Depois das eleições

0
0
0
s2sdefault

Este artigo a ser publicado nos jornais, a partir de três de novembro, foi mandado para alguns dos veículos de comunicação na semana anterior, conforme critério combinado com os editores de Opinião.

 

No dia em que este texto foi produzido, as pesquisas previam a vitória de um dos postulantes à presidência. Contudo, só a apuração dos votos é que definiria quem realmente obteve a preferência do eleitorado. Se as pesquisas fossem infalíveis, poderiam substituir a boca da urna, com economia de tempo e dinheiro.

 

Como se portar o articulista em face desta situação? Como escrever o artigo, se não é profeta? Talvez a solução fosse cuidar das generalidades, abordar pontos apropriados independentemente do resultado eleitoral.

 

Foi o que tentei fazer, como o leitor verificará no correr do escrito.

A primeira coisa a dizer, rigorosamente certa, é isto: o povo brasileiro foi vitorioso quando exerceu o direito de eleger o presidente da República. Esta franquia não foi dada ou concedida por quem quer que seja, foi conquistada pela opinião pública ao exigir "diretas já" e consolidada com as sucessivas eleições presidenciais.

 

A segunda palavra, também oportuna: a Democracia não se concretiza pelo exercício do voto apenas. Democracia é muito mais do que isso. É educação de boa qualidade, condições de saúde, habitação decente, segurança, vida digna para todos os brasileiros.

Os dois candidatos prometeram satisfazer essas aspirações. É direito do povo cobrar de quem venceu o rigoroso cumprimento das promessas.

 

A terceira palavra propõe o alargamento de um tópico referido no parágrafo anterior: habitação decente. Quem foi expulso dos espaços de razoável conforto, nas cidades, para as periferias? Quem foi condenado a conviver com o lixo? São pessoas sem nome e sem face, marginalizadas, não obstante detentoras da mesma substância espiritual que nos irmana. Esta situação tem de ser mudada. O governo federal, em aliança com governos estaduais e municipais, tem de assegurar morada sadia e confortável, ainda que simples, para todas as pessoas, para todas as famílias deste país.

 

A quarta palavra é uma reflexão para todos nós, eleitores. Nosso dever cidadão não se esgotou no ato de votar. É necessária a mobilização popular para fazer um balanço geral do nosso modelo democrático. Há vícios profundos, alguns deles históricos. Como prevenir e coibir a corrupção, por exemplo? Não será razoável exigir que os tribunais de contas sejam mais ativos? Se esses tribunais fossem vigilantes, onipresentes, não seria mais difícil a prática da corrupção?

Corrupção sempre houve, disso não se tenha dúvida. Nos períodos ditatoriais houve igualmente corrupção, apenas não era denunciada por falta de liberdade de imprensa. Entretanto, o fato de ser a corrupção um pecado ancestral não deve conduzir a uma atitude de conformidade ou de condescendência. Corrupção é inaceitável, tem de ser extirpada da vida nacional.

 

A quinta palavra que proponho como provocação é a de discutir a estrutura partidária. Partido tem de ter programa, compromissos. A existência de partidos tem de representar um leque de escolhas para o eleitorado. Do jeito que está atualmente, o sistema de partidos não cumpre sua finalidade. Não se trata de abolir os partidos, mas de chamá-los à ordem, um puxão de orelhas, destes que fazem acordar.

 

Nossa sexta palavra quer acenar para o tema "discriminações contra a mulher". Independentemente de ganhar o candidato homem, ou a candidata mulher, há muito para ser feito a fim de eliminar da vida brasileira as discriminações que relegam a mulher a um plano secundário dentro da sociedade. A luta pelo respeito à mulher, pela dignificação da mulher, não é uma luta isolada do tradicionalmente chamado sexo frágil. Todos os seres – homens e mulheres – têm alguém a quem chamam de Mãe. Basta isso – todos nascerem de uma mulher – para que os "direitos da mulher" sejam direitos que convoquem todas as pessoas para uma vigilância contínua.

 

Nenhuma das empreitadas propostas neste texto alcançará efetivação através da luta individual. Só a luta coletiva permite obter avanços.

 

Há situações concretas onde o cidadão tem de travar uma luta individual para conquistar seus direitos. Esta peleja solitária, que o cotidiano da vida exige, é penosa, longa e a possibilidade de chegar a bom termo é sempre menor. Porém, se uma situação específica convoca a luta individual, não devemos recuar diante dos obstáculos.

 

Sempre que for possível, entretanto, devemos recorrer à luta coletiva. Para a luta coletiva a sociedade tem de aprender a organizar-se. Os pleitos confusos, atrapalhados, sem método, podem ser perdidos e aí geram desânimo.

 

Celebremos as eleições presidenciais, merecem palmas e louvores, mas estejamos certos de que há veredas a percorrer. Que a realização deste certame eleitoral nacional seja convite para as rotas a serem ainda trilhadas.

 

João Baptista Herkenhoff é professor pesquisador da Faculdade Estácio de Sá de Vila Velha (ES), magistrado aposentado, palestrante e escritor. Autor de Dilemas de um juiz – a aventura obrigatória. Editora GZ, Rio de Janeiro, 2009.

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Homepage: http://www.jbherkenhoff.com.br/

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 \'\' democracia\'\'claudio campos 08-11-2010 21:08
a saida e´acordar os municipios; corrupção,inicio como vereador comprado corrupto financiado pelo crime organizado passa a prefeito,...dep. federal ai enche BRASILIA de corruptos e como corrupto federal tá dificil de pegar uma cadeia; ..falando de partido será que existe isso no BRASIL e´candidato pulando de um lado para o outro em todos os niveis municipal,estadual, federal,se fazer uma pesquisa; quem leu o programa do partido em que está escrito vamos descobrir que muita gente nem sabe o que isso,a bem da verdade efetivamente partidos não existem... e quanto a mulher no mais alto cargo do país esse cargo para o bem da nação tem ser ocupado por quem tem competencia moral,ética,cultural e experiencia politica;independente do sexo e isso de a primeira mulher eleita entendo que não estamos numa corrida desputada entre sexos opostos e essa afirmações é de pessoas sem o minimo de senso critico... visto que a mulher é politicamente forte .E quanto a democracia se não for participativa lá nos recantos do mais pequenos municipios os seus moradores fiscalizarem ,pressionarem vereadores e prefeitos eleitos acordarem para o exercio da cidadania, vamos ter nos municipios verdadeiros feudos mafiosos dominados por quadrilhas de colarinhos branco ,esses municipios formando um \'\' estado mafioso\'\' e não um ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO..
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados