Crônica de um golpe frustrado

0
0
0
s2sdefault

 

Estava em Quito para participar de uma reunião preparatória da Conferência Regional Humanitária sobre a proteção de pessoas deslocadas e refugiadas, que se realizará nessa cidade em novembro, quando fui surpreendido pela sublevação de um contingente policial que derivou num golpe de Estado frustrado.

 

Tudo começou às 8 da manhã no V Regimento da Polícia, onde se amotinaram os policiais para reclamar a revogação de uma Lei de Serviço Civil, aprovada nesta quarta-feira pela Assembléia Legislativa e que elimina alguns privilégios para os uniformizados, como bônus, cestas de natal e prêmios por anos de serviço. O presidente Rafael Correa decidiu ir à unidade policial para tentar um diálogo e explicar que durante seu governo quase triplicou os salários dos oficiais e que melhorou substancialmente e dignificou suas condições de trabalho. Disse que era justo homologar seus ganhos junto do restante dos funcionários da administração.

 

O presidente não foi ouvido e seu enérgico discurso foi afogado por gritos contrários, seguidos de agressão direta do grupo de policiais amotinados, que lançou gases lacrimogêneos e gás pimenta contra o primeiro mandatário, sua equipe de segurança e acompanhantes. O presidente saiu afetado pelos gases e durante a refrega golpeado em um dos joelhos, recentemente submetido a uma intervenção cirúrgica. Atordoado e sem poder caminhar, foi levado ao hospital da polícia, localizado em frente ao V Regimento.

 

Este foi o começo de um plano pré-concebido para provocar um vazio de poder e alijar o presidente Correa de suas funções. Quase de forma simultânea ao que ocorria no noroeste de Quito, grupos de cidadãos saíram às ruas a fim de exigir a renúncia do presidente, queimar pneus e convocar a desobediência civil, enquanto unidades subordinadas às Forças Armadas tomavam posse dos aeroportos de Quito e Guayaquil, suspendendo vôos domésticos e o tráfico aéreo internacional do e para o Equador. Ao mesmo tempo, os bancos e parte do comércio fechavam suas portas e um grupo de policiais tentava suspender o sinal dos canais oficiais Gama e ECTV, ao passo que civis da oposição pressionavam emissoras independentes.

 

No meio da confusão, me dirigi à Assembléia Legislativa, onde um grupo de policiais, liderados pela escolta dos parlamentares, tomava posse do edifício e notificava a 21 membros da coalizão situacionista Aliança País que não podia garantir a segurança deles. Uma das legisladoras foi golpeada pelos agentes encarregados de sua custódia.

 

Eram dez da manhã e outros agentes da ordem se dedicaram a fazer barricadas com pneus e bloquear as vias de acesso ao local. Sobre as ruas 6 de dezembro e Colón estavam concentrados os policiais, atentos às instruções de quem dirigia a sublevação. Um dos oficiais tinha seu rádio em alto volume para que os demais também escutassem. Me aproximei e pude comprovar as intenções por trás do protesto policial.

 

"Não digam que o presidente está seqüestrado, digam que a polícia o está protegendo no hospital para nos evitar problemas judiciais, mas não vamos deixá-lo sair até que pague pelo que nos fez". Mais que um protesto por uma reforma na lei dos servidores públicos, tratava-se de um golpe de Estado, promovido pela extrema direita que atiçou os policiais a se sublevarem. É o fascismo do século 21, uma modalidade de golpe de Estado que foi estreada com êxito em Honduras, país em que a Corte Suprema de Justiça se prestou a romper a ordem constitucional.

 

O que fazer? Por um momento, revivi minha condição de jornalista, da qual estou há muitos anos em retiro forçado. A suspensão da reunião de especialistas sobre o deslocamento e refúgio, entre eles o ex-chanceler colombiano Augusto Ramirez Ocampo, que não pôde viajar, me livrou de responsabilidades. Chamei os colegas de direitos humanos e alguns funcionários da chancelaria e do Ministério do Bem Estar Social para obter mais informações e me pus em contato com jornalistas colombianos, chilenos e com algumas agências internacionais de imprensa.

 

Não havia claridade sobre a resposta à insubordinação policial, não se falava de golpe e as mensagens eram contraditórias. "Deve-se ir a Plaza Grande, ao Palácio de Carondelet para respaldar o presidente", diziam alguns. "Concentremo-nos na Assembléia Legislativa", diziam outros defensores do governo. O poderoso movimento indígena e os estudantes, contrários ao governo pela Lei das Águas, a extração mineral e a lei de educação superior, não estavam se mobilizando.

 

Notificado da seqüência dos fatos e informado dos outros que ocorriam no resto do país, o chanceler Ricardo Patiño falou à multidão da sacada da casa presidencial. "A vida do presidente Correa está em perigo, isso é uma tentativa de golpe de Estado, chamamos toda a cidadania ao hospital da polícia, no V Regimento, para defender a revolução cidadã", foram suas palavras. A pé e usando todos os meios de transporte possíveis, iniciou-se uma marcha de diversos setores da cidade até as saias do vulcão Pichincha, sede da sublevação policial e do hospital onde estava seqüestrado o presidente.

 

Os policiais se entrincheiraram na entrada do hospital com uma poderosa reserva de gases e fortemente armados, alguns de rostos cobertos. Com eles, estavam pessoas vestidas de civis e outros encapuzados que coordenavam a operação.

 

Os primeiros a chegar exigindo respeito e liberdade ao presidente Rafael Correa foram agredidos, apesar de manifestarem sua intenção pacífica. Não obstante, alguns jovens atacaram violentamente um policial, o que motivou a censura de uma senhora que liderava a marcha evocando o princípio da Não Violência de Mahatma Gandhi.

 

As agressões aumentaram com o passar das horas, mas também o número de manifestantes que saíram para evitar o golpe. Na cidade se registravam alguns saques e ataques de delinqüentes que aproveitaram a ausência da polícia.

 

O comandante das Forças Armadas anunciou pleno acatamento à ordem constitucional e chamou os amotinados a depor sua atitude violenta, enquanto as pessoas perguntavam "por que o exército não toma o controle da situação e resgata o presidente?". Os helicópteros militares sobrevoaram a região enquanto alguns ministros tentavam chegar ao hospital para acompanhar o presidente. Um deles, o chanceler Patiño, chegou com uma ferida na cabeça e afetado pelos gases.

 

Os feridos eram transferidos ao hospital Metropolitano, localizado no setor, e separados por um túnel aéreo do hospital da polícia. Chegavam com ferimentos de bala, afetados pelo gás pimenta ou asfixiados por bombas de gás lacrimogêneo.

 

A impossibilidade de diálogo e a agressão policial motivaram a decisão de tomar o hospital e resgatar o presidente. Já a revolta, tinha sido conjurada em todo o país, incluída a cidade de Guayaquil, onde resultou muito eficaz o trabalho do vice-presidente Lênin Moreno, qualificado como um leal companheiro de teoria do presidente Correa.

 

O Grupo de Operações Especiais da Polícia (GOE), que se manteve com o presidente durante a crise e as unidades especializadas do exército entraram no hospital. Foram recebidos a tiros pelos revoltosos, mas a operação foi contundente.

 

O presidente foi tirado em cadeira de rodas, com máscaras anti-gases e colete à prova de balas, sendo levado imediatamente à sede do governo. Em menos de uma hora, Rafael Correa já estava na tribuna, discursando aos seus entusiastas seguidores na Plaza Grande: o presidente se dirigiu ao país até meia-noite por uma cadeia de rádio e televisão. Condenou o golpe, agradeceu a solidariedade nacional e internacional, disse que "hoje o presidente não claudicou, como fizeram outros tantos covardes", referindo-se a presidentes que como Lucio Gutierrez fugiram do país, e lembrou a decisão que tomou no hospital, de sair dali como presidente de uma nação digna ou sair como cadáver.

 

À 1h30min da madrugada, se despediu com sua costumeira frase "hasta la victoria siempre". Dessa vez foi sua vitória e do povo equatoriano. Porém, a crise persiste. O ex-presidente da Constituinte Alberto Acosta resumiu em uma frase: "Defender a institucionalidade democrática, abrir o diálogo, mudar o rumo". Por ora, a revolução cidadã segue sua marcha.

 

Jorge Rojas é Presidente da CODHES (Consultoria para os Direitos Humanos e Deslocamento).

Traduzido por Gabriel Brito, Correio da Cidadania.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 conspirações imperiaisJosé Safrany Filho 04-10-2010 12:26
Quando as coisas não andam do jeito que o império quer, ele não hesita em reverter a situação, não importa o método a ser utilizado, chantagem, ameaça, achaque, intervenção, golpe, assassinatos ou gerras.
A História está repleta de exemplos e incidentes que, na maioria, até há pouco, deram êxito ao império, como em Honduras, Haiti, Granada,Chile, oriente, etc. Noutros, fracassaram, como em Cuba, Vietnã, Coréia, etc. noutros, ainda, foram rapidamente abortados como na Venezuela, Bolívia e, agora, no Equador. Mas, eles nunca desistem, até alcançar vitória. Conspiram 24 horas por dia, todos os dias e anos. Já está comprovado o envolvimento dos ditos amotinados equatorianos com entidades civis e militares dos EUA. Então, todo cuidade é pouco. A criação de uma força sulamericana, como já sugerido por vários chefes de governo da UNASUL, seria mais uma força preventiva, dissuasiva e interventiva para procurar aplacar tais ocorrências. Temos que apoiá-la e, muito mais que isso, nos preparar sempre para o pior. Nínguém está imune!
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados