topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Atual momento eleitoral retrata Derrota Histórica do Mundo do Trabalho Imprimir E-mail
Escrito por Mário Maestri   
Sábado, 23 de Outubro de 2010
Recomendar

 

Dilma não é Serra, que não é FHC. No frigir dos ovos, sequer o Fernando Henrique de hoje é o mesmo que governou em 1995-2002. Eles são, todos, diversos, mesmo sendo um a cara do outro, política e socialmente. E se não acreditam, dêem uma olhada nas taxas de juro praticadas pelo Banco Central nesses últimos dezesseis anos, a mais efetiva materialização da principal forma de exploração dos povos e nações nesta fase de domínio pleno de ordem capitalista em senilidade avançada.

 

O primeiro turno eleitoral, em 3 de outubro, registrou derrota fragorosa e histórica do mundo do trabalho diante do grande capital. É simples expressão patética desse raquitismo social estrutural o esforço empreendido, nesse segundo turno, para transformar Dilma da Silva, com ou sem reticências, com ou sem pedidos de desculpas, na expressão de um Brasil popular, democrático, republicano, social, que o lulismo e o petismo ajudaram a estrangular nos últimos anos.

 

O um por cento da votação geral obtido pelos candidatos à presidência do PSOL, PSTU, PCB e PCO não registra a "infelizmente" "votação baixa" "das candidaturas identificadas com os partidos de esquerda", como propõe recente manifesto puxado pela direção do MST. Ao contrário, constitui o dramático e incontestável registro da defecção política da população com os partidos e o programa que defendem, bem ou mal, hábil ou inabilmente, as bandeiras da democracia, do laicismo, da república, do socialismo. Ou seja, delimita o desconhecimento geral das únicas e efetivas saídas para a crise histórica e atual de nossa sociedade em ininterrupto agravamento.

 

E não devemos culpar a grande mídia pela rejeição da população do programa do mundo do trabalho e sua adesão a candidaturas e propostas apoiadas em facções diversas do capital. Repetiremos assim a triste desculpa do capitão do time goleado: "– Nós jogamos ótimo! Eles jogaram melhor!". É da natureza da mídia burguesa sufocar seus inimigos viscerais: o trabalhador organizado e sua luta pela autonomia. O próprio silêncio da grande mídia não impediu, por exemplo, que alguns candidatos ao parlamento pelo PSOL obtivessem altas votações, circunscrevendo em forma inarredável a defecção da população com as políticas estratégicas psolistas.

 

A votação mais do que pífia dos partidos ancorados no trabalho e no socialismo deveu-se certamente a grave erro conjuntural – a liquidação da unidade dos partidos de esquerda, em favor dos respectivos aparatos, segundo parece. E se houve razões mais profundas para tal divisão, a população jamais foi informada sobre elas. Porém, uma Frente de Esquerda mitigaria, mas não superaria, escore eleitoral que expressou situação estrutural do movimento social, consolidada muito antes das eleições.

 

Sem o indiscutível carisma e capacidade de comunicação de Plínio Sampaio, um PSOL capitaneado por Heloísa Helena talvez obtivesse igual votação, mas jamais a mesma repercussão. A derrota da ex-senadora em seu estado natal registra o já sabido – enorme parte de sua alta seara eleitoral em 2006 não foi colhida nas terras magnânimas das classes populares, mas nos terrenos inférteis de segmentos médios comumente conservadores. Consequentemente, jamais rebrotaram ou frutificaram. Com Marina Silva desempenhando, com o apoio do capital, a função de ponte para um segundo turno, a ex-senadora assistiria seu antigo escore eleitoral dissolver-se como sorvete sob o sol abrasador do sertão.

 

Não podemos também responsabilizar Lula da Silva e o petismo pela enorme despolitização e desorganização do movimento social, em boa parte devida à gigantesca cooptação e integração ao Estado, em forma direta ou indireta, de direções sindicais e populares urbanas e rurais, do movimento negro organizado etc. O atrelamento de organismos e lideranças sociais na procura da liquidação da autonomia política, orgânica e ideológica do mundo do trabalho era condição exigida, pela burguesia, para a entrega do governo a Lula da Silva e ao petismo. A própria votação insignificante dos partidos socialistas e classistas qualifica e fortalece a candidatura de Dilma diante do capital. Lula da Silva, Dilma e o petismo mostraram-se negociantes honestos e confiáveis. Entregaram, fresco, como prometido, o peixe que venderam, ainda sendo pescado.

 

Entretanto, a ação deletéria do lulismo e do petismo sobre um mundo do trabalho historicamente frágil e débil talvez tenha sido tão competente que não poucos segmentos do capital acreditam já desnecessários seus serviços. Não deixa de ser uma ironia que a despolitização e desorganização da população, organizada pelo petismo e sindicalismo colaboracionistas, fertilizaram a adesão multitudinária ao integralismo evangélico. Cooptação política, social, ideológica e econômica profundamente conservadora, através de organização popular horizontal e de proximidade rejeitada pelo petismo quando de sua metamorfose social-liberal, para melhor manter a desmobilização.

 

O grande tropeço dos partidos da esquerda que se definem como anti-capitalistas – PSOL, PCB, PSTU, PCO – foi indiscutivelmente a não convergência em frente que apontasse para além das eleições, na procura da aglutinação e extensão das vanguardas políticas e sociais, para melhor enfrentarem os dramáticos embates com que a população já se confronta e se confrontará nos próximos tempos, seja qual seja o vencedor do segundo turno. Movimento unitário que impediria ou minoraria que essas organizações saíssem do pleito, como saíram, todas, maltratadas e fragilizadas, mesmo quando aumentaram eventualmente a representação parlamentar, como no caso do PSOL.

 

O nível dramático da crise de autonomia do mundo do trabalho no Brasil ficou registrado na submissão subjetiva das direções de suas já frágeis organizações. Elas abandonaram incontinenti as posições autonômicas defendidas para aderirem ao setor considerado mais democrático e mais progressista do capital, que acabavam de denunciar no primeiro turno. Cambalhota que registra, no melhor dos casos, as ilusões e dependências político-ideológicas à burguesia e, no pior, acomodação oportunista à estrepitosa votação do lulismo-petismo. Paradoxalmente, essa posição referenda as ilusões dos trabalhadores e da população que optaram pelo voto útil, em Dilma do Lula e no petismo, já no primeiro turno. Se é pra pedir pra deus, pra que rogar pro santo!

 

A quase totalidade da direção do PSOL abraçou-se com o petismo, deixando no isolamento dos justos seu candidato à presidência e a pequena minoria que manteve seus compromissos com este último e com os princípios que sempre defendeu. Não sabemos qual a dimensão da resistência no PCB, caso tenha ocorrido, a uma decisão que enterrou, no mínimo por um muito longo tempo, qualquer credibilidade à sua proposta de "reconstrução revolucionária". A conclamação automática do PSTU ao voto nulo perde sentido devido à votação liliputiana de Zé Maria, em contradição direta com a tradicional auto-proclamação como vanguarda revolucionária dessa organização, já com trinta anos de história.

 

O mundo se encontra em fase perigosamente declinante. O pouco que resta da ordem socialista engolfa-se, em ritmo diverso, que tende a se unificar, nas últimas fases de movimento da restauração capitalista: China, Cuba, Vietnã etc. O inevitável domínio da barbárie social, apontada como ogro medonho, a espantar a humanidade no seu horizonte histórico, na antevisão genial de Rosa Luxemburgo, no caso da vitória do capital, aboleta-se já despachado em nossa sala de visita. A luta por reorganização socialista do mundo, denunciada ontem como miragem utópica, apresenta-se hoje como solução necessária e imprescindível para talvez a própria sobrevivência da humanidade.

 

A solução-superação de uma ordem capitalista globalizada, crescentemente senil e autofágica, se dará, caso se dê, através de processo necessariamente internacional. Os recuos e avanços, através do mundo, das lutas sociais, debilitam ou fortalecem os trabalhadores e seu projeto histórico como um todo. Na Europa, sobretudo na Grécia, na Itália e na França, os trabalhadores levantam-se em respostas duríssimas à ofensiva geral contra as populações, delimitando, nas ruas, a oposição irredutível, entre trabalho e capital, em todas as esferas sociais. A solução positiva dessas jornadas exige a difícil construção de direções e de programas que apontem e organizem, sem concessões de qualquer tipo, a transformação de batalhas ainda defensivas em assaltos às casamatas e quartéis-generais da ordem capitalista.

 

O Brasil desempenha papel determinante no confronto mundial entre capital e trabalho. O domínio do conservadorismo e do oportunismo no nosso país-continente pesa duramente sobre a América do Sul, em especial, e o mundo, em geral. É de urgência atroz a reagrupação, centralização e intervenção dos núcleos da vanguarda política e social que se buscam a defesa da autonomia do trabalho diante de todas e quaisquer expressões do capital. Reagrupação que, separando o joio e o trigo, facilite a difícil e complexa construção de programa que expresse as necessidades quotidianas e gerais da sociedade. Definição que exige integração organizada e crítica às lutas sociais, ainda que pontuais, ancorada no esforço e na necessidade mundial dos trabalhadores. Um movimento necessariamente estranho ao cretinismo parlamentar, ao propagandismo retórico, ao sindicalismo corporativista, ao autismo e ao dogmatismo partidário.

 

Mário Maestri, sul-rio-grandense, é historiador. E-mail: maestri(0)via-rs.net

 

Recomendar
Última atualização em Quarta, 27 de Outubro de 2010
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates