O narcotráfico, os EUA e a América Latina

 

O problema principal da América Latina não é o narcotráfico, supostamente associado aos governos progressistas e à guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia. Esta é a tese dos Estados Unidos, forjada para justificar a reescalada de sua intervenção militar e policial em nosso continente e para impulsionar o realinhamento conservador de partidos e governos latino-americanos.

 

A guerrilha colombiana, por exemplo, é muito anterior à emergência do narcotráfico com a gravidade que assumiu nas últimas décadas, graças à cumplicidade de sucessivos governos de Bogotá. Tudo indica que a guerrilha se envolveu com narcotraficantes e com seqüestros mais recentemente, para adquirir armas e sobreviver às investidas combinadas dos Estados Unidos, do governo de Bogotá e das forças paramilitares colombianas, que assassinaram milhares de combatentes e simples militantes progressistas durante vários anos com o estímulo e a tolerância dos Estados Unidos e do governo de Bogotá.

 

Esse envolvimento das FARCs pode ser considerado um erro, pois os fins, por mais nobres que sejam, não justificam quaisquer meios. Contudo, também é um erro cínico que, para atacar a guerrilha, se simplifique drasticamente o complexo quadro colombiano, ou a cadeia internacional formada pela produção, comercialização e consumo da cocaína, inclusive no interior dos Estados Unidos. Há alguns dias, um especialista brasileiro lembrava, em artigo publicado em O Estado de S. Paulo, que a Bolívia, outro país que vem sendo acusado de complacência com o narcotráfico, não possui indústria química. As substâncias necessárias para transformar a folha de coca em cocaína provêm de países vizinhos, inclusive do Brasil.  

 

Trata-se, portanto, de propor de forma concreta e amistosa que os países latino-americanos se unam no combate à praga do narcotráfico, mas não de utilizá-lo como pretexto para dividir os países latino-americanos, incriminar seus governos progressistas e favorecer a tentativa dos Estados Unidos de retomarem sua intervenção em nossos assuntos internos.

 

Nenhum candidato progressista brasileiro deve endossar a tese insustentável do governo de Washington, nem muito menos transformá-la numa das bandeiras principais de sua campanha. Quem o fizer, independentemente do efeito eleitoral de suas declarações – aliás, duvidoso –,  cometerá um haraquiri político. Das posições de que países e de que forças internas se aproximará quem atacar a Bolívia e elogiar a Colômbia, quem investir contra o Irã e silenciar sobre Israel?

 

Duarte Pacheco Pereira é jornalista.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 o narcotraficocarlos de morais 13-06-2010 12:43
este pretexto se junta a outros, como p.ex. inventar armas no Iraque,armar Israel, inventar bomba atomica no Irã, impor dituras na Europa e, principalmente na Améria Latina. E, são campeoes na defesa dos direitos humanos. Safa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados