Resumindo pecados

0
0
0
s2sdefault

 

No texto de 26/07, apontamos que parecia "predominar em diferentes áreas da campanha da candidatura Dilma, inclusive no PT, a suposição de que a disputa está ganha e a vitória eleitoral é certa". Na ocasião, consideramos que a candidatura Dilma continuava "empacada num inconfortável empate técnico" pelo que pareciam ser fraquezas de sua campanha. Os "lobbies do já ganhou" tendiam a paralisar as atividades fundamentais de qualquer campanha eleitoral: "o contato direto, diário, incansável, com as principais camadas populares do eleitorado".

 

Além disso, achávamos que a candidatura Dilma parecia "presa a uma agenda positiva inflexível" que poderia ter "reflexos negativos" se não tivesse "flexibilidade para enfrentar positivamente os problemas existentes, principalmente aqueles relacionados com a vida do povo, deixando-os sem proposta, sem firmeza positiva diante dos ataques dos adversários, deixando-os sem resposta". Serra e Marina estavam com "o mesmo discurso" de Dilma, "acrescentando a ele a crítica a problemas não resolvidos". Portanto, era preciso "algo mais para conquistar corações e mentes", como "propostas concretas para corrigir a política de juros altos, reduzir os tributos das pequenas e micro-empresas, melhorar a segurança pública, só para citar alguns exemplos".

 

No texto de 23/08, sustentamos que as pesquisas, que apresentavam Dilma em condições de obter a vitória no primeiro turno, poderiam "ser fatais" para sua campanha. Embora Serra apontasse queda, Marina estava "em situação estável", demonstrando que Dilma não a havia abalado. Assim, a possibilidade de vencer no primeiro turno apontava, naquele momento, "o aspecto negativo" de levar os partidos aliados de Dilma a suporem ganha a parada e se voltarem totalmente para suas próprias campanhas a governador e proporcionais, como era fácil de notar no horário eleitoral.

 

Nessas condições, o ritmo da campanha tendia a baixar, "abrindo a possibilidade de subida da Marina e recuperação ou estabilidade de Serra". No dia 30/08, reiteramos a necessidade de a campanha Dilma manter o ritmo de crescimento e fazer ajustes, no sentido de realizar "uma ofensiva complementar, tratando com mais propriedade alguns temas que se tornaram cavalos de batalha na campanha Marina".

 

Marina passara a concentrar "seu fogo e ataques ao governo em temas como reforma tributária, proteção ambiental, jornada de trabalho, segurança e liberdade de comunicação". Essa crítica a fizera "conquistar parte do eleitorado de esquerda" e havia "carreado apoios a candidatos de outros partidos desse espectro político". Mesmo sem ter bola de cristal, afirmamos que, "somados", eles representavam "mais de 15% das intenções de voto". Assim, "se a campanha Dilma desprezar o trato de tais temas, pode ser por aí que ela seja surpreendida".

 

E foi por aí que ela foi surpreendida. Se quisermos resumir os pecados da campanha presidencial petista, podemos dizer que: (1) faltou uma estratégia clara de mobilização massiva; (2) absolutizou a defensiva estratégia, evitando ofensivas táticas indispensáveis, como no caso Erenice e nos ataques da grande imprensa, levando inclusive Lula a fazer um recuo; (3) deixou prevalecer o "já ganhou"; (4) faltou programa de governo, a ser defendido por todos os candidatos da base aliada, em especial os do PT, cujas campanhas na TV mal se diferenciavam das propostas despolitizadas dos candidatos do PSDB e do DEM; e (5) ocorreu uma fuga geral da discussão política.

 

Se a candidatura Dilma não quiser ser atropelada por uma derrota impensável e desastrosa para o país, seu segundo turno terá que ir muito além da defesa da "continuidade e avanço" do governo Lula. Terá que detalhar que avanço será esse em termos de medidas concretas. E tratar com firmeza as questões referentes a emprego, assentamento agrícola, estímulo à pequena produção agrícola e urbana, redução de juros e tributos, combate à corrupção, segurança pública, proteção e recuperação do meio ambiente, intensificação da educação, ampliação profunda do atendimento à saúde, políticas de promoção das mulheres e jovens etc. etc.

 

Só explicitando claramente respostas a essas questões será possível diferenciar o desenvolvimento sustentável e o crescimento econômico democrático e popular do "desenvolvimento" proposto por Serra. Só dessa forma será possível fazer com que o povão entenda tal diferença e conseguir que parte considerável do eleitorado que migrou para Marina volte a ser atraído para a candidatura Dilma.

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.  

 

{moscomment}

Comentários   

0 #6 A mesma ladainhaNilson Ribeiro do Nascimento 13-10-2010 20:57
É sempre assim toda vez que nos fazemos uma critica pela esquerda somos taxados de linha auxiliar da direita como se não pudesse citicar o governo do senhor Lula e seus "aliados" de hoje, que fizeram um governo direitoso. O pt ao longo de sua trajetória foi expulsando a esquerda de seus quadros ou não foi assim, portanto esse governo é conciliador de classes sim.
Citar
0 #5 nossa campanhaFlavio 08-10-2010 13:24
No segundo turno fazemos a opção, às vezes, pensando naquilo que não pode acontecer. Serra presidente é exatamente o que não pode acontecer. Os motivos são evidentes que é desnecessário falar deles. Assim, cabe a todos nós cidadãos e cidadãs com algum senso de justiça trabalhar para fazer Dilma Presidente.
Ou vale o risco de ter um governo Serra???
Citar
0 #4 Arrogância cega as pessoas...Raymundo Araujo Filho 08-10-2010 05:37
Que o Rafael Dantas diga que está com WP e Lulla, é certo. Mas, quanto a estar ao lado do Povo, "há controvérsias...". Nem Serra nem Dilma estão para o Povo e pelo Povo

O Rafael devia ser menos arrogante e deixar de atacar quem preconza o Voto Nulo ou o Absenteísmo no segundo turno, pois estes estão, de certa forma, diminuindo o número de votos válidos, beneficiando a Dilma.

Se oriente rapaz....

Com Dilma, teremos o projeto do capital imposto com o Movimento Popular em casa. Com Serra, se não houver um rápido e possível acordo PT / PSDB já para as próximas eleições municipais (acordo este, muito possível), pode ser que o Movimento saia as ruas....
Citar
0 #3 Resumo da Opera 2Rafael Dantas 07-10-2010 14:26
No resumo da ópera restou duas opções, uma ligada aos trabalhadores, ao emprego, desenvolvimento nacional, popular e democrática. Do outro lado ficou a direita reacionária, apoiada pela TFP o PIG e o neoliberalismo, onde está em confronto dois projetos em curos na América Latina que se integram e se relacionam.
Resta saber de que lado nós vamos sambar. Eu estou do lado do Wladmir Pomar e do povo brasileiro e de Lula, que bem o mal tem feito país avançar, há problemas sim claro, mas a soma tem sido positiva e a tendência é que melhore.
Quem estiver sambando do outro lado, lamento, mas é o lado da direita, que por mais que se diga o contrário, mesmo contra sua vontade, esta ala esta se unindo de fato a estratégia da direita reacionária, que vão acabar se constituindo como a mesma coisa.
Citar
0 #2 Resumindo Pecadosvaleria mauricio 07-10-2010 14:20
Companheiro
Já faz tempo que os candidatos do PT assumiram está posição de \\\"Oba-oba\\\",\\\"Já Gan-
hei,o que é muito arrogante.Não deveriam ter sobrestimado outros Partidos,muito menos,uma candidata do porte de Marina.
Mais uma vez,o PT deu \\\"com os burros na água,o que parece ótimo,já que a estratégia da campanha da Dilma,baseou-se
principalmente na figura carismática do presidente Lula,deixando para tráz problemas não resolvidos por Lula,como a reforma agrária,violência,o desemprego e etc.
Citar
0 #1 Resumo da Ópera BufaRaymundo Araujo Filho 06-10-2010 13:21
A verdade é um só e mais simpes do que WP relata.

Dilma, o T e seus apiadores não conseguem se diferenciarem da direita conservadora que assola este país. E o motivo éum só: Tornaram-se igiuias, se é que algum dia, os que hoje dominam o PT foram diferentes.

Aí, o eleitorado fica ao sabor da escoha desideologizada, por simatia, a mercê do bombardeio midiático de fatos periféricos, em vez de defenderem um Programa de Governo.

No Chile, um esquema que se dizia de esquerda em frente ampla deitou e rolou durante anos, fazendo o programa da colaboração de classes. Afora entregaram o país para a direita, sua irmã siamesa.

O Lullo Petismo e seus seguidores que se dizem de esquerda serão cobrados fortemente sobre a sua covardia e adesão ao capital. Mas quem vai pagar mesmo é o Povo. Com Dima ou com Serra.

Wladimir Pomar devia se envergonhar de sua análise para Petistas lerem (=inglês ver), sem ir ao fundo do problema, mais uma vez.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados