topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Serra e o saneamento Imprimir E-mail
Escrito por Roberto Malvezzi (Gogó)   
Segunda, 18 de Outubro de 2010
Recomendar

 

É praticamente impossível fazer uma reflexão mais de fundo nesse momento da campanha eleitoral, onde o jogo do poder prevalece sobre a ética e a verdade. Porém, é impossível também não comentar as declarações de Serra sobre o saneamento.

 

Ele tem afirmado que desenvolverá o saneamento no Brasil, alegando que o governo atual pouco fez nesse sentido. Então, é preciso restabelecer um mínimo de verdade nessa questão.

 

Em 2004, eu estava na equipe da CNBB que elaborou o texto base da Campanha da Fraternidade, "Água, fonte de vida". Evidentemente, tínhamos que nos deparar com a questão do saneamento no Brasil. Então, pesquisando o governo FHC, ficamos sabendo que o Brasil, por força de um acordo com o Banco Mundial e FMI, tinha sido proibido de investir em saneamento por quase uma década. O argumento dos organismos multilaterais era que "não são investimentos, mas despesas". Para equilibrar as contas, então, não se podia investir no saneamento.

 

Dessa forma, os serviços ficaram ainda mais precarizados, mas era a lógica de "precarizar para privatizar". Foi feita uma tentativa monumental da era FHC para privatizar os serviços de água no Brasil. Houve resistência popular, dos sindicatos, de parlamentares vinculados à questão social. As privatizações desse setor, àquela época, pouco avançaram.

 

Quando estávamos para concluir o texto base, D. Odilo Scherer, então secretário na CNBB, me delegou, juntamente com o Pe. Carlos Tóffoli, para um encontro com o Olívio Dutra, então ministro do Ministério das Cidades. Foi ele que nos apresentou o Marco Regulatório do Saneamento Ambiental para o Brasil. O país precisaria de cerca de 180 bilhões de reais para ser saneado, um investimento médio de oito bilhões ao ano durante vinte anos.

 

O conceito de "saneamento ambiental" inclui cinco princípios básicos: abastecimento de água para uso doméstico, coleta e tratamento de esgoto, drenagem das águas pluviais, manejo dos resíduos sólidos, controle de vetores transmissores de doenças. 

 

Esse Marco Regulatório do Saneamento foi finalmente aprovado, embora ainda persistam pontos divergentes no Congresso. Na contradição do PAC, o governo atual começou a operacionalizar efetivamente o saneamento, embora de forma tantas vezes criticável, como acontece aqui no vale do São Francisco.

 

Uma questão básica como essa não pode estar à mercê do jogo bruto da conquista do poder. Nossa população mais pobre precisa de um verdadeiro saneamento ambiental, hoje reconhecido pela ONU também como direito fundamental do ser humano.

 

A conquista do saneamento deveria ser um pacto nacional, para além de todo e qualquer partido.

 

Roberto Malvezzi (Gogó), ex-coordenador da CPT, é agente pastoral.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates