Aliança público-privada conservadora relança ‘questão agrária’

0
0
0
s2sdefault

 

A recente discussão e posterior aprovação (modificada) do Relatório Aldo Rebelo na Comissão Especial da Câmara Federal, que se propõe modificar o Código Florestal, evidenciou alianças e pactos políticos inesperados ao grande público – latifundiários do agronegócio e comunistas do PC do B defendendo as mesmas idéias sobre expansão agrícola, meio ambiente e direito de propriedade.

 

Ante a perplexidade que tal aliança pode suscitar, é preciso ir mais a fundo nesta questão, permeada de mitos e meias verdades, que de quando em vez vem a lume. O mito fica aqui representado pela tese implícita do Relatório Rebelo, que me desonero de comentá-la: haveria uma espécie de conspiração de ONGs ambientalistas a serviço dos competidores brasileiros no mercado internacional de ‘commodities’

 

A aliança do PC do B com a CNA (Confederação Nacional da Agricultura), da senadora Kátia Abreu, propõe-se, na verdade, a reverter de vez o princípio de que a terra e os recursos naturais integrantes dos seus biomas são bens sociais, sujeitos a uma função social e ambiental. Estes critérios são previstos na Constituição Federal e regulamentados por algumas leis (Lei Agrária, em especial para a Reforma Agrária, e leis ambientais, dentre as quais o Código Florestal para o dispositivo do Art. 184 – CF que trata da ‘preservação ambiental e utilização adequada de recursos naturais’).

 

O que se quer pôr no lugar desse princípio é a tese esdrúxula de que a ‘terra é uma mercadoria como outra qualquer’; e de que as florestas não são bem público, ou ‘bem social’, na acepção constitucional, mas sim ‘matéria-prima florestal’, sujeita a regulamentações, mas em essência um bem privado a ser utilizado segundo as conveniências da expansão dos mercados internacionalizados.

 

Essa reengenharia ideológica encontra nos ruralistas aplausos incondicionais por razões mais ou menos óbvias. Mas o curioso é o conjunto de apoios, que de maneira tácita ou implícita obtém a tese da ‘mercadorização’ dos recursos naturais – o Poder Executivo, praticamente inteiro, amplos setores da autodenominada ‘base aliada’ e vários segmentos do capital monopolista, integrantes do autodenominado agronegócio. A exceção dessa regra ficou por conta dos ambientalistas de vários partidos, dos defensores da Reforma Agrária e da segurança alimentar e, afortunadamente, desta vez, dos vários setores da opinião pública urbana, devidamente informados pela grande mídia.

 

Não vou entrar em detalhes do Relatório Rebelo, que já passou por várias modificações e que, ao que tudo indica, não será votado em Plenário neste governo, possivelmente por razões eleitorais. Mas as teses nele contidas, à parte sua visão conspirativa da história, continuarão a tramitar no Parlamento e no Executivo deste e do próximo governo, porque são partes e peças de um verdadeiro pacto de economia política, estranho às eleições e mais estranho ainda às regras constitucionais. Este pacto, vigente desde o segundo governo FHC, empresta o maior destaque à acumulação de capital na agricultura, vinculada à expansão das exportações primárias.

 

É sobre esta estratégia público-privada, que envolve grande capital agroindustrial, grande propriedade fundiária e o Estado brasileiro, que devemos nos preocupar. Na sua esteira vem ocorrendo coisa muito ruim para a sociedade brasileira e para o meio ambiente: MPs legalizando a grilagem de terras (MP 458/2008), revisão conservadora da Lei Agrária (Projeto de Lei do Senado n. 202/2005, que retira do Executivo a atualização do índices de produtividade da Lei Agrária) e, finalmente, agora, a tentativa de revisão das partes permissivas ao controle social do atual Código Florestal.

 

A convicção que se vai formando lentamente no Brasil urbano é a de que a questão fundiária e ambiental, originalmente lida como essencialmente rural, é hoje problema crucial para toda a nação. Cada vez mais cresce a percepção de que enchentes e inundações freqüentes em todo o Brasil não são obras do acaso. Muito disto se deve a matas ciliares degradadas, desmatamento ilegal, espaços urbanos desequilibrados de cobertura verde, sistemas hídricos danificados pelo lixo e outras tantas formas de degradação ambiental, que em certo sentido refletem uma cultura de socialização das perdas e privatização dos lucros naquilo que se refere à apropriação dos recursos naturais.

 

Felizmente a revisão do Código Florestal não tem passado incólume ao crivo da opinião pública, graças em certo sentido ao papel informativo que a mídia cumpriu neste caso. Mas isto também reflete a percepção dos riscos das crises ecológicas sobre a vida urbana, uma dimensão nova da ‘Questão agrária no início do século 21’.

 

Guilherme Costa Delgado é doutor em Economia pela UNICAMP e consultor da Comissão Brasileira de Justiça e Paz.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #3 Identidade partidáriaEDER GOMES DA COSTA 24-08-2010 07:29
Interessante o texto do doutor Guilherme Costa Delgado que será comentado por mim, um simples pós - graduando em História da FFPG (Goiana - PE.
Interessante por que chamou -me a atenção quando supracidato um trecho falando da aliança do Pc do B com a CNA, siglas de teorias diferentes, mas de práticas iguais. Iguais por que até aqueles que dizem comunistas estão na barganhagem do capitalismo,atualmente, os partidos que possuem realmente uma identidade verdadeira como o PT dos anos 80 são partidos de pouca magnitude, assim tratados pela mídia capitalista. O PT representou a revolução puramente marxista, certo, que há uma quantidade ínfima fiel aos conceitos socialistas, mas essa menoria é desfeita no ar, sufocada pelos "peixes" grandes. Estamos assistindo a uma poliana, onde fala-se o óbvio. O sábio FREI BETO no seu texto falando a respeito do Mercado eleitoral cita Aristóteles, onde este filósofo 3 séculos antes de Cristo já observara o quanto é "vantajoso" manter-se no poder, por que o poder oferece vantagens que leva muitos a lutarem por uma fatia desse bolo e juntos banquetearem das mordomias mantidas por nós, classe operária, prometendo, dando tapinhas nas costas, mas por trás tudo ao contrário.
Muitos desses partidos que defendiam a igualdade social,agora, fatiam o poder, esquecem ou até mesmo ignoram suas ideologias, por que o Estado é uma mulher de seios rijos e fartos,salvo os "nanicos".
Voltando ao PT que elegeu muitos seguidores, sem dúvida, e desse mesmo partido chegou ao poder máximo da nação, nos braços do povo um metalúrgico , onde este teve que abandonar o macacão da classe operária para vestir o terno do capitalista.
Não há uma identidade política e partidária neste país, salo os "nanico".
Citar
0 #2 terrabraz 20-07-2010 12:32
Parabéns pela materia, este partidinho(PCdoB),nanico, nunca me enganou, mandendo a tradição histórica de colar ao grandes
qualquer que sejas eles, tese
de infiltrar por dentro e fazer
mudanças, reformas a partir dai.Mas a quase cem anos destes Pcs
nada mudaram, e eles vão se adaptando como forma de sobrevivencia. Marx, Lenin e outros dever estar tremendo
no túmulo frente a estes oportunistas
Abraço
Braz
Citar
0 #1 EconomistaLuiz Carlos Cocchi 20-07-2010 05:23
Nào deixa de causar espanto o envolvimento dos ditos partidos de esquerda (PT, PC do B, PSB) com os conservadores ruralistas, nessa questão agrária. Isso vem demonstrar que tais partidos, originários do "esquerdismo",doença infantil do comunismo, imaturos e inconsequentes, promovem acordos que vão de encontro aos seus princípios programáticos.
A transformação das florestas, de "bem social" para "matéria-prima florestal", como desejam nossos partidos de "ësquerda", como disse o lúcido articulista, promove nossas florestas como mais uma commoditie, na bolsa de mercadorias internacional.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados