Mar de cristal

 

Talvez eu, mineiro de quatro costados, descenda dos Christo, ciganos que aterrorizaram a região de Ribeirão Preto em tempos antanhos e que, não duvido, guardam parentesco com o artista plástico de origem búlgara de mesmo nome, famoso por embrulhar monumentos como o Reichstag, o parlamento alemão.

Digo-o por ser um viajor inveterado. Não que me sinta atraído por terras estranhas ou estrangeiras. Bem observava meu pai ao afirmar que viajo mas não passeio. Sim, no íntimo acalento o sonho de habitar uma cartuxa, cultivar em torno da ermida uma horta para consumo próprio e não me ocupar senão de orar e escrever.

A vida de pregador, a cuja Ordem religiosa pertenço, leva-me aos quatro cantos do mundo. O que me intriga, pois não tenho nada especial a dizer. Não detenho títulos acadêmicos, nem fiz nenhuma descoberta ou teoria que mereça propaganda. Por que tantos convites, em especial da Europa, onde sobram mentes muito mais cultas e iluminadas do que a minha? Ninguém é juiz de si mesmo, ensinam o Evangelho e também Marx que, como bom judeu, herdou influências bíblicas. Se me é dado direito a uma opinião, direi que sou convidado, não pelo que teria a dizer, mas por ser um otimista inveterado.

Eis o que esperam de mim, com perdão da redundância: esperança. Para a cultura predominante na Europa ocidental, confortavelmente assentada nos êxitos econômicos da União Européia, o presente é o futuro. Resta preservá-lo. De que é feito esse presente? De consumismo. Produtos, objetos dos sonhos de gerações passadas, encontram-se, agora , ao alcance da maioria, como carros. Na Espanha há 36,9 milhões de habitantes e 46 milhões de telefones celulares.

Esse bem-estar atrai imigrantes pobres que a Europa trata de afugentar. Em fevereiro, a Agência Européia de Controle de Fronteiras (Frontex) passou a policiar oito aeroportos europeus para vigiar o fluxo de imigrantes latino-americanos. Estão sob controle os aeroportos de Madri, Barcelona, Lisboa, Paris, Amsterdã, Milão, Roma e Frankfurt.

Apegado à sua ordem e progresso - que para nós é apenas um lema na bandeira – o europeu ocidental se pergunta: para quê? É isto a vida, mera reprodução biológica em condições excelentes de consumo e bem-estar?

Na falta de sentido, os europeus investem na satisfação dos sentidos. Ingerem mais comida e bebida e, também, mais drogas. Alguns poucos, como meus anfitriões, se indagam: até quando viveremos nesse mundo de opulência (gastam, por ano, o equivalente a 15 bilhões de reais apenas com sorvete!) cercados por um mundo de tanta pobreza?

Vou mundo afora semeando esperança, partilhando minha fé abraâmica no ser humano. Sim, sou menos crédulo agora que já me foi dado dispor de 2/3 do tempo médio de vida humana. Não mais espero a coincidência entre o meu tempo pessoal e o tempo histórico. Já não creio no homem e na mulher novos, frutos do casamento de Teresa de Ávila com Ernesto Che Guevara. Todos nós, humanos, temos defeito de fabricação, que a Bíblia chama de pecado original. Nem por isso deixo de acreditar que, um dia, haveremos de criar uma sociedade cujas instituições inibam nossas tendências nefastas e perversas.

Nisto reside a minha esperança: de que o novo não decorre de um ilusório sentimentalismo que nos induziria a amar o próximo como a si mesmo. A solidariedade virá como exigência política; caso contrário estará em risco a vida na Terra. Não é o asteróide Apofis, que se aproximará da Terra em 2029, que nos ameaça. É o nosso modelo concentrador de renda, devastador da natureza e excludente dos direitos humanos. Então muitos compreenderão que o socialismo é a expressão política do amor.

Tudo isso me veio à cabeça ao aguardar o metrô numa estação de Madri, cujo nome me soa literário: Mar de Cristal. Belo título para um romance. Como não hei de escrevê-lo, utilizo-o para batizar esta crônica.

 


Frei Betto é escritor, autor de “Típicos Tipos” (A Girafa), entre outros livros.

 

Para comentar este artigo, clique {ln:comente 'aqui}. 

 

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados