Fala sério, vai!

 

Oh! é inconcebível o que pode alcançar uma mentira secundada por juramento leve, ou
uma pilhéria dita com semblante sisudo a um rapaz que nunca sofreu de dor nas espáduas.
Oh! vê-lo-eis rir até que o rosto se lhe torne como capa molhada e vestida com descaso.

FALSTAFF, em Rei Henrique IV,
Shakespeare.

 

Após o ilusionismo com o esmoler Bolsa Família, principal "obra" (eleitoreira) do rei Alul - versão invertido-pervertida de Lula dos anos de 1980 -, para concluir a política do pão e circo tropical, não seria inimaginável o próximo presidente da mesa diretora da Câmara Federal, interventor "de consenso" pelo Palácio do Planalto, proferir em irônicos decibéis: "- Respeitável público pagante, assentem-se logo, as arquibancadas do Grande Circo da Farsa estão democraticamente liberadas. Peço-lhes então que se mantenham ordeiros e em silêncio. E, sem mais delonga, com a palavra, pela ordem, a autoridade de esgares, hoje pândego-líder do governo nesta egrégia casa do povo, nobre deputado Tiririca". Mais novato folgazão para a fortuna dissimulada?

 

Nesse excêntrico espetáculo de magia e avacalhação, a Ética vira bolinha de jogo de vileza, como naqueles ágeis truques de forminhas sobre caixa de papelão nas praças das grandes cidades diante de bocas-abertas doidivanas. Cadê a Ética que esteve no debate da redemocratização? O gato do PMDB a negociou com tucanos e petistas. E desperdiçam cartolas de dinheiro do basbaque contribuinte em investigações e prisões ilusórias de chusma de mãos-leves pela Polícia Federal, cujo rumo é sempre o camarote da impunidade. Com direito a reportagens espalhafatosas da mídia e digitus infamis (dedo obsceno em riste) para promotores públicos. Uh! grita de arena: teria o ex- ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos se sentido um malabarista oficial em face dos escândalos acobertados pelo rei Alul? No Globo da Morte pelo SUS, quantos enfermos impacientes não sobreviveram? Quantos sem-terra enfrentaram o cuspidor de fogo do latifúndio? Que domador, valente e audaz, adestraria as insaciáveis feras de toga pegas em concussão, sem que lhes dê o "prêmio" da aposentadoria compulsória?

 

Neste país da momice e da mesmice verde-amarela, são todos, críticos omissos e expectadores conscientes, os (ir)responsáveis pela banalização em que se transformou o Estado. Estado selvagem e antipopular. Acima de tudo, aqueles que se afirmam militantes da esquerda e que, por incoerência verbal e/ou por indecisão de ação conjunta, delegam ao incauto eleitor decidir a sorte desta "terra adorada" no jogo da democracia burguesa/burlesca, em escolher por compressora maioria os representantes das elites. [Infelizmente, há milhões de amorais manés-voto expressados na forma caricata do bobo da corte.] Libertemo-los todos que se liberta a pátria. Já que os pontos-chave da pauta nacional resumem-se ao tripé: reforma agrária includente, distribuição justa da riqueza e ética na condução do bem público. Ademais, democracia em nação alguma se sustenta sem um Judiciário íntegro e eficiente.

 

Abaixo a comédia institucionalizada de bravateadores à custa da tragédia do povo! Neguem-se às artimanhas de bufões dos Três Poderes. Até quando mais isto? Outros 510 anos? Ou este país não é mesmo para ser levado a sério... Pelas cãs da oração! Concede-se o aparte àqueles/as que não se acovardam à causa social.

 

Julio Cesar de Castro presta assessoria técnica em Construção Civil.

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #3 Quem Rebaixou os Horizontes...Raymundo Araujo Filho 18-09-2010 10:05
Julio Castro, mais uma vez, nos remete a pensamentos mais longínquos. Refiro-me à eleição de Lula em 2002 (o mesmo Lulla de 2003?).

O cenário era o de um Consenso Social, não hegemônico, mais muito favorável para o avanço das conquistas populares, de forma ampla.

TODAS as propostas de campanha de Lulla, TODAS, repito, foram traídas a partir de Janeiro de 2003. Isso porque Lula já era Lulla, mesmo antes das eleições, mas manobrou de forma hábil, o escamoteamento deste fato, tão bem engendrdo desde o Diálogo Interamenricano.

A Sociedade e as Organizações Poipulares estavam rontas para protagonizarem os seus manifestos pacíficos, mas firmes, na conquista de seus direitos. Apenas foram contemplados co o Bolsa Família (para muitos) e bosn empregos e negociatas (para poucos).

Parabéns Júlio, pela excelente reflexão.
Citar
0 #2 Ouvir estrelas (petistas)?Julio de Castro 18-09-2010 08:41
"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!"

"Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizes, quando não estão contigo?"


Extra-ordinário (sic) é conferir "escritor", que se diz politicamente consciente, afirmar: "O país está um pouco melhor. Basta olhar querendo ver."
Citar
0 #1 Riberto 17-09-2010 16:01
Me custa crer que a esquerda tupiniquim tenha se contentado em fazer o jogo da direita, inclusive a favorecendo escrachadamente... me custa crer que textos como esse, lamentavelmente positivos a gentes do quilate de um FHC, ACM Neto, Serra, Borhausens e quejandos continuem a ser estampados por veículos de seriedade inconteste como este. Pior, me custa crer que esses mesmos escribas acreditem seriamente que mais de 500 anos de desmandos, roubalheira e desvarios poderão se encerrar num passe de mágica, via democrática das eleições ( ou da abstinência à sua prática ). As escadas devem ser alçadas degrau a degrau, criaturas delirantes. Nós, ora leitores, ora escritores, não temos tempo hábil para saborear as mudanças que tentamos plantar...aceitem isso com resignação. O país está um pouco melhor. Basta olhar querendo ver. Entretanto falta muito ainda... quem sabe os nossos bisnetos poderão usufruir da obra acabada caso vós, esquerdistas aloprados, não atrapalhem !!! E mesmo assim, com a sorte que vivemos hoje, ainda não terão transcorridos 100 anos ...
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados