades, que não têm estrutura teatral. Em 2000, o Zé entrou. E foi uma batalha até 2002, 2003, porque até aí a gente não conseguiu montar um grupo de fato. As pessoas entravam, saíam... Se bem que a gente nunca chamava alguém para ser contratado, sempre chamávamos as pessoas para manter esse tipo de parceria. A partir de 2003, a gente conseguiu criar um núcleo, eu, o Zé, a Fê, a Vera; o Flávio já gravitava fazendo alguns trabalhos técnicos e começou a e081110_ciafeijao_2.jpgntrar na parte de direção musical; o Petrônio (Nascimento), que faleceu (em setembro deste ano, vítima de câncer); e o Guto, que entrou em 2005 para 2006. E a Fernanda acabou de ter neném.

 

Portanto, há essa trajetória. Acho que a pesquisa foi coerente desde o início e, a partir de 2002, a gente começou a encontrar pessoas com as quais todo mundo combinava e que tinham o mesmo objetivo de vida. Porque não é uma vida fácil trabalhar em grupo. Tanto porque as pessoas não têm mais esse hábito de viver no coletivo, como pelo fato de o coletivo dar trabalho. É por isso que as bandeiras têm a dificuldade de emplacar, porque o individualismo é mais solitário, mas, para a estrutura econômica que temos, acaba sendo mais "viável". E, logicamente - não foi por causa disso que a gente conseguiu, mas ajudou para a manutenção do grupo, a partir de 2003 -, cito a Lei Municipal de Fomento ao Teatro, pela qual, aliás, a gente está brigando agora na Câmara, porque o Calil está querendo detoná-la outra vez.

 

Logicamente, durante esse tempo todo, a gente entrou na militância política por um teatro público, junto com o "Arte contra a Barbárie" (movimento que reúne diversos grupos desde 1999 em defesa de uma política pública de cultura), do qual eu participei desde 1998, um pouco em função dessa consciência da necessidade de uma política pública para a cultura, do investimento do Estado numa política de Estado e não de governo, que também tem de olhar para a realidade do seu trabalho e se posicionar. Isso também veio fortalecer e embasar mais a necessidade de se trabalhar em grupo. 

 

CC: O grupo integra atualmente outros movimentos de defesa do teatro público?

 

Pedro: No momento não. Existem alguns movimentos dos quais a gente não está participando diretamente, mas estamos sempre na militância quando preciso.

 

CC: O 27 de Março...

 

Pedro: Eu fui um dos formadores do 27, mas aí houve outros problemas, em que acho que não vale a pena entrar agora, mas estamos num momento meio desarticulado. A gente perdeu algumas figuras meio históricas. É difícil essa questão do teatro porque a categoria é muito dividida. Mesmo dentro dessas divisões, brigamos por questões republicanas, para ser bem claro. E temos, de certa forma, algumas infiltrações de movimentos de esquerda que querem levar o movimento, que nem amadureceu nessas questões de teatro, e detonam, desagregam. Portanto, é um momento meio complicado.

 

CC: É um momento difícil para os movimentos em geral, não é?

 

Zernesto: É, mas o teatro tem uma coisa, que a gente se pergunta há muito tempo e não sei se conseguimos responder ainda, que é essa maturação, até onde o cidadão comum sente falta do teatro. O quanto ele está acostumado a isso e o que as nossas brigas dizem para a população. Porque é só pensar em uma greve de bancários, ou de qualquer elo produtivo mais evidente dentro do sistema...

 

Mas o teatro tem um trabalho extra, que a gente vai ter de carregar a vida inteira: o do convencimento. Então, se você está dividido na base, esse convencimento fica mais complicado pro cidadão. Se nos temas já estabelecidos, vide a campanha eleitoral, cada um conta a mesma história do seu jeito, e já é uma bagunça, que dirá de um tema que não tem sido vital para a formação do cidadão no Brasil.

 

Pedro: E por essa carência de movimentos da sociedade civil, a tentativa de se apropriar do movimento de teatro é fazer com que seja um movimento de massa. E não é, pois ainda é rachado, dividido, de pessoas que estão ali por outro motivo. E tentar mudar esse rumo só divide.

 

CC: Dentro do processo de mudanças que vocês viveram, imagino que isso teve muito a ver com a falta de uma política cultural no Brasil. Muitas pessoas devem ter saído porque precisavam viver a vida de outra forma, do ponto de vista financeiro. Qual leitura vocês fazem do processo desde a Lei Rouanet, Lei de Fomento, conferências? Que avanços houve e o que vocês propõem?

 

Pedro: A partir da lei de fomento a gente não conseguiu avançar na implementação de outras políticas públicas. Esse é um dos problemas. Tanto no fundo estadual de arte e cultura que... aquele lá, o secretário que virou suco, esqueci o nome dele...

 

Zernesto: João Batista...

 

Pedro: João Batista (de Andrade, secretário estadual de Cultura na gestão de Geraldo Alckmin - PSDB). Engavetou e lançou um projetinho de edital vagabundo que tem um recurso mínimo de R$ 70 milhões para todas as artes. O que a gente percebe é que a política pública é muito mais no sentido de uma assistência social, para neutralizar possíveis pontos de tensão social, do que uma política que tenha recursos suficientes e voltada aos fazedores de arte, aquelas pessoas que vão agir criticamente, fazer pesquisa estética, trabalhar a formação do cidadão.

 

CC: Fora a gestão mercadológica.

 

Pedro: Na questão global, a gente tem um diagnóstico que o "Arte contra a Barbárie" já fez lá atrás: a Lei Rouanet foi uma privatização de recursos públicos pura e simples, que vão para as grandes empresas, que agem segundo as suas necessidades de marketing, descaradamente. Elas não pensam na arte, mas em "como a minha imagem vai ser melhor perante a sociedade e como eu vou vender mais o meu produto". E a gente já viu lá atrás que não temos acesso (aos recursos para grupos pequenos e independentes). A não ser que a gente se venda a esse modelo - que não é crítico e, se começar a sê-lo, vai acontecer o mesmo que ocorreu com a Maria Rita Kehl (demitida do Estadão por um artigo que criticava os preconceitos da elite em relação ao voto nordestino), você não tem mais verba.

 

Desta maneira, a gente não aprovou o Fundo Estadual de Arte e Cultura, e o governo Lula foi de certa forma uma grande decepção, porque até agora eles não conseguiram. O primeiro ministro da Cultura (Gilberto Gil) é casado com uma mulher que movimenta muito recurso através da lei Rouanet, então não mexeu nisso no primeiro governo Lula. O Juca Ferreira (atual ministro da pasta) começou a querer mexer, mas bateu de frente com os donos do capital: Rede Globo e mais cinco, seis, Itaú, Bradesco, que são os grandes beneficiários da Lei Rouanet, fora as estatais, que também agem de acordo com o marketing, como a Petrobrás etc.

 

Assim, até a invasão da Funarte aconteceu no ano passado por conta disso, porque a gente mandou uma carta pro Juca e pro Lula falando "pô, oito anos, o que vocês fizeram?". E a gente vê, conversando com os parlamentares, que eles realmente não têm força, porque o nosso parlamento foi muito fragilizado nos últimos anos. Portanto, em qualquer nível de parlamento, é por decreto que se legisla no Brasil.

 

CC: E tem os lobbies parlamentares.

 

Pedro: É, que também estão ligados à oligarquia. Por isso, agora a gente votou na Dilma, porque a perspectiva Serra era terrível, o que eles fazem em São Paulo a gente não quer porque é terra arrasada.

 

CC: E que avaliação vocês fazem da conferência de cultura? Avançou ou ficou, como a Conferência de Comunicação, num lindo caderno de resoluções não implementadas?

 

Fernanda: Eu participei de uma conferência estadual. Você se sente totalmente logrado. Você vai lá, trabalha, levanta as propostas, concretas, discute de uma forma super democrática, o que também é complicado com realidades tão diferentes, imagine no Brasil...

 

Depois de tudo aquilo que a gente falou, cadê? Faz oito meses. A gente vai lá e pergunta ao senhor André Sturm (coordenador da unidade de fomento e difusão da produção cultural da Secretaria de Estado de Cultura) e ouvimos "ah, veja bem...". É uma mentira, profundamente decepcionante.

 

Pedro: E, voltando à Lei de Fomento, esse é o grande trunfo. É uma lei. Ou a gente tem uma lei que tem de ser cumprida ou cada governo que chegar vai fazer do seu jeito.

 

CC: E como está hoje o processo de mobilização em relação às dificuldades? Uma peça como a de vocês, de teor mais crítico, é de se imaginar que tenha dificuldades até para conseguir o financiamento legal.

 

Zernesto: Eles nem chegam na questão do teor mais crítico. O Calil poderia invocar a paternidade da criança da Lei de Fomento e dizer: "olha o que nós estamos fazendo". Porque ela é modelo para o Brasil inteiro. Todo mundo que vai batalhar nos outros estados está usando a lei daqui como modelo. Ela precisa ser aprimorada, mas como está hoje já é um modelo.

 

CC: E o movimento?

 

Pedro: Há uma mobilização permanente, que agora juntou também o pessoal da dança e do VAI (programa Valorização de Iniciativas Culturais, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo), tem o vereador José Américo, que como autor da lei da dança está mobilizando os outros parlamentares. E está sendo tentada a reversão desse quadro pela via da mobilização, que ocorre toda quarta-feira na Câmara Municipal de São Paulo. E o Calil vai ser obrigado a comparecer lá e dar explicações.

 

Fernanda: Existe a lei e ele lança editais e decretos que vão contra o espírito da lei. Todo ano ele faz isso.

 

Pedro: E numa visão bem "onguizadora", estão fora desses decretos as ONGs, que são outro problema grave, uma profissionalização do movimento social, que atrela ao Estado o movimento social e, então, você já não age com a liberdade que agia antes porque depende dessa verbinha, em todos os níveis. Tanto as ONGs como as OSCIPs da prefeitura, ou que trabalham com a prefeitura, como os pontos de cultura, de certa forma, são uma forma de o poder ir se apropriando dos movimentos ou das possibilidades de surgimento dos movimentos locais, dando o ‘cala a boca’.

 

Essa é uma crítica geral, mais ampla, não significa que não existam pessoas bem intencionadas, bons projetos. É o modelo. Se tivéssemos um Estado forte na cultura, com recursos e funcionários gabaritados, as iniciativas iam surgir e ser respaldadas por uma verba pública, e não o contrário, com um Estado que bota no cabresto qualquer tipo de mobilização artística ou cultural.

 

Portanto, a perspectiva não é boa porque há uma privatização de toda forma, uma pulverização. E com relação a essas conferências, no "Arte contra a Barbárie", a gente falou ‘vamos agir no município’, porque é o mais concreto. E ainda é difícil se articular, quando a gente chega nas outras conferências, que para o cidadãos e os movimentos são mais "virtuais", ou quando você junta o Brasil inteiro um dia e diz "e aí? O que é que vai resultar disso?". Nada. No máximo um vai conhecer a realidade do outro. É fácil jogar fogo nesse caldeirão, pela desmobilização social e a falta de representação.

 

Guto: De vez em quando eu também tenho a sensação de que alguns políticos que nos apoiavam, por essas épocas, somem mesmo. Assim, às vezes a gente precisa de tais apoios lá dentro, difícil de encontrar, salvo do José Américo, porque é muito do breu dele, mas com as outras pessoas é difícil.

 

Pedro: Eu não conheço o PSOL, mas a cultura não gera dividendos políticos. E a maior parte dos nossos políticos, em bom português, está cagando e andando para a cultura.

 

Zernesto: Por isso digo que eles nem chegam na questão da abordagem crítica. Mesmo porque há essas peças críticas tanto no nosso nível do teatro de grupo quanto no nível comercial.

 

CC: Mas financiar um grande grupo inserido na lógica do mercado deve ser mais fácil, até para legitimar o argumento de que 'somos democráticos', 'tem pra todo mundo'...

 

Zernesto: Talvez seja um pouquinho.

 

Pedro: E que não são grupos, são produtores. A diferença é essa. Vai pro produtor, que vai escolher o diretor ou às vezes é o próprio diretor, que vai escolher o elenco, vai remunerar e ponto. É uma empresa.

 

Zernesto: Portanto, é interesse financeiro simples, porque geralmente essas grandes produções movem um dinheiro muito maior do que a gente. Contra vinte grupos, um só desses bate fácil.

 

Pedro: Inclusive ouvimos de produtores que "ah, esse negócio da lei de fomento piorou nossa situação porque agora os grupos trabalham com muito menos dinheiro do que a gente".

 

Zernesto: "E os atores agora chegam aqui pra trabalhar comigo e não querem mais os duzentos reais que eu pagava, agora querem 350".

 

Pedro: O grupo inverte a lógica do mercado, e isso é perigoso. Porque a gente não produz mercadoria, não tem uma relação de exploração. Isso tudo é pequeno, mas os caras que estão lá antenados falam: "não, o que é isso? Vamos acabar com esse negócio de ser todo mundo igual!".

 

CC: Conta um pouco como surgiu o "Pálido Colosso" e a revisão que vocês fizeram nele.

 

Pedro: Surgiu de uma pesquisa nossa chamada "Porque a esquerda se endireita". Tudo isso está organizado já, mas o nosso processo de trabalho não é tese acadêmica. A gente tem um tema e vai escarafunchar as coisas e as necessidades que o próprio processo vai trazendo, tanto de linguagem quanto do que vai para a cena. A gente vai escrevendo o texto ao longo desse tempo. Então, começamos a investigar as nossas memórias pessoais dos últimos 50 anos, que no caso eram do Petrônio, e o que aconteceu no Brasil, pessoalmente e num nível maior, da nação.

 

Ele veio exatamente dessa fricção entre o que estava acontecendo na minha vida e o grande que estava acontecendo por fora. E, logicamente, o Petrônio era a pessoa mais velha e trazia memórias que ninguém aqui tinha. Memórias do golpe militar e de antes do golpe. Por acaso, o pai dele era primo do Prestes e chegou a ser preso, como o próprio espetáculo narra. Existe um texto do Walter Benjamim, "O narrador", que fala justamente da função do narrador; por isso ele trabalha com narrativa, que dá outra dimensão. O narrador conta o que ele viu ou ouviu, com uma propriedade muito grande, e acrescenta em quem escuta a experiência. A gente vai muito atrás dessa transmissão da experiência, que toca realmente a pessoa. E o final do espetáculo era o câncer do Petrônio, mas foi revisto - a cirurgia pela qual ele passou e a enfermeira que chegava porque ele via um cara morrer do lado e falava: "olha, essa história não é sua".

 

De certa forma, a primeira versão terminava de uma maneira mais angustiante. E quando revimos, até porque a gente estava vivendo a passagem do Petrônio e era preciso rever isso, eu acho que ganhou uma grande potência de mobilização individual ao fazermos um final mais abrangente, mais provocador no sentido positivo.

 

Zernesto: Mesmo quem não conhecia a história do Petrônio fazia a ligação: "ah, o Brasil é um paciente terminal", que até contaminou a gente. Daí pra frente, nós nos recusamos a acreditar nisso, mas o espetáculo era maior, estava ali e era assim. E agora achamos que ficou melhor.

 

Pedro: E essa revisão tem a ver com o nosso processo também, porque depois do "Pálido Colosso" a gente começou a investigar a Utopia (o projeto de pesquisa "Utopia, pra que te quero!", uma revisão dos projetos até então desenvolvidos pelo grupo e também de questionamento da ação humana diante da realidade brasileira), que deu um projeto, o "Veleidades Tropicais", barra pesada. Termina com um nó górdio pendurado e a gente falando para o público: "E aí? Vocês vão se matar? Mas para se matar precisa coragem, precisa uma causa. Não é tão simples assim". Depois, abrimos para uma outra pesquisa que a gente está fazendo agora, ‘Qui.me.ra s’, que fala: "a gente precisa avançar, olhar para outro lugar, arriscar". Não arriscar cagando regras, mas por possibilidades. E eu acho que o primeiro resultado já vem no final desse espetáculo. As pessoas que viram a primeira versão e estão vendo de novo falam: "agora termina e, não é que me mobiliza, eu levo mais coisa pra casa"; provoca. "Essa história não é sua? Vai ficar aí parado que nem um bonequinho de lama? Só com o olho assustado?".

 

Essa pequena revisão final é resultado da nossa pesquisa atual, que é "vamos olhar pra frente, sem esquecer o que aconteceu?". É até por isso que esse nosso próximo processo está entrando numa investigação que entra na literatura fantástica, dos loucos.

 

CC: Vocês já estão ensaiando?

 

Zernesto: Estamos em processo de criação. Não é um ensaio convencional, porque não existe um texto. Estamos investigando ainda um material inicial, de onde vão sair os que ficarão na cena, e que passará por uma estruturação. Os nossos textos finais ficam prontos praticamente junto com o espetáculo.

 

CC: E quando entra em temporada?

 

Zernesto: A previsão é que entre em maio.

 

Luciana Araujo é jornalista.

 

Recomendar
Última atualização em Terça, 16 de Novembro de 2010
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates