topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Novas violências contra os Kaiowá no Mato Grosso do Sul Imprimir E-mail
Escrito por Egon Heck   
Qui, 09 de Setembro de 2010
Recomendar

 

No último dia 4 de agosto, o grupo de famílias do tekoha Ytay Kaíaguy rusu, no município de Douradina (MS), voltou à sua terra tradicional, próxima aos limites da atual Terra Indígena Panambi, em Lagoa Rica. Essa terra indígena com 2.070 hectares, e uma população em torno de 700 pessoas, foi ocupada pelo agronegócio. Hoje usufruem apenas de uma pequena parte de sua terra, que está em revisão de limites. Em 2005 foi constituído um Grupo de Trabalho (GT) para um reestudo dos limites, mas até hoje os trabalhos não foram concluídos.

 

Logo depois da volta ao tekoha, segundo o Kaiowá O.J., o grupo tentou diálogo com os produtores rurais, ao que não houve possibilidade de um entendimento; pelo contrário, foi-se aumentando a tensão. No dia 6 à tarde, chegou ao local a Polícia Federal. Após algumas conversações, parecia que seria respeitada a não agressão por parte dos seguranças e produtores.

 

Porém, logo após a saída da PF, houve um avanço sobre os índios, com tiros para o alto, fogos, derrubada e queima dos mais de 20 barracos que haviam sido construídos, conforme informa uma professora que estava com o grupo. Houve muita correria de mulheres, crianças, com muitos gritos e gente chorando. Alguns, como O.J., tiveram todos os documentos queimados juntamente com o barraco.

 

Os índios que sofreram mais essa agressão e violência não desistiram de sua terra, e no dia 7 voltaram ao local, apesar das ameaças que os colonos fizeram de que desta vez vão matar alguns índios. "Essa terra é nossa. Foi demarcada pelo Serviço Proteção ao Índio. Nela vamos ficar", afirma resoluta uma das lideranças do grupo.

 

Também esteve no local a nova administradora da Funai em Dourados, juntamente com a imprensa. O que os Guarani Kaiowá esperam é que a promessa do presidente Lula feita a eles em recente visita a Dourados seja cumprida, e que os Grupos de Trabalho de identificação das terras indígenas voltem à área para concluir os trabalhos o quanto antes.

 

Enquanto isso, Dourados teve um desfile de 7 de Setembro um tanto inusitado, com várias de suas autoridades na cadeia. Sobressaiu mais o grito do que a marcha. O protesto e a indignação falaram mais do que palavras ufanistas. Os princípios da pátria foram violados por escandalosa corrupção e usurpação do dinheiro do povo.

 

A pátria livre

 

Sonhamos com uma pátria livre.  Livre do latifúndio. Livre da corrupção. Livre da fome e da injustiça. Por ora, vamos lutando pelos direitos de milhões de famílias sem terra, pela terra dos povos indígenas e quilombolas, pelo limite da propriedade. Tivemos mais um momento importante para denunciar nossa reforma agrária ao avesso, onde, ao invés de se socializar a terra, ela se concentra cada vez mais em menos mãos, continuando negado o acesso à mãe terra aos seus primeiros habitantes.

 

No dia em que se comemora um momento importante da luta pela independência do nosso país, é importante lembrar que, para os povos indígenas, para as populações afro-descendentes, a independência significa um reconhecimento de seus direitos históricos e constitucionais a terra, de suas culturas, organização social e valores.

 

Não se tornará realidade a independência e continuará sendo uma ficção e uma utopia, bem como não existirá a verdadeira democracia, enquanto não formos capazes de reconhecer e integrar em nossas políticas o respeito a essa diversidade e pluralidade do nosso país.

 

Egon Heck é coordenador do Cimi (Conselho Indigenista Missionário) no Mato Grosso do Sul.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates