O caso Neymar

0
0
0
s2sdefault

 

Neymar tem 18 anos de idade. É uma revelação como jogador de futebol. Joga pelo Santos, o mesmo time que projetou Pelé. E joga bem, muito bem. A diferença entre ambos é que Pelé procedia com educação em campo.

 

Neymar é rebelde. Não entra apenas para jogar. Entra para lutar: xinga o técnico, os adversários, até os parceiros de time. Neymar tem pavio curto. Age na base do olho por olho, dente por dente. Não se conforma de a bola não ser só dele.

 

O então técnico do Santos, Dorival Júnior, em seu papel de educador (como todo técnico deveria fazer), puniu Neymar por mau comportamento. Por falta de ética, suspendeu-o de jogo. De um jogo importante, contra o Corinthians, dia 22 de setembro. A diretoria do Santos, em vez de apoiar o técnico, decidiu apoiar Neymar. Foi como se a escola expulsasse o professor ofendido pelo aluno.

 

Dorival Júnior foi demitido e Neymar escalado para o jogo contra o Corinthians. Adiantou pouco. O Corinthians ganhou por 3 x 2.

 

Mano Menezes, técnico da seleção brasileira, fez o que o Santos deveria ter feito: puniu o jovem atleta. Mostrou-lhe os limites. Se Neymar quer ver seu talento brilhando nos jogos, terá que aprender a dominar sua fúria. Aprender a saber perder. E admitir que ele pode muito. Mas não pode tudo.

 

O futebol já foi esporte. Hoje, é competição. Já foi arte. Hoje, é violência. Já foi fator de integração social. Hoje, acirra disputas entre torcidas enfurecidas. Os estádios, em dia de jogo, parecem penitenciárias em dia de visitas. Policiais por todos os lados, torcedores revistados, armas apreendidas.

 

Os jogadores mais se parecem atletas de luta livre. Entram em campo para trucidar o adversário. Predomina a agressão verbal e física. As faltas não resultam da disputa de bola. São premeditadas e visam a imobilizar o adversário, de preferência mandá-lo para fora de campo ou mesmo para o hospital.

 

Os valores democráticos são negados pelo ethos guerreiro do futebol que se pratica hoje. Os times entram em campo imbuídos de espírito revanchista. Por trás de cada jogador há o jogo de poder dos cartolas. Os atletas valem pelo que representam monetariamente. São tratados como produtos de exportação. E, num mundo carente de heróis altruístas, eles ocupam o vácuo. São idolatrados, invejados, imitados.

 

Na cabeça de milhares de crianças e jovens, eis um modo de se tornar rico e famoso sem precisar dar duro nos estudos. Basta ter a habilidade de fazer a bola obedecer à vontade que se manifesta nos pés.

 

Gigante adormecido não é apenas o Brasil. É também a nossa seleção, desde a conquista do pentacampeonato. Agora ela acorda. Acorda para a Copa de 2014, que terá o Brasil como palco. Alguns bilhões de dólares estão em jogo. Por isso, o que parece uma simples partida entre dois times é, para cartolas e investidores, um laboratório destinado a transformar gatos em leões.

 

O Brasil não pode em 2014 repetir o vexame de 1950. Naquela Copa, no jogo final, em pleno Maracanã, o Uruguai ganhou do Brasil por 2 x1. Naquela época o futebol ainda era esporte. Os estádios não se pareciam a coliseus nem os atletas a gladiadores. E os cartolas torciam mais por seus times que por suas contas bancárias.

 

Bons jogadores não brotam de um dia para o outro. São preparados desde a infância. Os clubes mantêm escolinhas de futebol. Muitas exigem dos alunos freqüência à escola formal e boas notas. Isso é bom. Mas não suficiente. Essas crianças deveriam também aprender o que significa ética nos esportes. Valores e direitos humanos. Para que, mais tarde, alucinadas pela fama e a fortuna, não se transformem em monstros suspeitos de cumplicidade com traficantes e de homicídios hediondos.

 

Alguém já refletiu em que medida o bullying, que tanto assusta as escolas, é reflexo do que se passa em nossos estádios? Onde falta educação campeia a perversão. Se a lei do mais forte é o que predomina aos olhos da multidão, como esperar uma atitude diferente de crianças e jovens carentes de exemplos de generosidade e solidariedade?

 

Nosso futebol, tão bom de bola, não estaria ruim da cabeça? Não teria se transformado num imenso cassino monitorado por quem angaria fortunas? Faz sentido, num país civilizado, atletas, símbolos de vida saudável, posarem de garotos-propaganda de bebidas alcoólicas?

 

Há que escolher entre Olímpia e Roma, maratona e coliseu. E conhecer a diferença entre os verbos disputar e aniquilar.

 

Frei Betto é escritor, autor de "Alfabetto – autobiografia escolar" (Ática), entre outros livros.www.freibetto.org – twitter:@freibetto

 

Copyright 2010 – FREI BETTO – Não é permitida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor. Assine todos os artigos do escritor e os receberá diretamente em seu e-mail. Contato – MHPAL – Agência Literária (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.).

 

{moscomment}

Comentários   

0 #11 o jogador Neymarglyvia joélia tavares marques 07-10-2010 11:07
Bom como podemos perceber o Neymar está agindo de forma agressiva com os companheiros de campo,eu acho isso um absurdo,mas não podemos só culpar o Neymar,e sim os responsaveis pela a formação dos jogadores,que estão esquecendo de preparar o psicológico desses jovens jogadores,só pode ocorrer um desequilibrio em uma pessoa que teve a infância pobre e da noite para o dia milhonário.Na minha opinião ele precisa conhecer as regras,ter um acompanhamento de um profissional na área de educar mente.
Citar
0 #10 Fhiama 07-10-2010 11:03
Na minha opinião ele se comporta desse jeito porque acha que tem mais direito que os outros, principalmente por ser um rapaz tão novo e já com tanto sucesso no fultebol, e com isso chamar mais atenção do que já lhe é dada.
Citar
0 #9 O caso neymarElizafan costa goems santos 07-10-2010 11:01
O que eu acho é que em um jogo a pessoa tem que aprender a ganhar e a perder...pelo que eu vi ele não conseguia perder e sim só ganhar, as atitudes que ele andava tomando não achei certa ...

Aluno:
Elizafan Costa Gomes Santos n-20
Ariadna Pereira Silçva n -09
2 G
Citar
0 #8 ana paula dias pereira 07-10-2010 11:00
Por que as pessoas não podem ser assim tão irritado com as coisas por que jogo e jogo e todos tem que ser amigos mesmo que perdão ou ganhem mais não a diante se irritar e eles querem que os jogadores deixem de ser gatos e virem leões e satamente para que eles sejam prutos com os adiversarios.
Mais o que,que adianta ser tão valente e ñ ter nada.
Citar
0 #7 Caso Neymarcinthya cymara 07-10-2010 10:57
O Neymar é um Otimo Jogador também um ótimo Profissiomal
mais ele esta se comportando de uma maneira inadequada.Ele deveria ser punido,porque isso não e uma boa conduta no Futebol.
Citar
0 #6 caso NeymarFlavia Romualdo e Celina da Si 07-10-2010 10:54
Nós achamos errado as atitudes de Neymar nos estádios de futebol,pois ele está lá por trabalho,entao deveria agir como um profissional e nao como um muleque...
ele tem muito talento mais nao sabe usar com respeito...

bom essa é nossa opiniao!
Citar
0 #5 assunto sobre neymaneto 07-10-2010 10:51
eu acho neymar estah muito no auge de sua carreira entao esses estresses acontecem mesmo por causa de sua idade tbm mas isso passa. gosto das jogadas dele, muito legal...
Citar
0 #4 higor 07-10-2010 10:51
ele é novo de mais e precisa aprender muita coisa apesar de jogar muito
Citar
0 #3 ...buguloko de OSASCO 07-10-2010 09:08
Soh faltou mencionar que o citado Neymar eh a atual vitima do futebol brucutu e violento mencionado por ti, Mr.Frei.
Citar
0 #2 Maria da Glória de Sousa marqu 07-10-2010 07:56
Fiquei encantada com a forma como o texto reflete a nossa realidade, não só a do Caso Neymar, mas, a de milhares de alunos que estão sob nossa responsabilidade nas escolas.
Em todos os aspectos de nossa sociedade o que deveria ser mesmo difundido e acima de tudo cobrado é a EDUCAÇÃO.
E assim como nós professores, que não temos apoio algum das famílias, vimos o técnico do Santos, ser demitido, pq entendeu que deveria mostrar ao Neymar que ele estava errado.
Parabéns!!!
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados