topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Encontro casual no Pão de Açúcar: Indústria Nacional Aqui e Acolá Imprimir E-mail
Escrito por Pergentino Mendes de Almeida   
Segunda, 09 de Agosto de 2010
Recomendar

 

Estávamos, Dilma, e eu, tomando um café com pão de queijo no Pão de Açúcar da Cardoso de Almeida.

 

Na mesinha ao lado, um grupo animado de três senhoras e um rapaz tentavam conversar com uma mulher visivelmente estrangeira. Esta se esforçava por entender o que lhe diziam, mas não conseguia. De vez em quando, ela ou alguém na mesa se referia "banco", "bank", "Itaú", mas ninguém se entendia direito.

 

"Diz pra ela que é aqui perto!".

 

"Aqui, aqui", dizia uma das senhoras, falando mais alto e separando as sílabas, "aqui é um su-per-mer-ca-do" – e indicava a loja num gesto largo. "Su-per-mer-ca-do, não tem na Alemanha?".

 

A estrangeira tinha um sorriso aberto e um olhar vago de quem não está entendendo nada.

 

"Diz pra ela que aqui vende queijo", alguém na mesa sugeriu.

 

Uma das mulheres mostrou a colher e disse, bem pronunciado:

 

"Co-lher! Co-lher!".

 

Uma das senhoras tirou um pacote de queijo da sacola e mostrou-o:

 

"Quei-jo! Quei-jo!".

 

A estrangeira parecia só saber dizer, meio encabulada:

 

"No comprendo".

 

Nessa altura, a Dilma não conseguiu conter-se e caiu na risada. Estávamos muito próximos para disfarçar, então todos olharam para nós e fizeram silêncio. Dilma:

 

"Cheese. Cheese".

 

"Ah, chee-se!", exclamou triunfante a alemã, apontando o pacote de queijo que a outra tinha na mão.

 

"Isso, queijo! Cheese!" – rejubilaram-se as outras senhoras.

 

Todos na mesa bateram palmas entusiasmados e riam com satisfação. Estavam falando inglês e conseguindo se fazer entender!

 

Em inglês, a estrangeira dirigiu-se a nós:

 

"Que bom encontrar alguém que entenda o que eu quero dizer. Eu estou aqui porque me disseram para procurar a agência do Banco Itaú, onde tem um caixa automático do qual eu posso sacar meu dinheiro com um cartão. Procurei a agência e me disseram que era aqui perto, mas acho que me perdi".

 

Explicamos a ela (em inglês, é claro) que a agência com caixa automático ficava ali perto, a um quarteirão. Ela fez menção de levantar-se e todos da sua mesa levantaram-se, abraçando-a como se fossem velhas amigas, trocando beijinhos e desejando felicidades mútuas.

 

As senhoras brasileiras saíram, mas a alemã não se afastou. Ao contrário, pôs-se de pé ao lado de nossa mesa e começou a contar:

 

"Sou alemã e estou passando três semanas no Brasil, como missionária da Igreja Bola de Neve. O pessoal da missão me manda dinheiro pelo banco semanalmente e eu preciso retirar o dinheiro da semana na Banco Itaú, porque hoje fiquei completamente sem dinheiro. Eu retiro com meu cartão".

 

O rapaz que estava na mesa ao lado, com ela e as demais mulheres, estava de pé, meio afastado, em silêncio, esperando-a. Ela não parecia tomar conhecimento dele. Parecia uma situação de algum modo embaraçosa para ela. Convidei-a a sentar-se na nossa mesa para nos acompanhar num cafezinho.

 

"Não posso, estou sem dinheiro para pagar o cafezinho. Antes preciso ir ao banco".

 

"Você é nossa convidada e nós estamos oferecendo o cafezinho", disse eu.

 

Expliquei-lhe então que, como já eram quase noite, não devia haver movimento na agência do banco e que ela devia tomar cuidado ao sair com o dinheiro. Ela agradeceu, mas nem olhava para trás, onde estava de pé o rapaz.

 

Suspeitei de algo e olhei interrogativamente para ele. Ele (que não entendera nada do nosso diálogo em inglês) falou, meio sem jeito:

 

"É que eu estou esperando ela para ir com ela no banco".

 

Como eu não o convidei para sentar-se, afinal ele perdeu o embalo e foi embora sem dizer mais. Não era nenhuma paquera, como eu havia pensado antes, ele apenas queria "levar ela no banco".

 

Ela parecia aliviada. Interessou-se em falar sobre o Brasil, que ela queria conhecer do modo mais completo possível em três semanas. Na semana seguinte, ela iria para algum lugarejo do Tocantins.

 

Então, expliquei-lhe que ela iria conhecer uma realidade bem diferente da de São Paulo, que São Paulo (uma cidade da qual ela conhecera até então apenas o percurso do Aeroporto às Perdizes, a Rua Turiaçu e o Parque da Água Branca) é um grande centro industrial, uma metrópole que está se convertendo num mega centro de serviços etc.

 

Ela parecia desconhecer praticamente tudo sobre o nosso país. Tudo o que eu dizia a surpreendia. Arregalou os olhos quando soube que aqui fica a segunda maior fábrica da Volkswagen. Isso me levou a elaborar melhor o assunto:

 

"Veja, São Paulo é o maior pólo industrial da América Latina. Os brasileiros se orgulham disso. Gostamos de nos gabar da indústria automobilística brasileira. Aqui no Brasil, não só em São Paulo, temos a Volkswagen, a General Motors, a Ford, a Fiat, a Toyota, a Citroën, a Renault, e agora a Hyundai está começando a fabricar aqui".

 

Então reparei na sua expressão sorridente, curiosa, como quem aguarda o fim uma piada interessante, sobrancelhas levantadas em suspense. Após algum silêncio, ela percebeu que eu não estava preparando uma piada. Com cara espantada, ela ficou séria e perguntou:

 

"Mas os brasileiros não sabem que a Volkswagen é alemã?".

 

"Saber, sabem. Mas toda a indústria automobilística brasileira é assim. A General Motors, por exemplo, faz parte da indústria brasileira, assim como a Fiat, que é italiana...".

 

A incredulidade inicial transformara-se numa expressão de espanto crescente.

 

"E as brasileiras?".

 

"Essas não existem".

 

Ela fez uma pausa e explicou:

 

"Isso que você me falou é muito estranho. Na Europa, ninguém pensaria assim. Cada país tem suas indústrias. A General Motors, por exemplo, tem fábricas e opera na Alemanha, mas, para qualquer alemão, ou francês, ou europeu, é claro que é uma indústria americana operando no nosso país, não uma indústria alemã".

 

E completou com firmeza: "A Volkswagen, sim, essa é alemã!" (parecia subentender que "não é brasileira, como vocês pensam", mas não pronunciou tal frase).

 

Quando terminou o café, olhamos em volta para ter certeza de que o rapaz desistira de segui-la até o banco e despedimo-nos. Ela agradeceu profusamente a nossa acolhida, conselhos, e ainda:

 

"...e muito obrigada, obrigada mesmo por explicar o modo de pensamento do brasileiro. Eu nunca iria imaginar!".

 

Foi-se e não a vimos mais.

 

  • Juscelino Kubitscheck atraiu o investimento estrangeiro para o Brasil, oferecendo crédito, vantagens, isenções, financiamentos, para realizar seu sonho de "cinqüenta anos em cinco", com base na indústria automobilística e na construção de Brasília. Deu tudo o que lhe pediram. Baixou uma portaria que praticamente inviabilizava o carro popular ideal para um país pobre como o Brasil, com uma população que constituía um grande potencial de base de desenvolvimento industrial: fechou a linha de montagem do Romi-Isetta, que já estava em produção desde antes de ele negociar a ampliação do investimento estrangeiro no Brasil. Quem o fabricava eram as indústrias Romi na década de 50. 
  •  

    • O Isetta fora um sucesso em muitos países da Europa. Carro pequeno, barato e popular, para duas pessoas e uma porta frontal apenas. A portaria baixada pelo governo brasileiro exigia que carro, para ser carro no Brasil, tinha de ter duas portas e lugar para quatro pessoas. O Romi-Isetta parecia o carro que hoje se está desenvolvendo como modelo do veículo urbano do futuro. Já em produção, foi desconsiderado como carro, não teve qualquer incentivo e isenções como as montadoras estrangeiras, e por isso custava mais do que o dobro do que poderia custar, e ainda passou a ser ilegal. O primeiro carro que consta oficialmente como brasileiro foi o DKW-Vemag e o primeiro popular foi o Fusca. O Isetta foi apagado da história oficial. Corria o boato, não sei se verdadeiro, que a Volkswagen havia exigido essa legislação do Juscelino como condição para investir no Brasil.

     

    • Nessa época, nós sabíamos que os japoneses só conseguiam fabricar imitações baratas de quinquilharias, nem contavam como país industrializado.

     

    • Até décadas mais tarde, a Coréia era um país atrasado, mais pobre do que o Brasil.

     

    • Mais tarde, a Gurgel fechou depois de anos de tentativas do seu fundador. Havia o projeto, havia o carro e o jipe, e havia as dívidas. Não teve sequer uma parcela do apoio que as montadores estrangeiras tinham tido.

     

    • Ricardo Machado criou o Óbvio!,um carro popular destinado a ser um sucesso. Nada feito. Não só faltou-lhe apoio oficial, como nos meios industriais já se sabia que isso era uma besteira dele, que brasileiro não leva jeito mesmo para indústria automobilística e que ele é um sonhador. O projeto só não faliu porque foi comprado recentemente pela Capadoccia Investments do Reino Unido, que vai usar a indústria para exportar para todos os países em desenvolvimento (e remeter os lucros para a Matriz, é claro – e isso é legal e ético da parte deles, não há o que se discutir).

     

    • A Capadoccia Investments também está comprando indústrias de caminhões e ônibus desenvolvidas no Brasil, como a Tutto (Caxias do Sul) e a HS de Caxias do Sul (que desenvolveu uma tecnologia de motor a gás de etanol, vejam só!).

     

    • Grandes conglomerados internacionais estão investindo na compra de usinas de etanol e de produção de açúcar.

     

    • Grandes empresas e empresários estão comprando não apenas plantações de cana, mas grandes extensões de terra. Para os japoneses, trata-se de uma política nacional (deles) de expansão de suas fronteiras agrícolas.

     

    • O governo mudou a regulação do sistema e botou dinheiro do BNDES (juros baixinhos, que o governo toma a juros altíssimos) a fim de viabilizar uma super tele brasileira, a Oi. Uma vez viabilizada, ela agora está vai-não-vai para os espanhóis, só que o governo português, que é nacionalista apesar de europeu, não quer. O Brasil não tem mais muito a ver com isso. Já foi vendido. O Brasil não é nacionalista atrasado, como os europeus e os americanos sempre foram.

     

 

Quem dá mais? Quem dá mais? Qual o telefone do lobista que consegue tudo isso?

 

O país está à venda. É para essas "atividades produtivas" que vai boa parte dos dólares que enriquecem nossas reservas, que, por sua vez, servem para garantir o pagamento dos dólares que nos emprestam ou remetem, que, por sua vez... ah, deixa prá lá.

 

Pergentino Mendes de Almeida é diretor da AnEx – Analytical Expertise & Scenarios.

 

E-mail: pma(0)anexfuturos.com.br

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates