Resposta a um banqueiro cínico

0
0
0
s2sdefault

 

No último dia 11 de julho, o presidente do Banco Santander e da Febraban, Fabio Barbosa, utilizou o espaço mensal que a Folha de S. Paulo lhe reserva para propor renovadoras mudanças de paradigma na sociedade, com palavras afinadas aos ‘modernos’ discursos capitalistas de responsabilidade social, ética em todas as relações da vida e conselhos de boa governança.

 

Em seu desinteressado artigo, ele também se utiliza do discurso padrão dos grupos hegemônicos do país, ao elogiar avanços econômicos e políticos alcançados pelas políticas de crédito que permitiram uma maior inclusão no mundo do consumo a boa parcela da população, que somados às panacéias do Pré-sal, da Copa do Mundo e das Olimpíadas teriam tudo para fazer o país decolar de vez.

 

No entanto, alerta que devemos ainda superar antigos gargalos, todavia limitantes de nosso crescimento, que poderiam ser suplantados por reformas políticas, previdenciárias e trabalhistas, obviamente com o condão de desonerar mais ainda a classe empresarial, pois tamanhos ‘gastos’ (habilidosa desconstrucão patronal) ‘minam nossa competitividade externa’.

 

No entanto, todo este preâmbulo ideológico não poderia estar desacompanhado da mais peremptória de todas as reformas: a de valores. Ele alerta a todos que não podemos esperar que o governo nos resolva tudo, de modo que a sociedade precisa mostrar todo seu potencial de transformação, o que não exige "apoio no Congresso nem em nenhuma instância de governo. Também não é necessário projeto de lei".

 

É bom nos atermos ao fato de que as conseqüências de ‘dispensar o Estado de ter mais trabalho do que já tem’ abriram feridas na vida de milhões de brasileiros que tiveram seus padrões de vida rebaixados. Por isso, talvez tenhamos de ter os dois pés atrás quando o presidente do banco que atualmente mais envia funcionários adoecidos à previdência e que até hoje sonega as aposentarias de 14 mil ex-funcionários do Banespa sugere que sigamos as novas tendências empresariais, que já "acordaram para a relevância de rever princípios e valores, mas podem acelerar".

 

O presidente do ex-patrimônio público arrematado fraudulentamente coroa seu libelo civilizatório reforçando a toda a cidadania nacional que "está cada vez mais claro que não existe incompatibilidade entre fazer as coisas de forma ética e transparente e ter bons resultados financeiros. Esse ‘falso dilema’ tem que ser abolido de vez das conversas empresariais, pois não se sustenta na realidade que observamos e não se coaduna com o país que queremos construir".

 

Abaixo, o leitor do Correio da Cidadania poderá ver o que pensam a respeito da sugerida transformação social os aposentados do antigo Banespa, que até hoje esperam pelas aposentadorias que amealharam após décadas de trabalho para uma das instituições que mais enriqueceu os cofres públicos de São Paulo. A resposta do ex-bancário João Bosco Galvão de Castro, endossada prontamente por mais de 600 banespianos, põe em dúvida mais este decrépito manual de sociedade neoliberal.

 

Resposta ao artigo ‘Reforma de Valores’

João Bosco Galvão de Castro

 

Somos cerca de 14.000 aposentados do Banespa, hoje infelizmente dependentes do Banco Santander, o qual Vossa Senhoria preside em nosso país. Consideramos o seu texto muito interessante. Contudo, em que pese a sua proficiência, há que se considerar que o mesmo pode levar as pessoas - afora nós que estamos sendo prejudicados pelo seu banco desde a privatização do Banespa - a ter um entendimento ambíguo sobre o seu teor.

 

Como se diz comumente, apesar de suas belas palavras, o papel aceita tudo. Poderíamos considerar sua reflexão como uma apologia para que se estimule a "Hora da Reforma de Valores" que deve ter aflorado em sua mente e em seu espírito cristão, e que possivelmente venha a ser colocada em prática, de modo que a também nos beneficiar.

 

Caso contrário seria um amontoado de palavras, que terá o efeito desejado apenas perante o mercado e os leitores desavisados do jornal Folha de S. Paulo. Para tais leitores, que não conhecem o problema dos aposentados do Banespa - e não são obrigados a conhecê-lo - o seu raciocínio é digno de constar na galeria dos maiores defensores dos direitos do cidadão.

 

Para nós, porém, sobrevivendo desde o ano de 2000, quando o glorioso Banespa foi entregue ao capital estrangeiro e após perdermos mais de 2.750 colegas que morreram sem verem seus direitos restituídos, resta nos defrontarmos com um banco que, sob o seu comando, permanece insensível a tudo.

 

Para quem conhece o assunto, seu comentário poderia sugerir um jogo de cena, uma cortina de fumaça para encobrir a irresponsabilidade social praticada pelo seu banco contra aqueles que destinaram os melhores anos de suas vidas ao engrandecimento do Banespa.

 

Quando Vossa Senhoria enumera uma série de atos que deveriam ser transmitidos aos nossos filhos, não sabemos exatamente a quem se refere, se aos que defende na teoria ou se aos que usa na prática. Relutamos, doutor Fábio, em alimentar alguma esperança ao vermos no bojo de sua matéria um trecho, não sabemos se dito com o sentimento de cidadão ou com o pragmatismo de um empresário bem sucedido, afirmação de que "uma sociedade nada mais é do que o somatório das atitudes de cada um de nós, de cada uma de nossas empresas".

 

A grande verdade é que para nós, aposentados do Banespa, embora correta a sua definição, falta muito para a empresa que Vossa Senhoria dirige possa vir a ser nela enquadrada da forma sugerida, com as atitudes e valores prescritos pelo senhor.

 

SÃO 14.000 APOSENTADOS BANESPIANOS CARENTES DE JUSTIÇA!

 

João Bosco Galvão de Castro.

Contato: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Leia mais sobre o Banco Santander e a luta dos aposentados do Banespa:

 

Para aposentado do Banespa, CPI pode revelar verdadeira face do Santander

CPI do Santander precisa focar roubo de aposentadorias e super-exploração

‘Bancários vivem fase da geração tarja preta’ 

 

 

{moscomment}

Comentários   

0 #25 O DRAMA DOS APOSENTADOS DO BANESPAJoão Bosco Galvão de Castro 27-07-2010 11:14
Sou suspeito em escrever algo neste espaço. No entanto, como autor do texto que gerou a matéria, como agradecimento ao Correio da Cidadania, estou postando uns versos aos quais dei o título de "APOSENTADO FERRADO". Já havia escrito anteriormente uma parte, ora acrescida de alguns versos, citando inlusive meu agradecimento pela acolhida neste espaço democrático.

"APOSENTADO FERRADO"
Bosco

Nossa história se repete,
desde o século passado,
sindicato e patrão,
entidade e aposentado.

Tô ferrado, tô ferrado,
tô ferrado, tô ferrado...


Cada um busca sua meta,
cada qual tem o seu lado,
nesta briga de irmão
o outro sempre está errado.

Tô ferrado, tô ferrado,
tô ferrado, tô ferrado...

No início deste século,
prá assembléia fui chamado,
com meu voto ignorado,
negociou tá negociado.

Tô ferrado, tô ferrado,
tô ferrado, tô ferrado...

Na entrada de um ano novo,
para o fundo fui levado,
sem ter sido consultado,
e nenhum papel assinado.

Tô ferrado, tô ferrado,
tô ferrado, tô ferrado...

Tem processo engavetado, transitado e julgado,
apelante e apelado,
mas sem nada creditado.

Tô ferrado, tô ferrado,
tô ferrado, tô ferrado...

Mais um ano se completa,
o velho sendo enrolado,
o remédio indicado,
é cada um em seu quadrado.

Tô ferrado, tô ferrado,
tô ferrado, tô ferrado...

O banco "tá" fazendo a festa,
e da gente tem zombado,
tem discurso no Senado,
em reunião sem resultado .

Tô ferrado, tô ferrado,
tô ferrado, tô ferrado...

No jornal fala bonito,
deixa a gente emocionado,
noutro dia no serviço,
esquece tudo que foi falado.

Tô ferrado, tô ferrado,
tô ferrado, tô ferrado...

O aposentado encontra um dia,
Jornal sem espaço comprado,
e no Correio da Cidadania,
nosso drama foi mostrado.

Tô ferrado, tô ferrado,
tô ferrado, tô ferrado...

A esperança de justiça,
não tem prazo estipulado,
enquanto o banco cobiça
o velho morto e enterrado.

Tô ferrado, tô ferrado,
tô ferrado, tô ferrado...
Citar
0 #24 RESPOSTA A UM BANQUEIROValdir Pereira - Didi 26-07-2010 20:35
Quero mais uma vez parabenizar o colega Bosco pela iniciativa e também agradecer ao CORREIO DA CIDADANIA pelo espaço e divulgação da nossa causa.
Citar
0 #23 Resposta a um Banqueiro CínicoNelson Luiz Palomino 26-07-2010 08:46
Até quando pessoas como o Sr.Fábio vai pensar que somos idiotas.
Talvez estejamos realmente desunidos para nos levantar-mos contra esse tipo de pessoas, mas temos que agradecer pessoas como o Bosco, Alvaro. Setembre e Jose Milton, com esse maravilhoso espaço concedido pelo Correio da Cidadania, ao qual somos imensamente gratos, seja o inicio do nosso despertar.
Citar
0 #22 Rui Orlando Pereira 26-07-2010 08:03
Antes, quero parabenizar o colega João Bosco Galvão de Castro pelo excelente comentário, assim como os demais aposentados pela participação neste site.
Ao mesmo tempo suscitar para que outros comentem e se engagem à nossa posição, tão gritantemente vilipendiada!

Os banqueiros enxergam apenas cifras relativas a lucros à sua frente, desprezando tudo e todos que não lhes rendam os valores exorbitantes. Assim sucede com a parte humana, social, democrática e mesmo legal, a cujo respeito e cumprimento estão obrigados. Pouco ou quase nada importa a eles o sentido da vida em sociedade, a dignidade da pessoa humana, o profissionalismo com a mesma dignidade com que deveriam ser dirigidos os serviços das instituições bancárias; e pior, os direitos adquiridos e consubstanciados daqueles que batalharam para o engrandecimento das empresas bancárias por eles dirigidas.

Isto é o que ocorre, em realidade, malgrado os dircursos metafóricos do Sr. Fábio Barbosa, ou de quem quer que venha a estar em seu lugar. Trata-se de mais um funcionário sendo muito bem pago para exercer a política insensível, desumana, antidemocrática e mesmo ilegal do Banco Santander.
Citar
0 #21 Aposentado-Banespa/EconomistaLuiz Carlos Cocchi 26-07-2010 05:57
Nosso protagonista Sr. Fabio Barbosa Colletti, fala-nos de ética, moral, valores e princípios. No palco de seu teatro, tudo pode : falar de ética e exemplificar a falta de príncípios com os aposentados banespianos; falar de valores morais e ter valores unicamente monetários, visualisando somente lucros; falar de ética e ensaiar uma peça teatral sem estética. O preço da entrada no seu teatro foi de surrupiar a aposentadoria dos banespianos, com o congelamento de nossas aposentadorias e pensões, enquanto esse senhor de locupletava com os títulos do governo federal emitidos exclusivamente para garantir a nossa aposentadoria(nossa vida), os quais eram corrigidos anualmente pela TR mais IGP-DI.
Que dura missão ser protagonista de uma chanchada de quinta categoria!!

Luuiz Carlos Cocchi - Aposentado do Banespa
Citar
0 #20 Banqueiro CinicoNELSON TAKASHI KODAMA 26-07-2010 05:09
Temos alguém que nos apoia nesta luta incansavel contra o Santander.
Citar
0 #19 Reforma de ValoresCarlos Ivan 26-07-2010 01:45
Parabéns ao CORREIO DA CIDADANIA pela abertura do espaço para a interação de um tipo de comunicação democática.Aberta ao povo, sem subterfúgios.
Meus cumprimentos ao Bosco, autor do excelente texto, por ter, corajosamente, descerrado "a cortina de fumaça que encobria uma irresponsabilidade social". Foi demais.
Citar
0 #18 Resposta a um Banqueiro CínicoFrancisco de Assis Gonçalves 25-07-2010 10:36
Parabens ao Banespiano João Bosco Galvão de Castro pela matéria publicada no Correio da Cidadania, deixando bem claro que o Sr. Fábio Presidente do Banco Santander, coloca em prática a lei do Façam o que eu mando, mas não façam o que eu faço, como assinante da Folha de S.Paulo lamento ter que deparar com uma matéria tão séria tranmitida por um individuo tão como esse Dr. Fábio Colletti. Francisco-Piracicaba-SP.
Citar
0 #17 Resposta a um banqueiro cínicoEliel da Silva DOrnelas 25-07-2010 08:52
Meus parabéns querido BOSCO, este espaço serve para esclarecer a verdade sobre esse banco e seus gestores. Como já citei, há uma grande dicotomia entre um grande Jornal e uma pessoa com uma mente muito pequena. Esse banco não consegue crescer na Europa e nos EUA, como acontece na América Latina. Infelizmente como também já fora comentado aqui no Brasil, infelizmente em todas as camadas da população e até mesmo nas Instituições Públicas, há pessoas que agem segundo um preço e não conforme os princípios que deveriam nortear suas condutas. Ainda bem que existem pessoas como você:sempre atuantes em colocar a verdade à disposição, pelo menos para aqueles que procuram por ela.Continue, não desanime, que Deus o ajude a mostrar um despertar em todos os dias. Abraços Eliel Dornelas-RJ
Citar
0 #16 \"Reforma de Valres\"Harri Rodrigues 25-07-2010 08:08
Agradeço ao Correio da Cidadania, por este espaço,para ser a voz de milhares de Banespianos espoliados em seus direitos trabalistas pelo Santander,quando o seu Presidente - Fábio Barbosa, travestido na ética e responsabilidade social, que sobejamente sabemos, é tudo falso e mentirosa sua colocações de \"boa governança\".
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados