O SUS e eu

0
0
0
s2sdefault

 

Todos sabemos que o sistema de saúde do Brasil está longe da perfeição. O que explica cerca de 40 milhões de inscritos em planos privados de saúde. Esses privilegiados preferem pagar mensalmente pela atenção médica, convencidos de que ao dela necessitarem os cuidados recebidos farão jus ao dinheiro despendido.

 

Ora, na prática a teoria é outra. Quase nunca o cliente lê as miúdas letrinhas dos contratos e quase sempre se sente lesado ao passar de cliente a paciente. Há sempre um senão... um tipo de exame não incluído, uma certa qualidade de internação não prevista, uma cirurgia a ser paga "por fora" etc. Os Procons estão repletos de queixas desse tipo.

 

Também sou privilegiado. Pago todo mês mais de um salário mínimo para me manter sob os eventuais cuidados de um dos mais conhecidos planos de saúde do Brasil.

 

Ocorre que mal-estar e acidentes não mandam aviso prévio. Nem escolhem dia da semana. No domingo, 3 de outubro, pouco depois das oito da manhã, a caminho de minha seção eleitoral, senti forte dor no lado esquerdo do peito, como nunca me havia passado. A impressão era de que tinha levado um soco no tórax. Continuei o percurso do convento à PUC-SP, uma distância de duzentos metros, desconfiado de ter sido acometido de um infarto. Não senti tontura, apenas a dor que se irradiava pelo lado avesso do peito.

 

Subi com dificuldade a rampa da PUC e quase me sentei para recuperar o fôlego. Teimoso, prossegui rumo ao meu dever cívico (sinto-me honrado em votar e serei a favor do voto facultativo no dia em que for também facultativo pagar impostos).

 

Ao me apresentar na seção eleitoral, a dor persistia. Não consegui me debruçar sobre a mesa para assinar o termo de comparecimento. Precisei erguer o papel. Pensei ao entrar na cabine: "Morro, mas com meu dever de cidadão cumprido".

 

Eis que, na saída, me bateu forte ardor cívico. "Votei em prol da melhoria deste país. Tenho direito, como cidadão, a atendimento médico pelo SUS. Por que não recorrer a ele no dia da eleição?".

 

Devido às minhas relações de amizade, poderia ter buscado um atendimento privado. Ou internação em hospital conveniado com o meu plano de saúde. Anos atrás, ao apresentar o doutor Adib Jatene a Fidel Castro, num evento científico em Havana, o destacado cardiologista me disse à guisa de agradecimento: "Se um dia precisar de meus serviços médicos, estarei à disposição." Respondi-lhe: "Agradeço, doutor, mas queira Deus que eu nunca me sinta obrigado a recorrer a eles".

 

Tomei um táxi à porta da PUC e mandei tocar para o Hospital das Clínicas. Na recepção do Pronto Socorro, informei a uma funcionária que necessitava de atendimento. Talvez estivesse com um princípio de infarto.

 

Fui encaminhado à enfermeira Adriana, que me tirou a pressão: 14x8. Fez a minha ficha e mandou me apresentar a um funcionário que me pediu números de identidade, CEP e telefone. Não consegui lembrar de nenhum deles, embora a dor já se mostrasse menos agressiva. É que andava com a mente e o coração em ação de graças pela vida que me foi dada viver. Talvez tivesse chegado a minha hora. Um pouco mais cedo do que eu esperava. Mas quem é capaz de prever dia e hora da própria morte? Não diz Jesus que ela virá como o ladrão...

 

Tranqüilizou-me não temê-la. Não tanto pela fé que me anima, e sim pelo sentido que imprimo à minha vida.

 

Da burocracia fui remetido a uma sala de espera, onde deixei a ficha sobre um balcão. Havia ali outras pessoas à espera de atendimento. Quinze minutos depois a ficha foi recolhida e, em menos de dez minutos, fui chamado a um consultório. A doutora Seila tirou-me a pressão, agora 13x8, e me encaminhou à doutora Beatriz A. Martins, diplomada ano passado.

 

Enquanto me movo de um lado a outro no Pronto Socorro, vejo o "circo dos horrores": macas espalhadas pelos corredores; policiais trazendo vítimas de facadas, tiros e atropelamentos; mulheres grávidas preocupadas com o parto precoce; gritarias; e sangue, muito sangue. Mas havia em tudo aquilo uma lógica: todos que necessitavam de atendimento de emergência mereciam os devidos cuidados, ainda que os primeiros socorros fossem prestados nos corredores.

 

Doutora Beatriz retirou-me sangue e me fez ingerir dois comprimidos de AS. Em seguida, na sala de eletrocardiograma a enfermeira Ester me cobriu de fios. O eletro deu "normal". Freqüência cardíaca: 78 batidas por minuto. Ester me comunicou que infarto não tive (a essa altura, a dor se resumia a um ponto no fundo do coração).

 

Fui remetido de novo à dra. Beatriz, que se fazia acompanhar pelo dr. Francisco Mazon. Pediu que eu retornasse à sala de espera até o resultado do exame de sangue ficar pronto.

 

Eram 10h. Preocupava-me a ida para Curitiba, convidado a participar, na tarde do mesmo dia, de debate na Bienal do Livro do Paraná. Meu vôo sairia às 14h. Esperei até as 12h. Retornei à dra. Beatriz para avisar que iria embora. Ela me advertiu que deveria aguardar mais 40 minutos. Insisti que não podia esperar. Ela disse enfática: "Não podemos lhe dar alta. Se o senhor se for, será caracterizado como evasão hospitalar. E corre o risco de morrer em pleno vôo".

 

Em nome de meu oficio de escritor, optei pelo risco de morte e cometi o delito da evasão. Cheguei a tempo no aeroporto.

 

Ninguém no Hospital das Clínicas me identificou pelo nome que sou conhecido. Fui tratado como qualquer outro cidadão. E concluí que, ao menos ali, o SUS funciona. E muito bem. Eu é que sou um paciente impaciente...

 

Tudo indica que a dor adveio de uma contração muscular. Na véspera, indiferente à minha hérnia de disco, ajudei a arrastar uma mala com 70kg de livros. Fiz um esforço superior às minhas forças. Menos de vinte e quatro horas depois o organismo emitiu o seu protesto...

 

Frei Betto é escritor, autor, em parceria com Leonardo Boff, de "Mística e Espiritualidade", que a editora Vozes faz chegar esta semana às livrarias.

Site: http://www.freibetto.org/

Ttwitter: @freibetto

 

Copyright 2010 – FREI BETTO – Não é permitida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor. Assine todos os artigos do escritor e os receberá diretamente em seu e-mail. Contato – MHPAL – Agência Literária (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.).

 

{moscomment}

Comentários   

0 #9 Clésio Damasceno 14-10-2010 15:32
Sr. Renê, tenho uma pessoa na família que faz tratamento na rede pública há vários anos. Dentre as várias cirurgias pelas quais passou, uma delas chegou a ser feita por um dos maiores médicos do país; é também acompanhada por professores/pesquisadores que figuram entre os mais requisitados para responderem por suas áreas. Isso num hospital público. Mas por se tratar de uma enfermidade raríssima e esta pessoa ser uma notária sobrevivente diante de uma gravidade, nela investe-se o que há de mais avançado na área. Em outras palavras, é uma "cobaia", por sorte. Graças a Deus! Não é de hoje que o Brasil conta com uma medicina de ponta, e como o caso desta pessoa que narrei há muitos e muitos, e posso afirmar que durante outros governos isso sempre existiu, inclusive o problema desta pessoa foi diagnosticado em meados dos anos setenta. Agora, ser moradora de um grande centro como São Paulo ajudou um bocado, por que se fosse no Vale do Jequitinhonha, onde estive em dezembro último, isso teria sido impossível, mesmo nos dias de hoje. Nesses lugares as pessoas sobrevivem da reza e ou curanderismo, a única salvaguarda medicinal é dedicada a acidentes com animais peçonhentos. E só, de resto é a ocupação do posto por uma obrigatoriedade ao município... uma dipirona aqui, uma atadura acolá... e não existe SAMU, pedem carona na estrada, como cheguei a dar a um rapaz que caiu em montaria. Não raro se vê gente amputada por falta de tratamento em pequenas infecções. A vida no campo para os mais idosos é um eterno lamento à saúde. Os convênios (menos caros) estão igualmente imprestáveis, não bastasse a seguridade pública ter sido forçosamente privatizada para a classe média; e não há lei de consumidor, campanha de governo ou justiça que os faça retroceder, as vezes um ponto, nunca sem um nó. Falar sobre os atendimentos dos quais presenciei na rede pública (em metrópoles ou mesmo em centros turísticos), acompanhando pessoas próximas, é perda de tempo, pois não há o que elogiar, de modo geral, no sistema... Se existe alguma coisa não é mais do que a obrigação de um governo... A saúde no Brasil se arrasta e falar bem do sistema é discurso completamente falido, sequer as campanhas de prevenção são sérias e minimamente eficases, a não ser para uma classe que ao menos já sabe LER E ESCREVER (porque até mesmo por isso o atendimento é condicionado), mas aí já é um outro assunto...
Citar
0 #8 RENÊ 13-10-2010 13:53
Caro Clesio: Não estou com brincadeira. O fato ocorreu. As vezes penso que só sabemos criticar. Falta humildade para elogiar. No texto em questão não esta escrito isso, mas é o que entendi. Isso não quer dizer que tudo esteja sob controle e funcionando
perfeitamente.
Citar
0 #7 Clésio Damasceno 13-10-2010 13:10
o sistema de resgate SAMU, funciona bem. Já de todo resto, o Sr. Renê deve estar com alguma brincadeira, ironia talvez...
Citar
0 #6 RENÊ 12-10-2010 16:54
Com a proposta de sentir na própria pele o que vem a ser dependente do SUS, mesmo sendo duramente censurado pela minha esposa e pelos meus filhos, cancelei o convênio médico que tinha. Um dia tive um problema e ai fui para um hospital público. Num periodo de 3 horas e meia passei por 2 médicos e fiz 3 exames laboratoriais. Sai com uma pré-diagnóstico e com retôrno marcado para 10 dias após. No dia e hora marcada (meia hora antes) lá estava eu. E para a surpresa de muitos que apostavam que eu iria passar horas na espera, fui atendido - e muito bem por sinal - com apenas 7 minutos de atraso. Será que isso aconteceria caso fosse com o convênio?
Citar
0 #5 CapengaPaulo Renan Finholdt 11-10-2010 12:51
Não sou facultativo, e, ainda que fosse, à distância seria impossível. Mas palpite posso dar: votar, com carradas mais carradas de postulantes bem intencionados, elegendo um só em detrimento do restante, eis o motivo do bom cristão sentir o coração apertado. Não foi desta vez, nem por esse motivo; contudo todos nós temos a nossa hora e sendo com o mínimo de dor - aí o medo e covardia maior - é o que pedimos a Deus, mesmo sabedor de não ter mérito para tanto. Mas pedimos...
Citar
0 #4 O Sus E Euvaleria mauricio 10-10-2010 14:56
Frei Beto
Fico feliz de o Sr. estar bem de saúde.
Parabenizo a sua decisão de ser tratado
pelo SUS,já que tinha Plano De Saúde.
Apesar das más línguas,existem bons proficionais no sistema público de saúde.O problema é que há falta de verba e tambem uma boa administração,
que impede as pessoas em caso grave,serem medicadas por falta de remédios ou serem internadas adequadamente em um quarto limpo e com cuidados médicos convenientes.
Citar
0 #3 Frei Betojose allmeida freire 09-10-2010 22:42
É Frei,esse povo talvez não sentiu a mesma dor o que você,por iro na elegeram um palhaço deputado com mais de um milhão de votos,e olha que não vão sustentar esse direito legitmo queo elegeu...não é facil essa "dor"eu sei tanto qaunto o senhor,que os que votam no outro candidato,não tem a menor idéia do que estão fazendo...lembra daqueka frase:Senhor perdoai,pois eles não sabemo que fazem...podes er que eu exagerie...mas é isso.
Citar
0 #2 O tempo e o ventoEzio José 09-10-2010 21:06
Com o tempo a gente aprende que isto é o vento.
Tive por várias vezes sintoma semelhante senão igual, não no cenário, mas na dor e região do corpo. Até por algumas vezes os pés adormeceram. Pensei que a hora havia chegado e o Trem já estava apitando na última curva ao sons de trombeta de Querubins. Minha mãe, uma nrdestina porreta da Bahia, me consolou: "Oh! Fi! Preocupe não!... Isto é peido. Peido que você prendeu. Dê, ogênte, o alvará pro tadinho. Vá pra cama e deite de bruço." Tiro e queda. Dai à pouco me sentia numa festa junina e o mau passava. Lá estava eu inteirinho e são. Depois me esninaram um medicamento, não me lembro agora, e passaei a automedicar. Nunca mais tive esse problema, só quando como muita banana para prevenir cãombra.
Citar
0 #1 1º MundoJeferson Mantovanni 09-10-2010 13:53
Quanto romantismo há em morrer por falta de atendimento dentro de um hospital público. A diferença dos tempos de FHC para era Lula é de que neste último morre-se com a certeza de estar participando de uma revolução, a dos farrapos. Também precisei outro dia utilizar o \"sistema único - e personalisado - de saúde\", e tive também melhora antes mesmo de ser atendido... Uma coisa que notei que funciona com certa competência é a segurança \"oferecida\"; vigias por todo lado... Seria talvez para controlar também algum cidadão ensandecido com o bom atendimento, e que pudesse desencadear um levante generalizado dentro dessas unidades? O povo brasileiro é realmente o mais dócil do mundo! Frei Betto, da próxima vez - e Deus queira que nunca precise -, recorra, na dificuldade de encontrar o Dr. Jatene, a qualquer açogueiro do bairro, eles sabem bem como cuidar das pessoas...
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados