E se for o Serra?

0
0
0
s2sdefault

 

Depois de muita arrogância, a Dilma não logrou vitória no primeiro turno. Haverá, portanto, um segundo momento em que a disputa estará polarizada entre a candidata forjada pelo Lula e o candidato José Serra. Não há diferença substancial entre essas duas candidaturas. Ambas merecem toda confiança do sistema capitalista, pois a ele se propõem servir com toda presteza. Não é por acaso que a campanha da Dilma Rousseff tem sido alvo das maiores contribuições financeiras, o que faz de sua campanha a mais rica de todas.

 

Mas uma questão se coloca para todos nós que nos propomos a fazer uma reflexão, ou seja, parar para pensar. Será que na hipótese de José Serra presidente as centrais sindicais e estudantis haverão de ser desengessadas? Será que os sindicatos abandonarão o seu comportamento estritamente burocrático e governista, para ganharem as ruas em defesa dos direitos dos trabalhadores e na luta contra o sistema capitalista? Será que haveremos de sair da imobilidade política em que o governo Lula jogou todo o movimento de massa?

 

Há que pensar! De repente, uma legião imensa de militantes da esquerda convencional, formada pelo PT, PCdoB, PSB, poderá se ver na condição de desempregada, o que possibilitará tornar-se insatisfeita e, aí sim, se propor a procurar os trabalhadores, os estudantes, o povo em geral, para ganhar as praças e ruas em nome de uma cerrada oposição ao governo direitista do sr. José Serra.

 

Cabe pensar. Qual mais prejudicial à causa da libertação dos explorados e oprimidos no sistema capitalista: a direita desnudada ou a direita travestida de esquerda, conforme vem ocorrendo através do governo Lula? Não diz o povo que o pior inimigo é o falso amigo? Não dá pra perceber que, "nunca na história desse país", a burguesia gozou de tantas vantagens, privilégios e, sobretudo, tranqüilidade, uma vez que o governo Lula, a preços módicos, logrou cooptar as centrais sindicais e estudantis e uma massa de miseráveis a troco de migalhas?

 

Direita versus direita é o que teremos. Cabe escolher qual candidato é, taticamente, preferível.

 

Gilvan Rocha é presidente do Centro de Atividades e Estudos Políticos – CAEP. Blog: http://www.gilvanrocha.blogspot.com/

 

{moscomment}

Comentários   

0 #19 E se for o Serra?José Roberto Francvo Reis 14-10-2010 07:01
"Direita travestida de esquerda", "imobilidade dos movimentos de massa por culpa do Governo Lula" (cooptação dos atores e lideranças), "burguesia que nuna gozou de tantos privilégios" e tal...a ultra-esquerda não aprende, quer uma história de heróis e de voluntarismo revolucionário. Tem uma coisa que se chama realidade, condições objetivas, acúmulo de forças pra avançar. A agenda do Governo Lula e da Dilma é uma agenda pós-neoliberal, não socialista que não está colocada como possibilidade histórica nesse momento, em nenhum lugar do mundo, muito menos no Brasil (olha o resultado da eleição, os votos do Psol, do PSTU etc.)A pergunta que não quer calar é a seguinte: onde estava o movimento social dessarramado pelas políticas neoliberais do Governo FHC (aqui o inimigo era claro, não tinha cooptação dos movimentos sociais, nem esquerda travestida de direita) que não conseguiu minimanente barrar o avanço das políticas neoliberais no Brasil, resultando em avanço da precarização, do desemprego, da venda do património nacional e por aí vai? É a velha tese equivocada do quanto pior melhor. E se for o Serra? Só consigo ver retrocesso!!!!
Citar
0 #18 Inconsequentte, sim!Dulcinéa Santos Carvalho 13-10-2010 20:32
Como não sou uma estrutura fixa, mas uma "metamorfose ambulante", movida a emoções, certezas que se diluem, fé que é balançada a cada instante, senti necessidade de voltar a este espaço para contradizer-me, ou seja, contradizer a mim mesma, ao que disse no dia 07/10/2010, em que afirmei que estava numa sinuca, pois me sentia cada vez mais Gilvan e os articulistas deste Correio.
Não. Admito que existem críticas, mas o PT, o Governo Lula, foi um avanço importantíssimo. Em minha cidade também foi. É indubitável.
A propósito, enviei para o email deste Correio o chamamento de Aldir Blanc para Plínio e Marina. Para apoiarem Dilma neste segundo turno.
Não sei ainda a resposta.
Acompanho o PT aqui em Varginha há 24 anos. Não há entreguismo não. Há coantradições. Quem não as teria?! Os diletantes anarquistas ou extremistas de esquerda?!
Não companheiros, nesta hora é Dilma, não há que pensar.
Aqui em Varginha, mil vezes o PT, com todas as contradições, do que a direita que eu sei do que é capaz.
Quem veio para cá não faz muito tempo não tem noção do que esta direita aqui, ou em qualquer lugar, é capaz.
Tenho dito.
Citar
0 #17 Criminosa indiferençaJose Fonseca 13-10-2010 12:58
Para o nobre articulista, que faz as tres refeições diarias, tem um teto sobre a cabeça e um contra-cheque no fim do mes, a masturbação ideólógica é um doce e solitário prazer. Já para dezenas de milhões de brasileiros que mal chegam a isso e para os quais Dilma x Serra é uma escolha que vai afetar de forma profunda e radical sua perspectivas de futuro, o exercício não tem tanta graça. Malditos os pequenos burgueses encastelados em seus delírios e livros!!! Deus tenha piedade de suas almas e os perdoe. Eu, humano que sou, não posso. Sai pra rua animal!!! Fala com os pobres! Fala com quem melhorou de vida!!!
Citar
0 #16 Capitalismo ou capitalismo?Aroldo Magno de Oliveira 13-10-2010 08:02
Muito bom a artigo. No início o articulista deixa claro que é uma questão a pensar e não para influenciar ninguém. As possibilidades de se pensar são muitas, uma vez que estamos em momento histórico complexo. A candidatura Dilma poderia ter ganhado já no primeiro turno, mas os acordos do PSDB - PV levaram Marina a se candidatar, e aí veio a diferença: era preciso dar uma sobrevida à extrema direita na candidatura Serra. Marina cumpriu bem o seu paradoxal papel. Um dos comentaristas se referiu aos partidos de esquerda revolucionária como grupelhos e distante das massas. Isso não é verdade, pois a correlação de forças é absurdamente desigual em termos de recursos e aparato de meios de comunicação. Creio que no momento é preciso mobilizar as forças para eleger Dilma, pois em termos representativos e simbólicos está menos a direita que o Serra. Outra: será preciso, já a partir de 2011, a construção de uma grande frente de esquerda revolucionária composta pelos partidos PSOL, PCB, PSTU e PCO e por todos os movimentos sociais e sindicais comprometidos com a revolução econômica que tanto urge. O capitalismo está em uma crise nunca antes vista na história e o próprio centro de poder global do capital está perdido em suas estratégias: FMI, BM e OMC. Oxalá possamos construir uma grande e forte frente de esquerda permanente e continuar na luta pelo socialismo.
Citar
0 #15 Proposta indecenteRogerio Chaves 12-10-2010 13:54
Gilvan, desculpe, mas vc está equivocadíssimo. Tivemos momentos terríveis desde o governo Collor, com especial condição desfavorável para os trabalhadores durante os oito anos de governo FHC e nem por isso houve qualquer revolução, meu amigo! Não se deve colocar toda a culpa por isso no governo Lula e no PT. Este segundo turno precisa haver posicionamento claro de Plinio, do PSol, da militância e dos seus eleitores, Serra e o tucanato não pode voltar ao poder central. Abraço, Rogério
Citar
0 #14 Quando achava que já tinha lido tudoCarmen 11-10-2010 19:49
O que é isso, companheiro? Com essa juventude sem cultura, sem rebeldia, sem noção do ridículo e que só pensa em baladas e requebrar até o chão, a direitosa faria barba e cabelo da nossa combativa esquerda que não sai do traço nas eleições. É o fim mesmo, ainda mais lendo esse artigo nesse espaço.
Citar
0 #13 Se for o SerraAntonio Menezes 11-10-2010 14:33
Caro Gilvan
Se for o Serra, os movimentos sociais, sindicais e estudantis cooptados serão desengessados para fazer a campanha: Lula 2014. Só!
Citar
0 #12 Esquerda inconsequente a serviço da direGabriel dos Santos Lima 11-10-2010 10:08
Caro Gilvan,

O que você apresenta como uma possível "opção tática" pelo PSDB não passa do mais puro e duro apoio à direita. Me entristece que a esquerda rachada em pequenos partidos sem representatividade esteja assumindo essa postura inconsequente. O enfraquecimento do PT pode, sim, representar o desmanche do aparato pelego-sindical que engessou os trabalhadores. Isso, porém, não quer dizer que a eleição de um néo-liberal burguês vá facilitar a mobilização. Pelo contrário. Fortalecer a direita é ir na contramão da história. O PSDB já emplacou deputados e governadores em importantes estados e, ao contrário do que se pensa, não é um inimigo mais fácil de enfrentar do que o PT. Tampouco os quadros dos partidos coligados que você citou se mobilizaroão e "saírão as ruas". Aliás, muito menos as massas o farão. Do contrário, só se sentirão cada vez mais impelidas a defender a representatividade burguesa, apoiando os "Tiriricas" de PR e outros.

Enfim, acabaram-se os pontos corridos. Agora é mata-mata. Ou se fica do lado dos movimentos sociais que, bem ou mal, se beneficiaram do governo Lula, ou se apóia a antítese da esquerda. E aproveito para, a despeito de desagradar ou não quem dirige o site, citar a fala do candidato Aloízio Mercadante, no debate dos presidenciáveis da Globo: "O PT fez uma escolha histórica". Pode ter sido um erro, mas foi uma escolha. Uma escolha que tirou 26 milhões de trabalhadores da linha da pobreza. Bem ou mal, essa escolha, depois de 500 anos de espoliação, já foi pelo menos um passo nessa caminhada em que todos nós acreditamos. Que todos pensem nisso antes de apoiar a direita como "opção tática", porque, afinal, se todos os italianos tivessem ouvido Gramsci, Mussolini não teria subido ao poder.
Citar
0 #11 jose bento souza vasconcellos 09-10-2010 03:03
Muito lúcida sua análise, realmente há um decenso generalizado nas "esquerdas". Foram todos cooptados pelo vício do poder. Talvez seja esta (votar no Serra (urgh) uma manobra interessante para, verdadeiramente, resgatar o sonho da Construção do Poder Popular, eu, inclusive como Anarquista orgânico, fiz uma "concessão" e optei por "votar" na "candidata" pois a meu ver, penso que ficaria muito mais difícil com o candidato relêvo no poder. É uma questão perturbadora, confesso, mas muito interessante (esta sua...) Aqui onde moro, Varginha (MG) por exemplo, o PT já se entregou faz tempo, só continua vermelho de vergonha!
Citar
0 #10 Lobo em pele de cordeiro - correçãoHB CWB 08-10-2010 23:19
No comentário 7/10/2010 - 22:14, enviei
o Serra se elegendo, aqueles que pensam terão oportunidade de surgir como os ideólogos salvadores dos frascos e comprimidos. A frase correta e´: o Serra se elegendo, aqueles que PENSAM QUE NEM VOCÊ, IMAGINAM QUE TERÃO oportunidade de surgir como os ideólogos salvadores dos frascos e comprimidos.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados